Boa madrugada, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Setembro 2009

Vamos comer farinha


Galinha com farinha lembra a infância. Morava em Ibiapina quando vi, pela primeira vez, ela sendo preparada para a viagem a Canindé. As malas estavam prontas. Faltava a peça de resistência da viagem de um dia. A galinha, bem temperada, cortada em pedaços, foi pra panela. Parecia uma festa na cozinha. As pessoas ajudando minha mãe, colocando mais lenha no fogão. Depois de cozida a galinha recebeu a farinha de mandioca .Com a colher de pau dona Dalva foi misturando ao caldo temperado que virou a farofa mais gostosa que comi na vida. Na viagem, não pensava na roupa de São Francisco que teria de vestir para pagar a promessa para meu irmão ficar bom de uma poliomielite. Ia olhando a paisagem mas só via a galinha com farofa que minha mãe guardava numa lata de biscoito, carregada no colo, com todo cuidado. Nunca esqueci o cheiro que saiu quando a lata foi aberta para o almoço. Tenho certeza que o cheiro tinha um sabor que ainda me enche a boca e um odor que invade o nariz. O caminhão de duas boléias levantando poeira na estrada e nós devorando a galinha preparada na véspera. A farinha fosse da Europa estaria hoje entre os melhores complementos da culinária mundial. Acontece que as pessoas sentem vergonha da farinha. Tentam esquecer que um dia foram farofeiros, palavra que, inclusive, identifica os que levam farneis para a praia ou piqueniques.

A farinha não serve para fazer pão, mas é perfeita para a farofa, beijus, pirões. Acompanha assados de carne, ave ou peixe. Já imaginou um churrasco ou um frango sem farinha? Além dos nordestinos, gaúchos e mineiros se amarram numa farinha. Tem gente com tanta prática de comer farinha que causa inveja .Pega a farinha com a mão, joga de longe na boca e, com perícia, não deixa um só grão cair. Vamos comer farinha sem culpa. O escritor mineiro Luis Giffoni diz que ela tem a praticidade exigida pela vida moderna. “É o fast-food tupiniquim, com a vantagem imbatível: dura um dia, tempo infinitamente maior ao dos hamburgueres que, em cinco minutos, ficam intragáveis aos olhos e ao estômago.”

(*) Wilsom Ibiapina (Ibiapina), jornalista

 

 

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -