Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Agosto 2011

Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem

Manoel Edmilson Teixeira nasceu em Bom Sucesso, perto do Trussu, distrito de Acopiara. Simples, aliás mais simplório do que simples, de bem, vencedor, pois chegou ao objetivo mais alto que um homem humilde poderia alcançar, com esforço e competência, vereador (1962-1966), vice prefeito de Jairo Alves (1966-1970) e prefeito (1970-1974). Acopiara estava à sua altura, nem mais acima nem mais abaixo. Tempos bicudos, não pelos “anos de chumbo” que a esquerda proclama e exalta, mas pelos “anos de abandono e miséria” que nos apequena neste mundo de Deus. Seja, Edmilson teve no seu tempo o reconhecimento e apoio dos seus pares.

Filho de Francisco Teixeira de Carvalho e Maria Elsa Mendonça de Oliveira, ambos descendentes, segundo sua irmã, Rivanda Teixeira,(a memória viva de Acopiara) “dentre as 70 famílias portuguesas nobres e importantes da época do descobrimento do Brasil, que dom Manoel enviou nas caravelas de Cabral para a Terra de Vera Cruz. Vieram sete irmãos que se casaram com sete índias se espalharam pelo Brasil”.

A família Teixeira de Carvalho fixou residência no Icó e ganhou o apelido de “canela preta”. Poucos cearenses sabem que um dia Icó foi capital do Ceará. Não é a ignorância que atrapalha o progresso é acultura e o subdesenvolvimento, falta de capital e tecnologia!

A família Mendonça de Oliveira fez morada em Iguatu, depois alguns membros mudaram para outras regiões. Não eram bobos.

Manoel Edmilson Teixeira nasceu em 01/09/1922, no ano que a cultura do Brasil mudou por inteiro, com a Semana de Arte Moderna, que contribuiu para a que a Revolução de 30 despertasse o país para um novo mundo. O surto de progresso de dom Pedro II fora estancado por uma República de reacionários, oligarcas, ignorantes e atrasados.

Seus irmãos: Franciné.Edilson, Edval, Eunice (in memoriam), Elita Zeneide, José Teixeira, Rivanda e Francineide. Todos nasceram no sitio da família Belo Horizonte, com parteira, sem luz elétrica, escola, telecomunicações, estradas. Pularam todas as barreiras das doenças endêmicas e epidêmicas, secas, chuva, sol, poeira, calor, trovão, da farta escassez de bens de consumo duráveis, se criaram e se fizeram pessoas de bem com a vida.

Edmilson iniciou seus estudos em Bom Sucesso, ajudou o pai na roça, e ainda jovem, foi convidado por seu tio, João Mendonça, a trabalhar em sua loja em Acopiara.Gostou, ganhou algum dinheiro, fez sociedade com Joaquim Raimundo para a compra de algodão, peles silvestres (teús principalmente), ovinos, caprinos, bovinos.

Casou-se com Maria Auristela Gurgel Teixeira, minha prima, filha de tia Antonia Gurgel Silva . O casal não teve filhos, mas criou a sobrinha Maria Zélia, filha de Zélia, casada com Lindoval José de Lima, morou na Santos Dumont, hoje Cazuzinha Marques, entre Ezequiel-Aglasis e Antonio do Cedro-Zilda e teve casa na Manoel José da Silva, ao lado de Antonio Gaspar. Comerciante conservador, manteve seus negócios sem ousar muito, mas fazendo amigos na cidade e nos distritos.

Interessou-se pela política e nas eleições de 1962 disputou mandato pelo PSD que, por longos anos, dividiu com a UDN os destinos de Acopiara,elegendo-se vereador com 362 votos. O PSD fez cinco, a UDN três e o PTB dois. Nas eleições seguintes, de 1966, elegeu-se vice prefeito pela ARENA 1 na chapa de José Jairo Teixeira Alves, com 3.690 votos contra 3.149 de seu adversário da ARENA. Ambos os candidatos tinham juízo e se acomodaram nas ARENAs da vida.

Nas eleições de 1970, quando o Brasil conquistou o tri campeonato mundial de futebol ,no Mexico, “70 milhões em ação,pra frente Brasil, do meu coração”, Edmilson ganhou a prefeitura com 4.451 votos, pela ARENA 1, contra 4.382 votos dados ao candidato da ARENA 2. Arrastou como seu vice, Adauto Florentino Teixeira, fazendeiro e proprietário do sitio Lapa-São Paulino.

Fez o que lhe foi possível fazer . Magoado com as marcas e os ônus da política, em 1971, picou a mula para um exílio voluntário em São Paulo, para onde muitos de seus conterrâneos também foram na busca do Sul Maravilha. Trabalhou inclusive como atacadista, vendendo produtos para o comércio. Mas não se empolgou. As feridas não sararam. Arrumou as trouxas e voltou para o Ceará, desgostoso com a política e sem ânimo para se restabelecer em Acopiara, fixando-se em Fortaleza, onde foi gerente de produção do Café Walcan, de Waltério e Maria Luiza Gurgel.

Dizia que “gostaria de voltar a morar na terra do lavrador que tanto amo”, mas não voltou, percebendo , como tantos outros, que seria um estranho na terra em que nasceu. Faleceu aos 86 anos, em 21.06.2009 e foi enterrado em Fortaleza.

JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor.

 

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -