Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Dezembro 2012

O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

Vicente Paula Cavalcante, 72, nascido em 12.01.1940, a exemplo de Zé buchinho, figura folclórica da cidade, nasceu em Lages, mudou-se para Afonso Pena e depois para Acopiara, mas diferente dele, varreu os céus, terras e mares, como paraquedista do Exército, vendedor no Rio e no Espirito Santo, garçon em navios do Lóide, embarcando e desembarcando navios cargueiros ou de cruzeiros, em portos de muitas marias, conquistou dez mares e oceanos, os dois famosos canais do

Panamá e Suez e muitos golfos e baias.

Entende tudo de navios e oceanos. Poderia ter sido comandante emérito da Marinha Mercante ou da Marinha de Guerra, por conhecimento do oficio, certamente desconhecido por muitos almirantes e comandantes de bar e terra. Filho de Francisco Vieira Cavalcante e Perpétua (Perpetinha) Gurgel Cavalcante, neto de Julio Elpidio da Silva e Antonia Gurgel da Silva, bisneto de Vovô do Rio (Henrique Gurgel do Amaral Valente, um dos refundadores de Acopiara) é irmão de Francisco das Chagas, Luiz Gonzaga (Babel), Tereza e Raimundo Nonato Gurgel Cavalcante, este de criação (adotivo). Não ganhou Gurgel no nome, mas na sua história. Seus pais foram donos de pequeno comercio em Campos Sales, Catarina, Pedra Branca e Acopiara.

Fez o curso primário em Catarina, a 20 km de Acopiara, para onde seus foram abrir comercio e aos 12 anos já estava no Seminário São José do Crato. Ficou só dois anos e se transferiu para o Colegio Diocesano do Crato.

Em 1960, aos 18 anos, tomou sozinho uma decisão heróica, mudar-se para São Paulo, na busca de horizontes e de futuro. “Levei Acopiara no coração”, disse. Depois de 12 dias na carroceria de um pau de arara chegou ao eldorado. “tentei sobreviver com dignidade, mas só aguentei quatro meses, trabalhando como garçon em bares na Avenida São João, tomando em seguida o rumo do Rio de Janeiro, onde morava seu tio Teófilo Gurgel, sargento da Marinha, que era sua referência. Foi parar no Catete, na rua Benjamin Constant 70, onde também moravam seus primos José, Jaile e Alcebíades, todos de Acopiara. Ali foi encaixado num a vaga para dormir.

Passou a trabalhar em terra inicialmente como cobrador da Galeria Carioca, de porta em porta, caçando devedores, depois vendeu discos e peças de automóvel. Em 1962, fez o serviço militar obrigatório, onde encontrou dois amigos de infância de Acopiara, Bolivar e Bismarck, filhos de Pericles, e Antonio Catarina, filho de Antonio do Cedro, que eram sargentos e que o levaram para o Núcleo dos Paraquedistas. Depois de cinco tentativas de salto, frustradas, e três meses de estágio, saltou de paraquedas em Gramacho, sendo brevetado. Dali saiu para integrar o Batalhão Suez, missão de apoio militar da ONU, em Suez, embarcando no 11º contingente. Voltou ao Brasil, deu baixa, foi morar na Rua do Catete e procurar emprego, recomeçando no Laboratório Astra do Brasil, topando ser propagandista no Espirito Santo. Foram oito meses de sacrifícios entre Vitória e Rio.

Em 1965, entrou para o Lóide Brasileiro ,a maior empresa marítima do pais, de cabotagem e passageiros, com 60 navios próprios e que chegou a ter 1.200 navios afretados.

A empresa tinha bom conceito e má administração.

Tinha quase 100 empregados por navio. Esteve nos quatros navios de cruzeiro, Princesa Isabel, Leopoldina, Rosa da Fonseca e Ana Nery, fazendo a costa brasileira. Foram quatro anos como garçon. Muitas vezes quando chegava ao Rio, dirigentes do Lóide e apaniguados iam à bordo se fartar da boa comida, boa bebida e dos licores.

Foi então passar um ano no mundo a bordo do cargueiro Dinamarca Madskou, da Oveskou, como garçon do comandante, taifeiro e serviços gerais. O que aprendeu no Lóide lhe serviu tempos afora quando trabalhou por 18 anos para a maior empresa brasileira de despachos marítimos a Aapro&Lachmann, fundada em 1927, com responsabilidade de resolver todos os problemas relativos à chegada e a partida do navios de cabotagem e do pessoal no porto do Rio de Janeiro, junto à Saúde dos Portos, Capitania dos Portos, Policia Federal e Alfandega, alcançando também abastecimento de combustível e de água potável, escoamento sanitário, mantimentos, proteção do pessoal na escala do navio. “Não era fácil, Marinheiro no porto quer mulheres, diversão, programas. Problemas surgiam do nada, recorda. Deu muito trabalho embalsamar e embarcar um tripulante morto no Rio. Depois de semanas, a família pediu que o corpo fosse cremado!”.

Vicente foi testemunha ocular da grande perda que o Brasil teve com o fim do Lóide e das demais empresas. “Perdemos a navegação de cabotagem, num pais com uma costa de 5 mil km,e de passageiro. Os estrangeiros até hoje fazem a festa, pois 90% das exportações brasileiras vão por navios. Viu também o porto Rio mirrar e renascer em Sepetiba, Itaguaí no Caju, com os novos terminais de contêiners .

Vicente casou com Lourdes Cavalcante, de Cantagalo -RJ. Tem dois filhos: Wladimir, escrivão da Polícia Civil do Rio de Janeiro, e Silvana tenente médica do Exército. Tem três netos: Isacc, de Wladimir e Rafael e Laura, de Silvana Hoje curte seu tempo entre Campo Grande/RJ, Acopiara, Fortaleza, em terra firme. Como dança conforme a música, conhece os salões da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Recentemente voltou aos mares, no Fantasia, da MSC, que onde caberiam os quatro navios do Lóide, dando um curso de curta duração- sobre os dez mares e oceanos. Lamenta que Acopiara não tenha porto nem transporte marítimo, fluvial, lacustre, açudal, barrajal que lhe proporcione condições minimas de se meter no túnel do tempo.

(*) JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor.

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -