Boa madrugada, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

09 de Junho de 2008
Fonte: Diário do Nordeste - 08/06/08

Apagando a cidade


A eleição de outubro está chegando. Fosse eleitor em Fortaleza não votaria em vereador que vive mudando o nome de ruas e faria campanha para que ninguém votasse nele. O Marciano Lopes tem toda razão quando protesta. A cidade está ficando sem cara. Estão apagando o passado.

O endereço era rua Mal-me-quer, na Serrinha. Virou rua Professor Crispim. A rua Onze Horas, no mesmo bairro, mudou para Antônio Teixeira Leite. Todo mês chega aos Correios documento informando a alteração de nomes de logradouros. Em média, duas ruas mudam de nome todo mês. As mudanças não ocorrem só no nome das ruas. Bairros também viram nome de gente. Prédios antigos são demolidos, praças são invadidas pela especulação imobiliária, lagoas foram aterradas, dunas destruídas. Tudo em nome do progresso. Aceito a convocação do Marciano para que todos os que amam Fortaleza se unam para exigir a volta dos nomes românticos, líricos de antigamente. Queremos de volta o Passeio Público, os bairros do Coqueirinho, Floresta, Alagadiço, Campo do Pio, Cercado Zé Padre, as praça da Bandeira, das Pelotas, do mercado São Sebastião, que virou Paula Pessoa. Era lá que os circos armavam suas lonas. Nerino, Thiany, Garcia . Agora é tudo comércio e só lembrança que vai sumindo com os mais velhos.

Outra queixa do Marciano, na coluna no Diário, é a troca do nome da pracinha da Independência, na Volta da Jurema, para Jardim Japonês. O vereador que fez a mudança nem sabe que a cidade já teve um jardim do japonês. Ficava na extinta rua Juvenal Galeno, hoje, trecho inicial da Bezerra de Menezes, perto da praça Otávio Bonfim. O jardim pertencia ao seu Fujita, um japonês legitimo que ensinou Fortaleza cuidar de rosas, flores. Podia ser visto da rua, pois era protegido apenas por uma cerca de arame farpado. Quem passava na calçada podia ver o seu Fujita regando as plantas, cuidando do jardim que lhe dava renda para o sustento da família, alegria e paz de espírito. Não conheço notícia de alguém que tenha pulado a cerca para colher uma rosa, uma flor em botão. Tempo de gente honesta. Foi trabalhando no jardim japonês que seu Fujita criou os filhos. Fez deles engenheiros, médico, dentista, homens de bem e de bens, que ocupam lugar de posição na sociedade cearense.

As ruas que ostentam nomes de figuras que a história não registra, já foram rua das Flores, rua da Alegria ou Travessa das Hortas. Se você quer saber mais sobre antigas ruas de Fortaleza chame o Haroldo Serra para um papo descontraído. Ele lembra o nome de todas elas. Feito o Nirez, tem a história de cada uma bem viva na memória.

As mudanças são tantas que lembrei o documentário "A Mais Remota Lembrança", que o cineasta Pedro Jorge fez com o jornalista Pompeu de Souza. Foram até a cidade de Redenção, onde numa praça, Pompeu tentou localizar a casa em que nasceu. Foi socorrido por uma velha moradora que, para espanto do senador eleito por Brasília, explicou que haviam construido uma nova rua na praça e que, a que abriga a casa dele, “agora está lá atrás “. Mutilaram a praça e esconderam a casa do velho jornalista.

Muita gente deve estar passando por situação parecida ao procurar endereço em Fortaleza. A cidade está perdendo a referência do seu espaço urbano. Estão fazendo uma outra cidade que não tem nada a ver com seus antigos moradores. O Pedro Jorge diz que em Roma até os ônibus são proibidos de trocar seus números para não confundir os usuários. Tenho a impressão que os políticos estão querendo aplicar aquela máxima do diretor italiano Luchino Visconti no filme Leopardo: "Se queremos que as coisas permaneçam como estão, é preciso que elas mudem".



Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -