Boa noite, quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Setembro 2008

Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores


O srs. Francisco e Antonio Rufino de Lima chegaram a Acopiara em 1944, vindo de Várzea Alegre.

Chico ficou na cidade onde construiu uma fortuna com algodão e Antonio foi morar no Escuro, a 10 km de Acopiara, com seus nove filhos menores. Maria Rufino (Fabiola), Mazinho Rufino, Maria Rufino de Lima Arraes (Consuelo), José Erosimar Rufino de Lima, Maria Luiza Lima, Elizabeth Rufino, Raimundo Demontier de Lima e Glaucia Velma de Lima Lopes e João Batista Lima (In memoriam).

“Meu pai não tinha recursos e só Maria Luiza Moreira Lima, que se casou com Miguel Galdino de Oliveira, ex-prefeito de Acopiara, tem estudos completos. Fui alfabetizado por d. Dercy, filha de José Tó, e estudei com d. Helodia Moraes de Souza e d. Yolanda Alves Hebster. Vinha do Escuro, à cavalo, para Acopiara, a fim de estudar. Era difícil e cansativo. Não passei do primário, mesmo porque em Acopiara não havia ginásio. Daí em diante, estudei na escola da vida. Aprendi muito. Quando não estava estudando na cidade, estava na roça, inicialmente cuidando das plantações e do gado do meu pai”. É Mazinho quem fala.

Segue em frente: “meu pai começou a comprar algodão e eu acabei virando freteiro, com balança em cima de um caminhão, indo às fazendas, enfrentando a buraqueira, para cumprir a missão e comprar a produção. O algodão encontrou Acopiara logo transformada no maior produtor do Estado”.

O ciclo do algodão, assim chamado, transformou a economia de Acopiara que chegou a ter cinco grandes usinas de beneficiamento: Sanbra, Anderson Clayton, Exportadora Cearense (Mario Machado) e Usina Tupã (João Mendonça/Gladstone Bezerra) giravam a economia, traziam o progresso e promoviam o desenvolvimento. A eles se acrescentaria a s usinas São Francisco, de Chico Sobrinho e a Industria Rufino de Algodão e Óleo.

Na primeira metade do século XX, Acopiara tivera três usinetas, uma que fora de Henrique Gurgel do Amaral Valente passou a Francisco Gurgel Valente, que a transferiu a Chico Guilherme, no Centro, outra de Chico Guilherme, no Prado, mais tarde transferida a Chico Sobrinho, e outra mais de José Pinheiro Mota, que se transformou em Serraria e que pertenceu à Industria Rufino, de Chico.

Em 1963, Mazinho e seu pai, Antonio, fundaram a Antonio Rufino e Cia. Em 1972, seu irmão Erosimar, entrou na empresa que passou a se chamar Algodoeira e Pecuária Rufino Ltda, hoje com 30 empregados na fiação, 45 no algodão e 30 na pecuária, sendo 18 fixos. Desde então trabalham irmanados. A escalada de ambos atropelou a crise criada pelo bicudo que acabou com a produção de algodão do Ceará. Passaram por cima, com a determinação dos empreendedores que vencem os desafios.

O que fizeram? Foram plantar algodão em Simões, no Piauí e Inaciolandia, em Goiás. Mas não pararam suas usinas em Acopiara, uma unidade continuou beneficiando o algodão comprado no Ceará e produzindo óleo e torta – já chegou em 1986 a produzir 20 mil de kg de algodão em pluma, hoje estão produzindo apenas 5 mil kg/ ano, embora com capacidade estática de 50 mil kg - e outra unidade foi redirecionada para a produção de fios destinado à indústria têxtil, especialmente a Santana Textile, (65%/70% da produção) um dos maiores grupos empresariais do Ceará. Tem capacidade instalada para a produção de 300 mil kg mas não passa de 40 mil kg, “Mais não produzimos, disse, porque a China não deixa, domina o mercado, achata os preços, pratica “dumpling” o que nos leva a enfrentar dificuldades adicionais”, confessa Mazinho.

Estrategicamente, Mazinho relata que parou a produção em Simões e Inaciolandia e se aparecer comprador “vendo tudo” e a razão é ditada pela brusca queda dos preços do algodão que chagaram em 93/94 a R$ 75/80 a arroba e hoje não passa de R$ 35/40 . Acrescentese a concorrência desleal praticada pelo grupo Maeda, de São Paulo, além de tudo o 1º do Brasil e o 3º do mundo. Mazinho e Erosimar, em meio à forte concorrência no mercado algodoeiro, migraram para outro segmento importante da economia brasileira e se instalaram em Buriticupu, no Maranhão, onde mantém um investimento em agropecuária.

Com negócios no Ceará, Piaui, no Maranhão e em Goiás, Mazinho e Erosimar continuam como sempre foram; simples, pacatos, humildes, educados, mansos, tocando a vida em Acopiara, de onde saem apenas para acompanhar seus negócios. Podem ser vistos e cumprimentados na rua onde passam sem qualquer ostentação.

Há acopiarenses que reclamam que vivem da casa para o trabalho e do trabalho para casa, são recatados e reclusos. “Fizemos uma opção de vida, vivemos para os nossos irmãos e nossos filhos, com austeridade, modéstia e tranquilidade. Somos felizes assim”, desabafa Mazinho. Não se incomodam. Também não incomodam ninguém.

Mazinho tem três filhos: Antônio Virgilio Holanda de Lima, industrial, Marcelo Holanda Lima que estuda Comunicação, em Fortaleza, e Natacha Maria Holanda, que é Psicóloga em Fortaleza.

Já Erosimar tem duas filhas: Samara Albuquerque Rufino, Administradora de Empresa e Isabela Albuquerque Rufino, graduada em Fisioterapia.

São bem informados sobre economia e mercado. Vêem os noticiários da TV, por assinatura ou parabólica. (Acopiara tem uma floresta de parabólicas). Na sua loja, onde comercializa o varejo da empresa, está conectado com o mundo através da Internet.

Sobre Mazinho e Erosimar há muitas lendas. A principal delas é que se confundem com o Banco do Brasil. A lenda diz que eles fechassem sua conta, a agência do Banco, em Acopiara, não teria sentido. Outra apresenta ambos como os homens mais ricos de Acopiara, riqueza jamais expressa em luxo, vaidades ou veleidades.

Não moram em palácio nem casarões, muito menos têm carrões. Não se metem na política local, e aplaudem a irmã Velma, presidente do Lions Clube, que mostra os laços de família com as ações sociais de solidariedade ao próximo.



Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -