Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Março 2013

Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

A população atual de Tauá não sabe quem foi Tereza Aragão Serra, a Tetê, minha avó nome de escola no bairro da Aldeota, nas terras de seu cunhado, Capitão da Guarda Nacional Mariano Marques de Oliveira e depois de seu sobrinho José Aragão. Pobre, mas alfabetizada, simples, austera, humilde, ali morou 54 anos, mais da metade de sua vida longa de 98 anos (1881-1979) vividos com amor, alegria, desprendimento, humildade, discrição, sem vaidades. “Fui a mais pobre de minhas irmãs, mas certamente a mais feliz”, dizia. Repousa em paz em Tauá ao lado de meu avô, Nelson.

A roda da história é implacável e nada sobra. A memória coletiva não dura duas gerações. Depois vira história e matéria de pesquisa. De qualquer forma, a escola é uma baita homenagem para quem dedicou sua vida à leitura, ao teatro, escrevendo e montando peças, à música, compondo modinhas e tocando piano desde os nove anos à poesia, rabiscando sonetos, aos saraus literários, bem como às festividades religiosas, batizados, casamentos, populares, folclóricas e às campanhas eleitorais de Tauá.

Vovó Tereza fez da vida um exemplo de alegria. Antecipou-se à figura do animador cultural, espalhando alegria, enlevo, encanto, diversão, contentamento não só em Tauá, mas em Acopiara e Fortaleza. Meu pai foi ator de suas peças minhas irmãs e primos foram rotagonistas e figurantes, intérpretes de suas modinhas em dramas e operetas.

Escrevia, dirigia, ensaiava, confeccionava figurinos, Cuidava da decoração, iluminação e exigia uma quase perfeição no desempenho para que se produzisse emoções e lágrimas.

Sempre quis escrever sobre ela, nascida em Baturité, em 3 março de 1881, filha de Licinio Aragão e Francisca Rosa Marques de Oliveira. Nos apontamentos que deixou, com seu filho Olber e com meu irmão, Nelson, contava ela que os Aragão chegaram a Jaguaribe, Icó e Iguatu, de ascendência espanhola. Já não sabia a origem dos Alexandrino Teixeira, que estiveram no mesmo território. Dos Serra, resgatou o que pode desde o 1º. Vicente Nunes Serra que veio de Lisboa para o Recife, no século XVIII. Um dos Alexandrino, Belisário Cícero, foi prefeito de Telha, hoje Iguatu e governador da Provincia, depois de Noueira Aciolly. Outro, João André, pintou e bordou em Icó. Licinio e Francisca Rita tiveram filhas: Tereza, Maria (Maroca), Emilia (Melica), Luzia e Maria de Lourdes.

Indo a Jaguaribe,- berço dos Serra e dos Marques – três irmãos casaram-se com três irmãos. Vovó casou-se com meu avô, Nelson Nunes Serra, seu primo, em 1911, indo morar em Tauá em 1915.

Vovô Nelson trabalhou IFOCS (depois DNOCS) na construção do açude Banabuiú, levado por seu primo Geraldo Marques, de Acopiara. Não sei se participou da construção do açude Várzea do Boi, em Tauá, onde foi escrivão de rendas da Coletoria até sua morte, em 1946, indicado por seu primo, Joel Marques.

Tetê rascunhou a história dos Marques e dos Serra, em Jaguaribe, com muita precisão, montando os grandes ramos da árvore genealógica, mas incompleta. Sobre o seu passado, por Baturité, Quixadá e Tauá deixou boa matéria de memória.

Quando criança fui a Tauá para sua casa e estive na Floresta, sitio de tia Maroca, casada com o capitão da Guarda Nacional José Mariano.

Por volta de 1956 ela se mudou de mala e cuia para Acopiara, indo morar com conosco com quem ficou por 23 anos. Éramos sete filhos e papai lutava com dificuldades para sobreviver. Mais tarde, chegamos aos 10. Vovó era pensionista do meu avô, seus filhos Walter morava em Fortaleza, Licinio em Tauá e Carmelinda em São Paulo. Depois nos acompanhou em Fortaleza morando conosco onde o dinheiro dava para o aluguel nas Ruas João Tomé, (Monte Castelo), José Bastos (Otavio Bonfim), Barão da Ibiapaba (Parque Araxá)e José de Pontes Medeiros (Monte Castelo), acomodando-se num dos quartos com minhas irmãs .

Convivi com ela apenas por cinco anos, de 1958 a 1963, o bastante para entender sua dimensão humana, sua ética, seu caráter, sua religiosidade, sua simplicidade, sua austeridade, seu exemplo, sua paixão pela novela via rádio, sua imposição de rezarmos o terço e de irmos à missa aos domingos, sua afeição pelo Chico, meu irmão, sua dedicação a minha mãe, Maria, seu respeito ao meu pai, Nertan. Passava horas conversando com tio Walter que visitava aos sábados em suas lustrosas motos. Ficavam à sós desfiando o tempo. Suas sobrinhas “ricas”, filhas de tia Luzia Moreira, lá iam bater papo, tomar café com bolachas, e lhe deixavam sabonetes. Vez por outra seu sobrinho, padre Luiz Moreira, aparecia. Nunca vi os demais Moreira que tinham luz própria no “grand monde” de Fortaleza, como bem sucedidos empresários. Ao anoitecer, sentava-se nua cadeira de balanço na porta de nossa casa.

Entre uma reza e outra. escrachava as mulheres que para ela se vestiam de modo provocativo e sensual. Quando gritava, Maria venha ver...já tinha despejado uma saraivada de descompostura em voz baixa. Ainda bem.

Não acompanhei de perto o sofrimento dos últimos que foram dolorosos, principalmene pela cegueira.

Homenageio minha Vó pelo legado de sua vida com dignidade, sem invejas e Conformada.

(*) JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor. Neto de Tereza Aragão Serra.

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -