Boa madrugada, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Março 2009

Um recanto dentro da noite


O Lustosa da Costa pede que escreva sobre a boite Alabama, uma das primeiras a funcionar em Fortaleza. Me socorro do Narcélio Limaverde, o nosso Google.

Aí lembrei que aqui em Brasília moro na casa que o dono da boite, o Antônio Pompeu, construía para morar. Depois que vendeu a boite, Pompeuzinho mudou-se para Brasília. Antes de concluir a casa desapareceu da obra. Foi encontrado morto no apartamento que tinha na Asa Norte. Nunca se soube o que aconteceu.

O carro dele desapareceu. Morte trágica para um homem que viveu parte da vida em meio à música, amigos e mulheres bonitas.

A boite Alabama ficava ali onde hoje é o hotel Esplanada. A freqüência era a mais refinada possível. Toda quinta feira, o radialista Irapuan Lima transmitia pela rádio Iracema, direto da Alabama, “um recanto agradável dentro da noite calma”

A rapaziada em Fortaleza, no inicio dos anos 60, freqüentava mesmo era as pensões do centro da cidade. A boite Alabama veio mudar o estilo de diversão da moçada. Na boite tomava-se um drinque, dançava-se ao som de uma boa música. Tudo na penumbra. Podiam levar à namorada. Paulo Tarso, que tocava um violão elétrico de quatro cordas, fazia o som com seu conjunto. Paulo havia participado dos Vocalistas Tropicais. O Carlos Alberto Laranjeira, que cantava também nos programas de auditório da Rádio Iracema, se apresentava quase todas as noites. Digo quase porque nas quintas a atração era Joran Coelho. Segundo o Narcélio Limaverde, Joran conquistava os freqüentadores da boite, principalmente quando cantava Molambo (“Eu sei que vocês vão dizer que é tudo mentira.”)

O garçom mais famoso era o Simbá. Era ele quem atendia os radialistas e jornalistas que apareciam por lá, todos lisos, mas cheios de boas intenções. O Antônio Pompeu tinha um quarto anexado à boite.

As paredes eram cheias de papeis e cheques. O Narcélio jura que eram os vales e cheques voadores dos radialistas e jornalistas que decoravam as paredes do local.

A boite fechou pressionada pelo progresso. No local foi erguido o hotel Esplanada, depois vendido e hoje passando por uma lenta e gradual reforma.

O garçom Simbá virou dono de restaurante na Beira Mar. O Pompeuzinho, em Brasília, montou uma loja de molduras para retratos, espelhos. A casa que era dele foi concluída por mim depois que a comprei dos herdeiros. Hoje, quando estou em casa nos fins de semana, vez por outra, preparo uma dose de rum com coca-cola, que era a bebida da época, e coloco o disco da Elizeth Cardoso pra tocar. A faixa é Molambo, samba canção de Jaime Thomás e Augusto Mesquita que foi sucesso desde o momento em que foi gravado pela primeira vez em 1953. Fico recordando a boite Alabama, que marcou toda uma geração de fortalezenses. Fecho os olhos e parece que estou vendo o Pompeuzinho, todo solicito, olhando para todos os lados para ver se falta alguma coisa. É quando a voz da Elizeth vai mudando... aí começo a ouvir o Joran Coelho, com aquele bigodinho de ator do cinema mudo, cantando com aquele vozeirão: “... ficou pra matar a saudade/ A tremenda saudade que não me deixou....”


(*) Wilsom Ibiapina (Ibiapina), jornalista

 

 

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -