Boa tarde, sexta-Feira, 22 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Fevereiro 2009

Vale cultura


Quando é que anos atrás podia se imaginar o governo preocupado em melhorar o acesso do povo à cultura.? Existiam outras necessidades para serem supridas. O Brasil até os anos 50 vivia na idade da pedra, principalmente nas cidades do interior.

Ainda lembro de minha infância em Ibiapina. Como a gente era pobre. Vivia-se sem o menor conforto. Não existia luz elétrica nem água encanada. A água era guardada em potes colocados nos cantos da sala e da cozinha. Banho só no rio. A privada ficava no fundo do quintal. Um buraco no chão, dentro de uma casinha de palha. A fossa era coberta com madeiras que substituíam o vaso. À noite usava-se o penico para as necessidades. O frio da Serra não animava ninguém ir lá fora na escuridão. A fumaça do fogão à lenha pintava de negro as paredes das cozinhas. O fogão a gás chegou ao Ceará pelas mãos de Edson Queiroz. Já morava em Fortaleza e cheguei a ver o povo temer.

Achava que explodia. A propaganda ajudava a mudar os hábitos:

“pergunte a quem tem um.”

Dos anos 50 pra cá o país se transformou. O satélite revolucionou as comunicações, o mundo virou uma aldeia. O progresso chegou aos lares da região mais distante. Nos últimos governos diminuiu o número de brasileiros na miséria absoluta. A classe média cresceu. Há quem acredite que o governo errou ao instituir o bolsa-família. Deu o peixe quando devia ter dado o anzol. Podia ter obrigado o cidadão a fazer um serviço comunitário. Ou ser obrigado a freqüentar um curso que o qualificasse a um futuro emprego. Tem muita gente nesse interior sem emprego, à espera do bolsa família. Outro dia, o jornalista Cláudio Humberto lembrava na coluna dele o baião do Luiz Gonzaga e Zé Dantas.

“Vozes da Seca”: “Esmola para um homem que é são/ ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão”.

O fato é que estamos noutro Brasil. Foi preciso um operário assumir a presidência para mudar a cara do país, a vida de milhares de brasileiros. O saneamento básico chega às cidades que ganham escolas, urbanização, postos de assistência médico-hospitalar. O cidadão médio tem acesso aos bens de consumo, faltando-lhe apenas o poder aquisitivo para saciar seu desejo de acesso à cultura. A maioria das classes C e D não sabe onde encontrar cultura. Não tem acesso aos cinemas, a maioria funcionando hoje em luxuosos centros comerciais que inibem os mais humildes. O artista hoje se exibe para uma minoria de ricos. A maioria prefere viajar ao exterior.

Fiquei emocionado quando, há poucos dias, vi o cineasta e produtor cearense Luís Carlos Barreto, numa entrevista a Paulo César Pereio, no Canal Brasil, falando sobre a criação do Vale Cultura. O presidente que não é formado, não tem curso superior, possibilitando ao trabalhador acesso ao cinema, teatro, show musical e outros eventos. O Vale Cultura vai funcionar como os atuais vale-refeição, vale transporte. O projeto vai colocar no mercado cerca de 40 milhões de brasileiros que hoje não tem poder aquisitivo para saciar sua fome de cultura.

O dinheiro que vai circular beneficiará direta e indiretamente a todos os que vivem da arte. Com o Vale-Cultura na mão, o trabalhador vai comprar livros, CDs ou ingressos para cinema, teatro e shows. Vai lotar as casas de espetáculos, gerando renda para novas produções.

Nunca mais vão perguntar na rua ao ator Paulo Cesar Pereio, que saiu das novelas e hoje só faz cinema, se está aposentado. Artista vai ser parado na rua para dar autografo para ser cumprimentado pelo seu trabalho A cultura vai entrar na cabeça dessa gente com diversão e informação, mudando seu destino.

(*) Wilsom Ibiapina (Ibiapina), jornalista

 

 

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -