Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Dezembro 2009

Os desencontros entre José de Alencar e Dom Pedro II


Muitos, da geração atual, não sabem que José de Alencar (Messejana) (1829-1877) morreu jovem, aos 48 anos, teve um grande desentendimento com o Imperador dom Pedro II.

Seu pai, José Martiniano de Alencar (Barbalha) (1794-1860), filho de Barbara de Alencar, era padre católico, mas casado com d, Ana Josefina de Alencar. Naquele tempo, muitos padres casavam, mesmo sem poder. Superadas as dificuldades políticas da Confederação do Equador (1817), em 1821, saiu da prisão para as Cortes de Lisboa, feito deputado. Após a independência voltou ao Ceará, envolveu-se em nova rebelião, foi preso, mas acabou nomeado governador do Ceará por 18 meses pelo Regente Feijó, seu amigo. Em 1832, foi eleito senador. Em 1837 estava no Rio, com o filho José de Alencar, defendendo a maioridade através do Clube da\ Maioridade, movimento para antecipar a posse de dom Pedro II, que instalou na sua casa.

José de Alencar começou seus estudos de Direito em São Paulo, nas arcadas do Largo de São Francisco, prosseguiu em Olinda e voltou a São Paulo para trabalhar como advogado.

Capistrano de Abreu (Maranguape) (1853-1927) proclamou, em 1880, três anos após a morte de José de Alencar, em 1877, que seu conterrâneo "é o primeiro vulto da literatura nacional", sendo também considerado "o patriarca da literatura brasileira".

Em 1856 publicou o primeiro romance, Cinco Minutos, seguido de A Viuvinha em 1857, O Guarani em (1857), Iracema (1865) e Ubirajara (1874). Estes romances foram publicados em folhetins em jornais e só depois em livros.

As desavenças pessoais de José de Alencar com dom Pedro II começaram em 1856, quando foi publicado no Rio de Janeiro o livro Confederação dos Tamoios, de Domingos Gonçalves de Magalhães, amigo do Imperador, que o editou. Com o pseudônimo de Ig, José de Alencar publicou artigo com duras críticas ao livro, escrevendo que o "indigenismo da Confederação poderia figurar em um romance árabe, chinês ou europeu".

Dom Pedro II não gostou e rebateu as críticas no Jornal do Comércio com o pseudônimo de Amigo do Poeta.

Em carta ao Conselheiro Saraiva, de 23.03.1860, dom Pedro II revelou que "fiz o plano de defesa do poema (...) eu não abandono posição de defensor e elogiador (...) não queria que Ig (se empavonasse mais descobrindo um único adversário (...) Quanto a ele (Ig), ou entra no grupo ou fica de fora...". O grupo era integrado por escritores indigenistas e nacionalistas.

Eleito, em 1861, deputado conservador pelo Ceará, José de Alencar casou em 1864 com Ana Cockrane,

Em 1868, como ministro da Justiça do Gabinete Conservador do Visconde de Itaboraí assinou a lei que proibia a venda de escravos sob pregão e sua exposição pública.

Dom Pedro II dele dizia: "é teimoso, este filho de padre".

Em 1869, eleito o mais votado com 1.185 votos na lista tríplice de candidatos ao Senado acabou preterido por dom Pedro II. Magoado, deixou o Ministério da Justiça e voltou à Câmara, ficando em oposição ao Imperador. Em 1870, no seu livro, "Historia de dom Pedro II, Heitor Lira revelou que dom Pedro II teria também dito sobre José de Alencar: "e um homem de valor porém muito mal educado". Há também a versão de que o Imperador teria afirmado que José de Alencar era muito jovem para ser senador. Certamente esquecera que o pai dele, o senador José Martiniano de Alencar, não só liderara o movimento da maioridade como forá o orador da sagração de dom Pedro II como Imperador do Brasil.

Em 1872, nasceu seu filho Mário de Alencar, o qual, segundo uma história nunca totalmente confirmada, seria na verdade filho de Machado de Assis...

José de Alencar deu o troco na Guerra dos Mascates (1874) em que dom Pedro II aparece como Sebastião de Castro Caldas, fustigando os pontos vulneráveis de sua personalidade, o caráter dúbio e perplexo, a voz estridente, as pernas finas, a habitual volubilidade, a frugalidade de suas refeições, os rabiscos nas fastidiosas reuniões do Gabinete e seu bordão "já sei, já sei". Alem disso, escreveu artigo duvidando das "qualidades intelectuais de dom Pedro II”, e na Câmara fez campanha contra as viagens do Imperador ao exterior, especialmente a de 1871, classificando-a de "inoportuna", pois temia que o Visconde do Rio Branco assumisse o governo e não a princesa Isabel.

A pendenga entre José de Alencar e dom Pedro II deve ter começado por causa de Maria Francisca Nogueira da Gama que se casou em 1862 com o Visconde de Penacoa. José de Alencar e dom Pedro II disputavam Maria Francisca que integrava o grupo de moças que na juventude do Imperador lhe serviam de par em saraus na Corte junto com Maria Nogueira, Maria Francisca Gonçalves Martins e Tereza Souza Franco. Ambos perderam a moça para o Visconde. Há registro da disputa.

Dom Pedro II foi um notável e discreto conquistador, a lista é puxada pela Condessa de Barral, justamente o oposto de seu pai, dom Pedro I.

(*)JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor.    

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -