Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Janeiro 2009

Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara


JFrancisco Alves Sobrinho, o Chico Sobrinho’, que conheci ainda menino, foi uma pessoa de bem e de bens. Nasceu no sitio Arara, a 40 km de Acopiara, em 25.11.1925, fi lho de Antonio Rufi no de Almeida e Maria Alves de Melo. Não foi um ilustrado, mas cresceu. Não foi culto, mas tinha carisma. Não foi um gênio, mas foi empreendedor. Fez do trabalho a referência de sua vida. Seus opositores, no reducionismo idiota e cínico, diziam que era um roceiro, um analfabeto, um simplório. Tem preconceito, inveja, despeito nisso. Não engrandece os críticos,e enaltece a biografi a de Chico Sobrinho o chefe do clã dos Alves e Almeida que está chegando aos 20 anos na prefeitura de Acopiara, oito com ele e 12 com o fi lho, Antonio. Se mais atingiu foi por Chico Sobrinho perdeu a prefeitura em 1982 e Antonio em 1986 e 2000.

Ele não ligava para o que falavam dele. Não tinha tempo para ser mesquinho. Carregava um olhar suave e uma expressão de quem só pensava em fazer o bem, sem olhar a quem. Perseguia os objetivos de vida, no pessoal e no coletivo. Conhecia os que o procuravam e procurava os que não conheciam no ideal de servir.

Não tendo estudado, mesmo porque Acopiara de sua infância não tinha escolas, havia poucas professoras particulares, formou todos os fi lhos e os netos seguem pelo mesmo caminho.

Acopiara, que cresceu no conservadorismo político e social, superando-se entre os trancos do Estado provedor e a sociedade empreendedora, foi um feudo da oligarquia do PSD e do coronelismo, embora nenhum fosse oligarca ou coronel. Foram pessoas humildes até. A oligarquia e o coronelismo da UDN, também sem oligarcas nem coronéis, lutava com unhas e dente pelo poder, mas não conseguia conquistá-lo, pois tinha ainda que enfrentar o padre João Antonio, aliado incondicional do PSD. Chegava perto.

Se houve um movimento que apaixonou o interior do Ceará foi o da política partidária, PSD/UDN, nas cidades do sertão. Acentuouse com o Estado Novo até a revolução (ou golpe) de 1964. Como se fazia política? As famílias entravam num partido e pronto. Quem reunia maior número de famílias e familiares mantinha-se no poder. Havia certa paixão que se espalhou pelas calçadas, praças, quermesses, bares, comércio, farmácias, consultórios, cartórios,sítios, fazendas, igreja, padaria. Não havia inimigos, mas quase isso. Adversários, sempre, ferrenhos, riscando fogo na rua. Cada gesto deveria ser medido para não se transformar numa provocação, numa fagulha que incendiasse corações e mentes.

A hegemonia de 34 anos (1922-1954) de poder de Celso Castro (Icó) e de 17 anos do PSD (1937-1954) foi quebrada por Alfredo Nunes de Melo ( Acopiara), (UDN) , prefeito entre 1954/1958.

Chico Sobrinho chegou à cidade e foi ser camboeiro, transportando algodão em lombo de burro. Depois foi merceeiro, dono de armazém e padaria, comprou a de Juarez Nery, pequeno empresário, adquiriu o que restou de uma usina de benefi ciamento de algodão, a 1ª. de Acopiara, fundada por Chico Guilherme, fechada há 20 anos, que fi cava no Prado, passou a produzir o óleo de algodão, comestível “Acopiara”, tempo em que o Ceará começou a produzir óleo enlatado, como o Pajeú, da Siqueira Gurgel, em Fortaleza. O negócio foi retomado por seu fi lho Ricardo Almeida que lá produz os sabões “Lages” e “O melhor” e o biodiesel, de mamona, o “Ric-bil”.

O Ceará era o maior produtor de algodão do Brasil e . Acopiara o maior do Estado , antes do bicudo, e chegou a contar com cinco usinas.

Com os negócios crescendo, entrou na UDN e tendo sido eleito prefeito em 1958, , derrotando Celso Castro (PSD), com apoio de Alfredo Nunes, assegurando a hegemonia da UDN.

NO seu mandato, reconstruiu o Mercado Central, construiu o mercado de frutas, instalou o posto telefônico da Teleceará, telefones monocanais (com manivela) em distritos, implantou açudes, escolas, cemitérios, pavimentação de ruas, assistência social e estendeu os postes da energia elétrica.

O PSD voltou ao poder em 1962 com Miguel Galdino de Oliveira (Saboeiro).

Chico Sobrinho não fi cou porém sem mandato, elegendo-se deputado estadual 1962/1966, com uma atuação discreta.Na Assembléia os eixos políticos são outros e haja cacife e sabedoria para se impor. Aliás, lá comecei minha atividade profi ssional de jornalista, como repórter político, do jornal O Estado.

Voltou à prefeito para um segundo mandato em 1972/1976.

Três de seus 11fi lhos com d. Francisca de Melo Almeida, ainda viva e sábia, seguiram seus passos na vida pública. Antônio Almeida, que é engenheiro civil, foi prefeito de 1992/1996, 2004/2008 vai para um terceiro mandato em 2008/2012. Já foi deputado estadual em 2002 /2006. Ricardo Almeida, advogado, vereador por dois mandatos, 1988/1992 e 1992/1996, e deputado estadual por dois mandatos, 1994/ 1998/1999 /2002. Emídio Almeida, administrador hospitalar, eleito vereador 2004/2008 e reeleito para 2008/2012.

Seus demais fi lhos: Maria de Fátima, fi sioterapeuta, Fábio, economista; Lúcia, médica; José Flávio, economista; Francisco Junior, ciências jurídicas. Maria Deiva, administradora de empresas. Iolanda, psicóloga, e Gerlane, farmacêutica e pedagoga.

Quando faleceu em 2001 aos 76 anos, com os fi lhos todos de canudo e anel, já alegrara seus passos sendo trilhados pelos fi lhos Antonio na prefeitura e na Assembleia Legislativa, em Fortaleza e Ricardo na Câmara de Vereadores de Acopiara Sentia-se realizado, feliz, com o dever cumprido.

Conta a lenda que Chico Sobrinho era conhecido como “pai dos pobres”. No alpendre de sua casa na rua Pedro Alves, antiga Farias Brito, atendia a todos que o procurava. Ali praticava sua arte. Também foi chamado de “cordão de ouro”, porque não se quebrava. Com um sem mandato, chuva ou sol, era atencioso e solícito com os humildes que lhe batiam à porta, na busca de socorro. E o fazia com simplicidade, simpatia , carinho, caridade e humanismo.

(*) JB Serra e Gurgel, (Acopiara), jornalista e escritor.

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -