Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Outubro 2008

Acopiara – como nos despedimos dos que se foram


A arte de viver se contrapõe à arte de morrer.

Se eventualmente temos, nos dias de hoje, dia e hora para nascer, graças aos avanços da medicina, o mesmo não podemos dizer que temos dia e hora para morrer. Salvo por morte encomendada, uma prática que se generalizou em várias partes do mundo, civilizado ou bárbaro. Salvo por morte decretada em juízos formais e informais, seja por cadeira elétrica, fuzilamento, esquartejamento, decapitação, enforcamento, apedrejamento etc. Cabra marcado para morrer, vai pro inferno mais cedo.

Todos nós sabemos que um dia vamos morrer. Antigamente se dizia que somente os bons morriam cedo. Há controvérsias. Uns dão mole. Outros tentam adiar, como podem, comendo folha, frango, peixe, fibras, fazendo exercícios ou tomando pílulas, gotas e bolinhas.

Quando nascemos, a recepção tem, na medida das posses de cada um, o ritual que chega aos píncaros da glória. Foi-se o tempo da parteira. Não se nascia direito, era arrancado. O parto normal virou exceção. Nas maternidades, dependendo do cliente, o tratamento vai de um a mil. Podem ter médicos, enfermeiras e uma parafernália de cuidados e atenções. Os enxovais que nos recebem podem ser modestos ou suntuosos. Ao chegarmos em casa pela primeira vez, berços, mamadeiras, fraldas, babás, leite materno ou de lata, pediatras. Um luxo. Entre os pobres, mínimo do mínimo.

Muito diferente quando morremos. Nas grandes ou pequenas cidades, em hospitais, emergências, ambulâncias, macas ou em casa, vítimas de acidentes, doenças degenerativas, infecto-contagiosas, erros médicos, filas de transplantes etc.

Até aqui escrevi em tese, para propor uma reflexão como nos despedimos dos nossos mortos em Acopiara, a 360 km de Fortaleza, com seus 48 mil vivos, 20 mil penando no mundo, e 200 mil entre o céu, o purgatório e inferno.

Recordo-me que na década de 40 e 50, ainda não havia hospitais, as pessoas morriam em suas casas, cercados de seus entes queridos. O processo da agonia era doloroso, até o último suspiro.

Sabíamos quando alguém morria porque a energia elétrica ficava ligada toda a noite. Na manhã, os alto-falantes da VPS anunciavam a morte e convidavam para o enterro.

O velório acontecia em casa, tudo muito fúnebre. O luto começava ali. A pratica continua viva e atual. Ainda em julho último, constatei.

Os abastados eram sepultados em caixões, geralmente discretos, realizando-se uma procissão entre a casa e a Igreja para um ato religioso e dali para o cemitério, onde eram enterrados no jazigo da família. O sacristão tocava o sino acompanhando o cortejo entre a Igreja e o cemitério.

Os desfavorecidos, da cidade, eram sepultados no “caixão das almas”, do Círculo Operário, reutilizável, que ia da casa para a igreja e dali para a cova rasa no cemitério, em cortejo, mas sem sino e, dos sítios, vinham na “rede das almas”, também reutilizável, trazida em cortejo, passavam pela igreja e iam para a cova rasa. Há décadas que o tempo de permanência não chega a dois meses. Findo o prazo, os restos são recolhidos ao ossário e o espaço é reocupado por algum falecido que entrou em óbito.

Houve um tempo em que a previdência social pagou auxilio funeral, com o objetivo de dar dignidade só aos seus segurados mortos. Mas foi tão grande a corrupção dos vivos que o morto perdeu o auxílio. Desde então, o prefeito de plantão e os políticos da cidade e região são convocados para pagar o enterro. E se não pagam perdem votos, são execrados.

Sim, o crematório não chegou à Acopiara.

Conta a lenda que nos velórios aconteciam coisas impossíveis de se imaginar. As jovens viúvas, por exemplo, eram cumuladas de pêsames, atenções e olhares. O mesmo acontecia com jovens viúvos. Ambos guardavam luto fechado e praticavam a abstinência sexual. Se fossem feios, o prazo alongava e o jejum também.

Nos tempos atuais, as coisas mudaram muito.

Velório tem, luto acabou. As funerárias e os papa defuntos entraram em cena. Acopiara tem três funerárias e nenhum papa defunto, mas o mercado trouxe a concorrência e junto chegou o tal de Marketing O falecido é um produto que merece atenção.

Todas instituíram o carnê da morte ou vale defunto ou bolsa falecido. O cidadão vivo paga uma mensalidade de R$ 10, R$ 20 ou R$ 30 e assegura alguns direitos e sua cidadania de morto.

Chamou-me a atenção o conteúdo do kit: caixão popular, nada de luxo ou superluxo, aí tem taxa extra para frisos prateados e dourados e entalhamento, mortalha para homem (camisa grande e calça folgada) ou mulher (camisolão rosa ou azul), higiene pessoal como banho, unhas cortadas, barba feita (se for homem), cabelo penteado, calçado, um pouco de flores. Isto para o defunto. Para o velório: dois pacotes de bolachas, dois de macarrão e l kg de carne moída para sopa e 250 gramas (uma quarta) de café em pó. Isto para os urbanos e rurais até de 50 km da cidade. Para os da cidade tem ainda um balde de sopa, de cinco litros, para segurar os que estão pranteando o falecido.

Mas Acopiara ainda não tem capela mortuária ou salão para velórios. Falta pouco para que isso aconteça. Até sugeri que pedissem ao SENAC ou ao Fome Zero um curso de carpideira para que haja um pouco de choro. Já não se pranteia os mortos como antigamente. Choro com emoção forte, hoje, só dos familiares das vítimas das chacinas e de enchentes, nos grandes centros ou dos ganhadores e perdedores, nas Olimpíadas de Pequim, no Jornal Nacional.

Nas funerárias, há estórias inacreditáveis. Há poucos meses, uma família de Iguatu foi a Acopiara comprar um caixão para enterrar a perna amputada de uma senhora. Não queriam que ninguém de Iguatu soubesse. Mas queriam um caixote. Depois de ampla negociação, a perna veio do Iguatu e foi enterrada num caixão em Acopiara. Um mês depois, a senhora faleceu. A família voltou à Acopiara e comprou outro caixão e pediu que fosse providenciado o enterro. Acomodada numa noite no caixão, o empregado da funerária notou algo diferente, na hora do fechamento no dia seguinte. Foi discretamente informado de que a família fora a Acopiara resgatara o que restara da perna e a colocara dentro do caixão para que a falecida a levasse para a eternidade. É verdade.

Nos tempos chaplinianos, o velório tem de tudo. Não é só sopa, bolacha e café. Tem também televisão ligada, rádio de pilha, revista de fuxico e aquela que matou o guarda, sorvida em copinhos de plástico para espantar o sono. Tem também altos papos sobre as virtudes dos mortos, escassas ou caudalosas, ou e as glórias dos vivos. Há caras e bocas, flertes e olhares.



Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -