Boa madrugada, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Abril 2012

As “MENINAS” de Brasília

Elas estão em toda parte do Distrito Federal. Chegaram quando Brasília começou a ser construída. Nos anos 50 só existiam barracões nos acampamentos repletos de candangos. As famílias, nas cidades de origem,viravam saudade. O trabalho frenético para erguer a cidade em três anos e meio podia ter transformado a vida deles num inferno não fossem as “meninas”, uma fonte de diversão, que aliviava a tensão.

E não foi preciso chamar Pantaleão Pantoja, personagem de Mario Vargas Losa que, numa missão sigilosa, criou um serviço de prostitutas para atender as Forças Armadas do Peru que trabalhavam na selva amazônica.

Chegaram aqui, atraídas pelo mercado de homens, que até hoje não para de crescer. Elas se estabeleceram no início da Cidade Livre, lá do lado de quem vem de Anápolis e Goiânia. Formaram a primeira favela que logo foi batizada de invasão Placa da Mercedez, uma homenagem a marca dos primeiros caminhões que chegavam carregados de materiais para a construção e de mulheres que pegavam carona em busca do Eldorado. É dessa época o diálogo entre um candango e uma dessas moças: “você é de pissirico, minha filha?- Não, sou de Anapis.”

Quando surgiram os primeiros apartamentos e o Núcleo Bandeirante fervilhava de gente, as “meninas” já estavam instaladas no Kilometro-7, na divisa do DF com Goiás. A chegada do DTUI – Departamento de Telefones Urbanos e Interurbanos (depois vieram a Cotelb e a TeleBrasília), facilitou o contato com as prostitutas. Bastava discar para Madame Zu que ela promovia o encontro.

Com a transferência do Congresso Nacional, fato que esvaziou a noite carioca, a alegria contaminou a Capital. As moças pobres e ignorantes que no começo socorriam os candangos, perderam espaço para as concorrentes de luxo e beleza. Os políticos se divertiam no golden room do hotel Brasília Palace. Quando o hotel pegou fogo já estava na moda o “Man’s bar” do Hotel Nacional. Era lá que hóspedes, políticos, empresários, jornalistas e boêmios tomavam seus drinques ao cair da noite e encontravam graciosas meninas dispostas a fazer qualquer um feliz.

Como Brasília não tem cabaré foi inevitável que casas fossem alugadas como pontos de encontro. Orlando Brito, o repórter fotográfico que viu Brasília nascer, lembra que a mais famosa era a Casa Amarela, que ficava no Lago Norte. A prostituição se banalizou de tal forma que qualquer promotora de festa pode ser confundida com cafetina. A cearense Jeanne Mary Corner, por exemplo,teve que explicar na Polícia Federal que não é cafetina. Ela foi citada como suspeita de agenciar garotas de programa para políticos envolvidos no escândalo do mensalão.

A revista “Meiaum” editada em Brasília por Hélio Doyle, mandou a repórter Rafania Almeida ao Congresso. Durante três semanas ela conversou e observou. Na revista numero 5, edição de agosto, ela conta que uma dessas garotas, usando crachá falso, chegou ao plenário da Câmara, onde “ literalmente, fez o corpo a corpo com os deputados”. O contato é no Congresso, mas as aventuras são vividas na noite brasiliense. Os lugares favoritos são a casa de show Pathernon, no Setor de Indústrias Gráficas, e a boate do Hotel Bonaparte, na Asa Sul.

Uma delas contou à repórter da “Meiaum”que foi com um deputado nordestino que teve uma de suas noites mais inusitadas. Ela diz que o deputado puxou do bolso uma calcinha vermelha rendada. Achou que era presente. Ficou boquiaberta quando viu o deputado se despir e vestir a lingerie. A moça revelou que o parlamentar nordestino “desfilava pelo quarto como uma lady, andando na ponta dos pés”. Foi aí que descobriu que o papel dela naquela noite não seria o de mulher fatal e sedutora.

Uma outra foi bastante explicita ao revelar: “se os políticos fizerem greve, nós quebramos as pernas”.

(*) Wilson Ibiapina (Ibiapina), jornalista

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -