Boa noite, quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Fevereiro 2009

Acopiara vista à distancia, em cruzeiro


Viajei com acopiarenses em um cruzeiro pelas costas do Brasil. Éramos quase duas mil pessoas, 10% de cearenses. Nós estávamos em 1%, menos de uma dúzia. Uma pena que a Acopiara não tenha mar e não possa se candidatar a ser escala turística. Nada é impossível pois a Bolívia além de não ter mar exibe uma robusta Marinha de Guerra com um almirantado cheio de medalhas, mais parecendo bolo confeitado. Não sei como tais barcos chegaram lá em cima do morro. Suponho que as titicas foram construídas nos estaleiros às margens do Titicaca.

É uma pena porque cidades marítimas tem escalas e pouco, muito pouco, oferecem aos turistas, como Ilhéus, Ilha Grande, Búzios, Ilha Bela e Porto Belo. Carecem de estrutura mínima. Jorge Amado está abandonado e esquecido em Ilhéus, caminha para virar lenda. Em Búzios, até a estátua de Brigite Bardot foi roubada e derretida. Ilha Grande nem presídio tem mais. Ilha Bela só tem paulista e Porto Belo só catarina. Mesmo cidades grandes estão atordoadas, diante das ondas de assaltos e violência. Em Salvador, a 3ª. cidade do Brasil, assalta-se turista à luz do sol. Avança-se sobre um cordão de ouro como fosse um troféu. Há quem afirme que as empresas de cruzeiro, geralmente italianas, sediadas no paraíso fiscal do Panamá, recebem uma baba das autoridades para que possam escalar e espalhar a horda pelas ruas.

Nós que saímos de Acoplara para lutar pela vida mundo afora, podemos fazer cruzeiro, pacote comprado em suaves prestações. Mesmo porque outros brasileiros, nascidos no colosso do Centro, Sul e Sudeste o fazem com razoável freqüência. “Sai mais barato do que comprar passagem aérea e hospedagem em hotel, traslados,” tours” etc. Com a vantagem fundamental da segurança, do sono tranqüilo, das seis refeições diárias, shows, tenores, mágicos, bailarinas, ilusionistas, animação, cassino, piscinas, “free shop”, butiques, academia, etc.

Nós acopiarenses parecemos um pouco tímidos no meio do grupo bufunfeiro que parece dono do navio. Não chateiam ninguém, mas exibem as jóias da Coroa. Mas como ninguém lhes dá importância, recolhem-se. . De traje social, bermudão, calção, biquíni, etc, todos somos aparentemente iguais. O nivelamento – ao contrario do mundo real – é pelo ideal de conforto e satisfação.

Com nossos recursos escassos não nos damos a luxos e exibicionismos. Contentamo-nos com o pouco que Deus nos deu, o que já é muito. Somos parcimoniosos e mostramos uma certa austeridade. Para nós a abundancia nos constrange, pois aprendemos o quanto é difícil conviver com a escassez.

Há muita gente que faz de seis a dez refeições. Cada pratalhada vem cheia, sendo que metade é deixada de lado. Gente glutona, comilona, que come com os olhos. Gente com compulsão de comida. Gente que não está nem aí para o seu desperdício. O que não cabe no bucho vai para o lixo. Os indonésios livram apenas sachês de geléia e manteiga, potinhos de iogurte. Restos de carne, peixe, frango, peru, lula, verduras, frutas, pães, macarrão, pizzas, queijos, tortas, sorvetes, leite, suco, café, sucrilhos, serão processados e atirados em alto mar para servir de comida aos peixes.

Vocês podem não acreditar mas invariavelmente, estávamos falando de Acopiara, dos nossos antepassados e contemporâneos, daquela vidinha tão singela e tão distante, dos fatos e suas versões. Saímos de Acopiara mas continuamos presos pelo umbigo, pela memória, pelo traço cultural, genético, familiar. Recordamos de pessoas que sumiram do mapa, mais de uma geração, suas virtudes e grandezas, suas misérias e mesquinharias, como se estivessem ali sentados conosco. Concluímos parvamente que estávamos todos envolvidos com Acopiara, sendo que a geração atual dos acopiarenses nos desconhece. Somos almas penadas vagando pelo mundo, na guerra pela sobrevivência.

Ao sair da Praça Mauá, ouvi no tombadilho coisas difíceis de acreditar. Um jovem senhor dizia para sua jovem senhora, com a erudição de um eqüino com MBA em marketing que o nosso único porta-aviões, que já não se move, parecia um submarino!


Um pai meio coroa com a sabedoria de um muar pós graduado em turismo dizia para o filho que a Ilha Fiscal era o local preferido pelos militares, na ditadura, para fazer orgias.! Outro mostrando sua indigência falava que o Aeroporto Santos Dumont fora uma base dos americanos na II Guerra Mundial! Afastei-me mesmo porque não sou colecionador de pérolas...

O bom do navio de cruzeiro é que não tem jornal, nem tevê, nem Internet. Até que tem mas é tão caro que é preferível curtir, bronzear-se, divertir-se, ler, comer, beber, dormir, fazer exercícios, meditar, jogar baralho. Singrando os mares, sem sustos nem desconfortos, é um oásis de paz e sossego no marzão fidumaégua. Não há Presidente, governadores, prefeitos, ministros, secretários, senadores, deputados federais e estaduais, vereadores, assessores, funcionários, lobistas, mensaleiros, sanguessugas, ladrões, a fina flor da cornucópia federal, nem mendigos, flanelinhas, sem terra, sindicalista, bolseiros As pessoas tem cara de paisagem e alienados, mas todos estão plugados no lado existencial mais efetivo: dando valor às suas vidas.

Basta um comandante contratado por sua competência e um staff, atento, antenado, vendo tudo com discrição. Ah se o nosso mundo real fosse assim, simplificado, gratificante e eficiente. O contribuinte tem seus direitos respeitados, com base em um contrato. Pagou tem direitos. Não pagou nem entra. Vale o que está escrito. Tudo funciona. Há regras e limites. Há respeito ao coletivo e ao indivíduo. O grande irmão, com suas câmera, deve estar presente em cada canto, com seguranças, agentes secretos. Sei que tem atendimento de urgência e um posto médico. O dinheiro de plástico circula pelos terminais de cada serviço.

Temo que em futuro próximo queiram impor cotas para idosos, pessoas com necessidades especiais, menor abandonado, cotas por cor, sexo, idade, escolaridade, renda, animais de estimação, etc. em nome da inclusão social da escumalha.

Será a substituição do cruzeiro pelo real!

(*) JB Serra e Gurgel, (Acopiara), jornalista e escritor.

 

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -