Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Maio 2010

Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome


A família de Joaquim Jácome Silva no Ceará se estruturou a partir de quando ele veio transferido do Exército, do Acre, para o Ceará, fixando-se em Senador Pompeu.

Conheceu Maria Cecília Elpídio, alta, morena clara, apaixonou-se e casou, nascendo desta união: Aluísio, 1902, Acrísio, 1907, Carminha, 1908, Alcebíades, 1909, Luzia, 1910, e Fransquinha, 1912.

Joaquim faleceu em 1914, deixando a família no desamparo. Tempos bicudos.

Maria Cecília, cinco anos depois, casou-se com o tabelião Raimundo Viana. Engravidou e morreu de parto de Maria Cecília Elpídio, nome também dado à menina.

Os filhos, sem pai e sem mãe, foram morar com os tios, Aluisio foi viver com o tio Francisco, em Lavras da Mangabeira, conhecido por Quinho, que o maltratou. Mudou-se para Lages, que ficava entre Telha e Senador Pompeu, e foi embora para o Rio de Janeiro.

Acrisio foi para a casa de seu Antonio (Tó) Henrique da Silva e Minervina Gurgel, em Lages, Alcebíades para a casa de Julio (Tó) Elpídio da Silva e Antonia Gurgel, sendo que aos 13 anos começou a trabalhar como caixeiro na loja de tecidos de Francisco Guilherme.

Carminha e Fransquinha ficaram em Senador Pompeu morando com uma tia, Eliana, irmã de Maria Cecília. Já Luzia foi adotada pela avó materna.

Alcebiades cresceu em Lages, depois Acopiara, e acabou casando com Teodolina (Teó) Gurgel Guilherme, filha de seu patrão, Chico Guilherme e Almerinda Gurgel Guilherme. Ela estava noiva de João Holanda Lima, comerciante vindo de Tauá, sendo obrigada a terminar o noivado por ordem do pai.

Do casamento com Teó, nasceram Francisco (1934), Célia (1935), José (1938), Alcebíades (1940). Almerinda, Maria Selma (1943), Bernadete (1947) Maria Almerinda (1950) e Miguel (1954).

Com múltiplos negócios em Lages, Chico Guilherme não se importou em passar a sua casa comercial de tecidos e miudezas para o seu genro, Alcebíades. Também ajudou na construção da residência.

Religioso, Alcebíades tornou-se freqüentador assíduo das festas organizadas pelo padre João Antonio de Araújo. No comércio, Alcebíades veio a ser fundador e presidente da Associação Comercial.

Seus filhos são unânimes nas considerações sobre suas qualidades de dignidade, honradez, humildade, caridade, brincalhão, firmeza de caráter. Fortaleza nas adversidades e paixão pela vida. Seu filho mais velho, Francisco, conhecido por Jaile, ex-seminarista, afirma: “Meu pai para mim foi exemplo de vida e santidade”.

Almerinda – “papai viveu para o bem. Ajudava as pessoas com desprendimento. Vendia fiado, mesmo sabendo que as pessoas não podiam pagar. Sentia-se feliz quando trazia para sentar à mesa alguma pessoa para almoçar com ele, mamãe e os filhos”.

Célia conta – “papai tinha uma grande preocupação quando algum de seus filhos adoecia. Chegava a ir três vezes em casa durante o dia, levando guaraná champagne e biscoito, levando conforto e nos animando; Nossos aniversários eram festivamente comemorados com bolo e parabéns”.

Selma lembra – “papai acordava cedo, levantava e acendia o fogo do fogão de lenha e colocava chaleira para ferver água e fazer o café. Geralmente cantava e se recorda de uma musica: “Meu Deus que horror! Meu Deus que aflição! Mataram uma caboquinha no caminho da estação”.

Seus filhos homens cedo deixaram a casa paterna. Francisco foi para o Seminário do Crato, concluindo o Seminário Menor e passou a Fortaleza para fazer o Seminário Maior, mas deixou indo tentar a vida no Rio de Janeiro, depois Volta Redonda, onde se fixou. José foi para o Seminário Franciscano de Canindé, mas logo deixaria e foi para o Rio de Janeiro. Alcebíades não estudou no Seminário e acabou também indo para o Rio de Janeiro. Miguel teve uma passagem curta pelo Rio de Janeiro, mas retornou á Acopiara, seguindo a profissão do pai, como comerciante, não de tecidos mas na área de supermercado.

JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor.

 

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -