Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Fevereiro 2013

José de Alencar e a língua portuguesa

Muitos escreveram tentando diminuir a dimensão de José de Alencar na língua portuguesa e brasileira, no romance português e brasileiro, na literatura portuguesa e brasileira. Trata-se de anacéfalos, ignorantes, analfabetos de pai e mãe, botas e esporas, ou analfabetos funcionais, cujos exércitos zumbem pelo Brasil. “José de Alencar é o patriarca da literatura brasileira”, com seu romance urbano, romance histórico e romance regionalista. Este reconhecimento empolga o Ceará, mas não se transfunde na comunidade brasileira, por resistências bairristas e mesquinhas. Nós cearenses, que também somos alencarinos, como espécie, enxergamos longe o processo de desconstrução de José de Alencar, a partir da farsa de que não fora um abolicionista convicto, embora como Ministro da Justiça do Império tenha assinado em 1868 a lei que proibia a venda de escravos sob pregão e sua exposição ao público. Machado de Assis, mulato, fora omisso e distante.

São os mesmos que ignoram o talento de Machado de Assis, Lima Barreto, Rachel de Queiroz, Clarice Lispector, Cecília Meirelles, Jorge Amado, Adonias Filho, Arthur Ramos, Graciliano Ramos, Gilberto Freyre, Darcy Ribeiro, Sérgio Buarque de Holanda, Anibal Machado, Guimarães Rosa, Fernando Sabino, Vinicius de Moraes. Cyro dos Anjos, Carlos Drumond de Andrade, Otto Maria Carpeaux, Josué Montelo, Vianna Moog, Erico Veríssimo, R. Magalhães Jr., Gustavo Barroso, Roberto Campos, José Guilherme Merquior, Roberto da Matta, Gonçalves Dias, Castro Alves.

No final de seu livro Diva (1864), ano de seu casamento com D. Ana Cockrane, filha de um médico inglês, descendente do almirante Cockrane que participou das lutas da Independência, José de Alencar escreveu o “Pós-escrito” que é um manifesto em defesa da língua portuguesa e uma “Nota” em que esclarece os significados de apenas 17 palavras em Diva, que são neologismos e não galicismos ou gírias. Em principio, quis protestar contra pseudos galicismos contidos em Lucíola e Diva, identificados pela crítica. Mas em realidade, fixou os parâmetros de sua obra em termos de frase e estilo. Como dominava a língua, seu conteúdo e sua práxis, demarcou o território de seu tempo e sua presença na literatura portuguesa, refutando enquadramentos.

A partir da confissão de sentir “a necessidade de confessar um pecado seu: gosta do progresso em tudo, até mesmo na língua que fala. Entende que sendo a língua instrumento do espírito não pode ficar estacionária quando este se desenvolve. (...) A língua rompe as cadeias que lhe querem impor, e vai se enriquecendo já de novas palavras já de outros modos diversos de locução. A língua é a nacionalidade do pensamento como a pátria é a nacionalidade do povo. Da mesma forma que instituições justas e racionais revelam um povo grande e livre, uma língua pura, nobre e rica anuncia a raça inteligente e ilustrada”.

“A linguagem literária, diria ele, escolhida, limada e grave, não é por certo a linguagem cediça e comum, que se fala diariamente e basta para a rápida permuta das ideias: a primeira é uma rate, a segunda é um simples mister”.

José de Alencar assinala que “Gil Vicente não seria aplaudido se em seus autos falasse a linguagem do tempo de D.Dinis (...) Mas escritor algum, fosse ele Homero, Virgilio, Dante ou Milton, seria capaz de fazer parar ou retroceder uma língua”. A linguagem do próprio Shakespeare seria anacrônica se não fosse atualizada, tarefa a que se impõem os adaptadores de seus espetáculos e que dão vida a Hamlet, Otelo, Romeu...

O quinhentismo que dominou por um século a língua portuguesa passou, mas “o estilo quinhentista tem valor histórico: é um estudo de costumes que no romance do gênero adquire subido valor, como provaram Alexandre Herculano e Rebelo da Silva”.

Há entretanto um distanciamento de estilo entre José de Alencar (1829-1877) e Eça de Queiros, (1845-1900) os dois grandes gênios da literatura portuguesa, do século XIX. Há em José de Alencar o apuro, o esmero e a lapidação da língua, não importa o contexto. Ele não vulgariza nem barbariza. Mantém o que considera seu estilo límpido e cristalino, sem perder a ternura com a língua falada. Já Eça de Queirós tem na tessitura dos seus romances, escritos à distância de Portugal, mas dentro dele, o rompimento de todos os padrões do romantismo clássico, mostrando pela ótica do neo realismo, as entranhas do povo portugues, suas grandezas e misérias. Sua linguagem não vulgariza nem barbariza, mas se aproxima da língua falada, com muitos calões, que renovam a linguagem.

Se não há referências a Alencar nos escritos de Eça, mas há em relação à Machado de Assis que o acusou de plágio, sendo duramente retrucado.

Ambos foram estadistas, Alencar como deputado e ministro da Justiça, Eça como diplomata em Havana, Londres e Paris.

Na “Nota” de Diva lá estão os neologismos, com ampla satisfação aos críticos que viram na acusação de galicismo uma forma de diminuir a importância de Alencar. As notas são relevadoras das preocupações de Alencar com a lexicografia e a etimologia, entregando aos leitores de forma esmiuçada a origem de algumas palavras como núbil, escumilhar, pubescência, exale, palejar, fado, gárceo, garrular, Olimpio, elance, rutilo, rogaçar, frondes, aflar, rubescência e fervilhar.

(*) JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor.

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -