Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Junho 2011

Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito

Lages, depois Afonso Pena e hoje Acopiara era um grande latifúndio de subsistência da família Lages, quando lá chegaram Francisco Guilherme Holanda Lima (Chico Guilherme), Henrique Gurgel do Amaral Valente (Vovô d Rio) e José Marques de Oliveira (Tio Cazuzinha), na primeira década do século XX, vindo de outros territórios. Ali se instalaram comprando as terras acidentadas dos Lages criando um arraial, depois povoado, vila, distrito até chegar ao formato de uma cidade, já com outros grupos de povoadores, que lhes seguiram os passos.

Entre os udenistas sobressaiu-se a figura de José Marques Filho, nascido em Quixeramobim, em 23.06.1897, filho de José Marques de Oliveira (Cazuzinha) e Maria Leopoldina Serra de Oliveira (Doninha), ambos de Jaguaribe onde se estruturaram uma das famílias Serra/ Marques, do Ceará. Era irmão de Sebastião, Antonio (Tonheiro) e Mario Marques Serra, de Francisca Marques Ricarte e Carmélia Marques Cidrão. Sebastião, Antonio e Mario foram para São Jose do Rio Preto e Campinas, São Paulo, respectivamente, consolidaram suas vidas. Mario tornou-se padre, construiu e por 28 anos foi vigário da igreja de N.S. da Aparecida, no vale do Ipiranga, na capital. Lembro-me dele quando, na companhia de Ademar de Barros, levou a imagem peregrina de N.S de Fátima a Acopiara, na década de 50.

Cazuzinha era um vendedor de animais (bois e cavalos), o veio econômico do interior do Ceará, seja como meio de transporte seja como força mecânica para puxar o que fosse. Não haviam índios e os negros que lá passaram foram poucos. Tio Cazuzinha, como chamávamos, tinha o perfil de dom Quixote, alto, magro, barba, rosto sulcado, sobrancelhas cerradas. Muito esquio. Um homem tranqüilo, sereno, equilibrado em longas pernas e alpercatas. Muitas vezes ficava longe de casa, buscandocavalos e bois, comprando e vendendo peles de animais e gêneros alimentícios. Chegou ir ao Acre, um despropósito na jornada de sobrevivência. Tia Doninha era mansa, religiosa, dedicada ao lar.

Zé Marques chegou a Acopiara com 10 anos. Casou-se em 16.12.1920 com Urcezina Marques Holanda, de Tauá, filha de Antonio de Souza Lima e Maria (Marica) Holanda Lima, irmã de Chico Guilherme, já instalado em Lages.

Foi 1º Tabelião e escrivão das execuções criminais e do júri, com seu cartório de registro civil e de imóveis, instalado atrás da Igreja, há mais de 80 anos, sendo sucedido, por concurso público, por seu filho, Evandro, por sua nora Maria Nilce, e por sua neta, Solange. A história de Lages, Afonso Pena e Acopiara está no arquivo do Cartório dele e de Manoel José da Silva. Urge recuperar os acervos e a memória (os livrões) pois o tempo, o cupim e as traças trabalham contra. Com visão empresarial, mesmo tímida, acionou a Iagropesa, Ipiranga Agropecuaria S.A, que explorou o sitio Ipiranga, de sua propriedade, há 15 km do núcleo urbano.
Em 1947, o governador do Ceará, Faustino do Nascimento e Souza, nomeou Zé Marques interventor em Acopiara, de 18 de março a 25 novembro, tempo suficiente para por o pé na estrada política.

Em 1950, Zé Marques foi nomeado delegado da UDN pelo senador Fernandes Távora, pai do depois senador e governador Virgilio Távora. A “pax romana” foi quebrada. Chico Guilherme e Vovô do Rio, escudando Celso de Oliveira Castro, ficaram com o PSD que vinha de 1946. Zé Marques organizou a oposição a que se aliaram os Albuquerque, Macedo, Uchoa, Mello e Nunes, de Izidoro. Não foi vereador mas disputou eleição para deputado estadual pela UDN, ficando na suplência, tendo assumido o mandato.

Acopiara e todo o sertão do Ceará por longo tempo, até 1964, rachada, dividida, partida. Os mais fortes ganharam o poder

Em 1965, já distante da política, Zé Marques fundou o Lions Clube.

Em 1977, ao completar 80 anos, foi agraciado com o titulo de Comendador da Ordem de São Lazaro do Vaticano,pelo papa, recebido pelo irmão, em Roma, monsenhor Mario Marques Serra,

Do casamento com Urcezina, teve 19 filhos, sobreviveram 15: Geraldo Marques Holanda, engenheiro civil, casado com Matilde Peixoto Marques, funcionária federal; Maria Marques Brandão, casada com o dentista e maestro Mozart Brandão; José Edilson, contabilista, casado com Maria Wilma Martins Marques; Maria Aglaís Marques Albuquerque, casa da com o dentista Ezequiel Albuquerque de Macedo; Evandro, casado coma professora Maria Nilce Rodrigues Marques; Maria Leopoldina, freira das Dorotéias e assistente social; Maria Terezinha de Jesus Marques Holanda Maia, casada com construtor Luis do Nascimento Maia, Helder, coronel do Exército casado com Norma Gadelha Marques; Olga Marques Colares, casada com o comerciante Francisco Bernardino Colares; Antonio Apiano, engenheiro agrônomo casado com a advogada Benildes Roque Marques; Emmanuel, engenheiro agrônomo,casado com a professora Maria Liana Braga Marques; Maria Onides Marques Serra, casada com o médico José dos Santos Serra; Marta Maria, dentista, casada co m o coronel do Exercito Cacambo Antonio de Oliveira Magalhães; Eleonora Marques Brandão, casada com o engenheiro civil Mozart Brandão Junior e Paula Frassinetti Marques Barbosa, casada com o médico Esdras Barbosa Chagas.

Ao falecer, Zé Marques 62 netos, 109 bisnetos e 11 trinetos.

JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor.

 

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -