Boa madrugada, quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Fevereiro 2012

O melhor Rei Momo do Ceará

Quem encontra hoje o circunspecto jornalista Ciro Saraiva é incapaz de imaginar que este senhor que gasta bom tempo de sua vida em orações e em leitura da Bíblia, foi um dia o mais espirituoso, alegre e divertido Rei Momo da história do carnaval de Fortaleza.

Essa passagem na vida do hoje brilhante escritor, ele procura esquecer por achar o carnaval cada vez mais longe do povo, que essa “explosão cultural popular virou coisa de rico marcada pela ferocidade do sexo, pela droga e pelo dinheiro”, conforme ele assinala em seu livro “No Tempo dos Coronéis”.

Mas tudo começou por causa do incidente que ocorreu no Country Club de Fortaleza, onde hoje funciona o restaurante Serigado, comandado pelo cronista esportivo Silvio Carlos.

Era o carnaval de 1961. O juiz de menores, Cândido Couto, recebeu denuncia de que menores estavam participando da festa do Country, a segunda feira mais animada do carnaval cearense. O juiz mandou que a polícia fosse lá retirá-los da festa. A tropa chegou no momento em que o Rei Irapuan Lima e sua corte visitavam o clube. O Edilmar Norões, que fazia parte da corte como cronista carnavalesco, lembra da cena. Algum gaiato gritou para a polícia não prender o Rei Momo. Irapuan Lima, indignado bradou: “O Rei é imprendível”. A Polícia abriu fogo no salão. O fotógrafo Vieira Queiroz, do Correio do Ceará, foi baleado e o Rei teve que pular o muro para escapar dos tiros.

Depois dessa confusão o Rei Momo abdicou. O presidente da Crônica Carnavalesca,Chico Alves Maia, entrou em campo para encontrar seu substituto. Para alegria geral a escolha recaiu sobre um jornalista gordinho, recém-chegado de Quixeramobim. Com o nome de Cirão I, o novo Rei Momo se vestiu de Nero e saiu às ruas, segundo ele, com “a disposição de tocar fogo no Carnaval de Fortaleza” Seu grito de guerra era “Vivo o Cão”. Um dia, num baile no clube Iracema, Cirão sobe no palco e, ao lado do comandante da Região Militar e do ministro Expedito Machado, proclama no microfone: “O Rei, o ministro e o general! Viva a irresponsabilidade!”

Foi, sem dúvida, o mais animado e debochado Rei do Carnaval cearense. Sua performance aumentava a alegria dos foliões. Só ia pra casa com o sol raiando. Não fez como aquele rei Momo do passado que foi destituído em plena segunda feira de carnaval. Foliões, que voltavam de uma festa às 6 horas da manhã, flagraram o Soberano de pijama e comprando pão numa padaria.

A Rainha que acompanhava Cirão, Irani, era muito bonita e chegou a provocar uma crise de ciúme na casa dele. Entre a Rainha do Carnaval e a Ranha do Lar, o Rei optou pela Rainha do Lar. Inventou que estava doente e como já era 1965, em plena ditadura militar, ele saiu-se com essa; “Só volto ao carnaval quando houver condições de fazer alegria no Brasil”. No carnaval seguinte, o Rei já era Javeh.

Hoje, o jornalista e escritor Ciro Saraiva, vive para Jesus, não ousa si quer repetir o brado de guerra que ele usava para incentivar seus súditos. Considera uma injuria a Deus.

Na verdade, nunca mais apareceu um Rei Momo tão espontâneo, carismático que nem ele. O poeta Rogaciano Leite sentenciou um dia: “No Ceará só existiram dois reis: Luisão e Cirão. O resto é palhaço.”

Eu acho que o melhor mesmo foi o Cirão Primeiro e Único.

(*) Wilson Ibiapina (Ibiapina), jornalista

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -