Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Abril 2010

Acopiara e o Seminário do Crato


Não estive no encontro dos ex-seminaristas do Seminário São José do Crato, realizado em 7 de março de2010. Lamento Relatos de Auriberto Medeiros Gurgel, Jaile Gurgel e José Jezer de Oliveira revelam o impacto provocado, pela feliz iniciativa liderada por João Teófilo Pierre. O Seminário guarda uma estreita relação com Acopiara. Todos que terminávamos o primário tínhamos com 1ª opção o Seminário para chegarmos ao ginásio. Por lá passaram desde dom Newton Holanda Gurgel, como os ex-seminaristas Luis Guilherme, Jaile Gurgel, Celso Albuquerque de Macedo, Lincoln Silva, Francisco Gurgel Holanda, Francisco Gurgel Medeiros, Cícero Barbosa da Silva, JB Serra e Gurgel, Napoleão e João Bosco Holanda Gurgel, Auriberto Medeiros Gurgel, Francisco Couto, Vicente e Francisco de Paula Gurgel Cavalcante.

As manifestações contidas em O Levita (Ano IV, n° 13) subscritas por Antonio Othon Pires Rolim, Professor José Teodoro Soares, Raimundo de Oliveira Borges, Alcimar Rocha, Itamar Filgueiras, Chico Zé, J.Linhares Filho, José Erlânio Alencar, Geraldo Lemos, dom Newton Holanda Gurgel compõem um rosário de reflexões sobre um passado das gerações que por lá transitaram, na trilha de encontrar um paradigma de vida.

Inaugurado em 03.03.1875, há 135 anos, por dom Luiz Antonio dos Santos, 1º bispo do Ceará, até 1967, teve 1.858 alunos e ordenou 139 padres.

Criado com finalidade especifica de formar sacerdotes para a Igreja, é certo que funcionou como ginásio e colégio, em regime de internato, muito embora a Diocese do Crato também mantivesse o Colégio diocesano, em regime aberto. Crato foi cidade pólo da região sul do Ceará (Cariri), antes de Juazeiro do Norte, e atraia os meninos que concluíam o curso primário inclusive de cidades próximas de Pernambuco, Bahia, Piauí e Paraíba.

Um meticuloso trabalho elaborado pelos padres Antonio Teodosio Nunes, Antonio Rodrigues Maia e João Bosco Cartaxo Esmeraldo, analisa os períodos de fechamento em 1877, por causa de uma seca brava que assolou o Ceará e a varíola, em 1891, por causa de crise e de redução de matrículas, 1897, as vésperas da República, causas econômicas, 1915, falta de alunos vocacionados ou não, 1967, redução de matrículas e de ordenações. O período mais longo de funcionamento ininterrupto foi de 1922 a 1967, 45 anos. Desde 1995 que o Seminário funciona de forma continuada. O período de 1950 a 1959 foi considerado “a época mais florescente”, com 531 alunos e 23 ordenações. Quanto às ordenações, o período mais importante foi de 1889/1990, com 40 alunos e 9 ordenações. Destaca-se que no período de 1930 /1939, o Seminário acolheu 219 seminaristas e ordenou 27 padres.

O seminário do Crato foi criado como complemento do Seminário de Fortaleza, instalado em 18.10.1864. Consta que o padre Cícero Romão Batista, em 1871, sugerira a sua criação. Dom Luiz pediu à Congregação dos Lazaristas, que foram do Rio de Janeiro para o Crato, para a implantação do “Seminário de taipa e palha”, com 41 alunos em 1875.

A longa reitoria do monsenhor Pedro Rocha de Oliveira, de 1944 a 1959, de 15 anos, dotou o Seminário de um plano pedagógico, com reconhecimento e equiparação do currículos aos dos colégios leigos. Abriu-se o Seminário para a sociedade civil organizada e para as classes médias em estruturação.

O Seminário Menor fechava um ciclo na vida dos indivíduos. O Seminário recebia-os como crianças, rompendo o cordão umbilical com seus pais e família, e os devolviam como jovens, próximos do serviço militar e da usar a cabeça na luta pela sobrevivência. Se me perguntassem o que o Seminário ajudou de útil, responderia: a pensar, a refletir, a decidir, a ser gente. O ensino tinha qualidade. A educação também, com aulas de civilidade. O Seminário Maior, em Fortaleza, projetava o adulto para o sacerdócio, com todas as conseqüências do serviço a ser prestado à Igreja e aos homens. Alguns tiveram chances de sair de Fortaleza para o Vaticano, melhor se preparando para o exercício do ministério religioso.

Uma das coisas que mais me intrigava era a leitura do martiriológio romano. Contaram-me que houve época em que a leitura era feita em latim.

Alcancei em português. Não havia jornal , radio e tevê. No fim de noite, apenas a zoada de uma amplificadora (serviço de som, no alto do Seminário) com quem aprendi o Hino Nacional do Crato. Mas o martíriológio tinha um ponto bom: o leitor seria premiado com a comida entregue aos padres, na mesa principal em frente aos bancos em que se sentavam os seminaristas. Não que fosse muito diferente, E tinha um ponto complicado a brutalidade como eram descritas as sessões de tortura e martírio. Se expremesse uma folha do livro certamente pingaria sangue...

(*) JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor e ex- Seminarista do Crato (1954-1958).

 

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -