Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Fevereiro 2012

Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

O conheci quando menino, na sua mercearia ou armazém, pois vendia mais secos, molhados e ferragens. O que me surpreendia é que à falta de algum freguês estava lendo jornal ou livro ou escrevendo, inclusive na sua máquina de datilografia. E me dava ouvidos. Admirava-o pela postura simples, humilde, educada, correta. Sempre atencioso com todos e comigo, o filho do Nertan. Pouco sabia sobre ele. Não tinha 10 anos. Sai de Acopiara com 11, para voltar muitos anos depois, já cidadão do mundo. Encontrei-o no mesmo lugar, próximo da loja do meu avô, cercado de fregueses, amigos, correligionários. Sua atenção para mim se redobrara, pois já caminhava pelo jornalismo n Rio de Janeiro. Conquistara Acopiara com sua lhaneza, seu caráter, sua integridade.

Miguel Galdino de Oliveira nasceu em 17.12.1916, no Sitio Represa, de propriedade de seus pais, José Galdino Pereira Lima e Maria Madalena Galdino de Oliveira, em Saboeiro, não muito longe de Acopiara. Alfabetizou-se com d. Aurélia Lima Braga, em Saboeiro. Em 1935, foi para Carius, trabalhar como balconista na loja de Osmar Claro dos Santos. Continuou balconista de Dario Oliveira Braga, em Saboeiro, até 1940, quando foi para Acopiara, então Afonso Pena, a 30 léguas de Saboeiro, abrindo seu próprio comércio, depois de comprar mercearia de Osmar Pinheiro Mota. Em 40, o IBGE realizou o censo e trabalhou na equipe coordenada por Lauro Herbster. No mesmo ano, mudou a razão social do seu negócio para Armazém Popular, então na Rua Marechal Deodoro, que em 1964, passou a M. Gadino & Cia, tendo como sócios, a esposa, Maria Luiza ,o irmão, Manuel Galdino e a sobrinha Luizinha Galdino.

“Prudência, equilíbrio e moderação “ foram traços que o marcaram aliados a um poderoso e fluente e eloqüente discurso. Isto fez com os que partidos políticos o assediassem. Optou pelo PSD que tinha figuras como Celso Castro, Tibúrcio Soares, Francisco Gurgel Valente, Chico Guilherme, padre João Antonio de Araújo, Dividiu-se em líder comunitário, no Círculo Operário, na Associação Comercial, na Associação Vicentina, na Associação de Proteção e Assistência à Infância e à Maternidade, no Comissariado de Menores, na Sociedade Beneficente do Hospital São Francisco de Assis, na Associação Pró Educação de Acopiara e no Lions Clube de Acopiara.

Incluiu nas suas atividades voluntárias ser correspondente dos Diários Associados, de Fortaleza, que editavam o Correio do Ceará e o Unitário, e com o fim deles, passou a ser correspondente da Tribuna do Ceará. Sua maneira de escrever e de ser prestativo, levava-o a escrever cartas dos acopiarenses para seus familiares, que foram para o Sul em busca de trabalho e da sobrevivência. Dava o seu endereço para as respostas. Nos dias de feira, seu comércio loja era muito freqüentada pelos que procuravam respostas das cartas e dos que queriam que escrevesse outras, o que fazia com respeito e consideração.

Em 1962, candidatou-se a prefeito de Acopiara, sendo eleito para o período de 1963 e 1967, pelo PSD, com 3,596 votos, contra 2.407 votos de Alfredo Nunes de Melo, que fora prefeito de 1954/1958. Não quis disputar mais qualquer eleição, mas foi presidente da ARENA. Na sua gestão, o Banco do Brasil instalou agência em Acopiara, a CAENE(hoje Cagece) instalou o serviço de abastecimento de água, com uma caixa d, água no alto da então Prefeitura, utilizando-se da barragem Tibúrcio Soares, a luz elétrica da CHESF (Paulo Afonso) substituiu a energia gerada à diesel pela Prefeitura, construiu a rodovia que liga Acopiara a Iguatu, de 36 km, e de Acopiara a Mombaça, com 44 km.

Casado com Maria Luiza Monteiro Lima , educadora, vice diretora da Escola Padre João Antonio de Araujo, filha de Manoel Ferreira Lima e Maria Monteiro Lima, teve oito filhos: Simone, Sérvulo, José Stélio, Stênio, Francisco Silvio, Manoel Silas, Silvia Maria e Sandra Lúcia.

Simone e Sandra moram com d. Maria, em Fortaleza, hoje com 86 anos, gozando de boa saúde e lucidez.

Simone, pedagoga, solteira. Sérvulo, fez Direito e advoga em Acopiara, casado com Tereza Neuman, odontóloga, filha de Adaiza e dr. Luiz, tem quatro filhos: Thaís, pedagoga, Rômulo, engenheiro elétrico, Daniel, cursa Medicina e Sandro, faz o nível médio. José Stélio, servidor publico municipal, casado com Zilmar tem três filhos: Miguel Neto,cursando Administração, Marcela, formada em Contabilidade, e Marcos Felipe, cursando Direito. Stênio, fez Direito e é servidor do BNB em Quixadá, casado com Fátima, duas filhas, Carla,formada em Recursos Humanos e Camila, cursando Fonoaudilogia. Francisco Silvio, solteiro, funcionário público em São Paulo, Manoel Silas, fez Direito é oficial de justiça do Tribunal Regional do Trabalho do Estado do Ceará, casado com Mairle, um filho, Davi, Silvia Maria, formada em Estudos Sociais e em História, servidora da Prefeitura de São Paulo, e viúva de Rossini Bezerra, dois filhos, Renata, formada em Administração e João Vitor, formado em Ciências da Computação, Sandra Lúcia, fez Arquitetura, solteira.

Miguel Galdino receberia o titulo de Cidadão de Acopiara, título proposto à Câmara Municipal pelo vereador Antonio Gaspar do Vale, também ex-prefeito. Seu nome foi dado a uma rua na cidade e à rodovia Acopiara –Flamengo.

Em 1977, foi agraciado com título do Clube Social de Acopiara, presidido por Marlos Alves Tavares, “pela brilhante participação no desenvolvimento e progresso da terra”, fato que o emocionou.

Sérvulo diz: “papai tinha educação refinada, uma serenidade impressionante, calmo, nunca se exaltou, tinha muito carisma especialmente pela sua oratória. Papai não usou a política em beneficio próprio, mas só para fazer o bem. Foi um grande exemplo para todos nós”.

Deixou Acopiara e foi para Fortaleza, passando a conviver com a família. Em 21 de agosto de 1993, aos 77 anos, faleceu deixando um legado de dignidade e respeito.

(*) JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor

 

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -