Boa madrugada, quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Maio 2012

Um cearense na guerra

Esse tal de comunismo já deu muito trabalho aos americanos. Quando Fidel assumiu o comando em Cuba, em 1959, você não imagina o tamanho do temor de que o comunismo tomasse conta da América Latina.

O presidente Kennedy criou a Aliança para o Progresso para tentar frear o avanço das esquerdas na região. Nos anos 60, os americanos viam o Nordeste brasileiro como região perigosa. Achavam que a miséria e a atuação de cearenses como dom Helder Câmara, dom Fragoso e Miguel Arraes, assim como a do pernambucano Chico Julião fertilizavam as idéias maxistas. Durante dez anos os americanos despejaram no Nordeste dólares, leite em pó e muitos jovens.

Em 1968, Fortaleza ficou cheia desses rapazes e moças americanos que fugiam do serviço militar como o diabo da cruz. No mesmo instante em que eles desembarcavam por aqui com medo de ir pro Vietnam, um cearense chegava a Saigon, hoje Ho Chi Min, como correspondente de guerra.

Luís Edgar de Andrade é o único jornalista cearense que cobriu a guerra do sudeste asiático. Levou na bagagem a experiência adquirida em redações de jornais do Ceará e do Rio, nada que se comparasse ao que viveu durante o ano de 1968 na mais sangrenta guerra de guerrilha que se tem notícia.

Ele lembra que foram quase 2 mil repórteres que passaram por lá. Quarenta e oito morreram e 18 foram dados como desaparecidos.

Viu o companheiro brasileiro, José Hamilton Ribeiro, hoje repórter do Globo Rural, perder a perna. Estava apenas há 14 dias no Vietnam quando pisou numa mina.

Luís Edgar esperou mais de 30 anos para colocar suas lembranças de guerra num livro. E elas vieram em forma de romance, que acabo de reler.

Os correspondentes de guerra no Vietnam eram obrigados a usar o mesmo uniforme dos soldados americanos. A diferença era que no lugar da arma usavam papel, caneta, máquina fotográfica. Edgar conta que o medo de ser apanhado por um vietcong fez alguns, como o filho do ator Errol Flynn, bordarem na farda a expressão bao chi. E obrigou o resto dos correspondentes a pronunciar bao chi (imprensa), que na verdade queria dizer “não atirem”. O grito, em meio a batalhas significava, também e, principalmente, “imprensa, não me mate.” “Bao Chi! Bao Chi!” é o título do romance de Luís Edgar de Andrade, cearense de Fortaleza, formado em direito e filosofia e com pós-graduação em jornalismo na França.

Norma Couri escreveu no Jornal do Brasil: “Não se trata de uma reportagem nem de um livro de memória. É uma ficção que mistura o rigor da história de um jornalista tarimbado à glamourização e ao sexo ocasional que envolvem situações de muito perigo. Também trata de personagens reais, como o colega José Hamilton Ribeiro, além de Peter Arnet, que a guerra do Golfo consagraria, Oriana Falacci e outros menos conhecidos.”

São 284 páginas e o protagonista da história é o jornalista Miguel Arruda, que perde o emprego e larga a namorada no Rio e parte para o Vietnam. Numa mesa de bar, ao longo do romance, Luís Edgar, como o personagem Miguel descreve sua adaptação à cultura e costumes do povo vietnamita, revelando bastidores do conflito e o segredo de uma cobertura.

Norma Couri diz que Bao chi, Bao chi traz suspense quase como num romance policial, mas relata situações verdadeiras vividas pelo correspondente. O livro mostra o ambiente de tensão, loucura, solidão e medo vivido pelos correspondentes.

Carlos Heitor Cony diz que o romance de Luís Edgar “só é comparável aos melhores textos de Hemningway, tanto na economia vocabular como na eficiência dos diálogos”. Como você deve lembrar, os americanos perderam a guerra

Wilson Ibiapina (Ibiapina), jornalista

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -