Boa madrugada, segunda-Feira, 18 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Setembro 2017

Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

Essa é a melhor época para se passar férias nas praias do Nordeste. No Ceará, elas não fecham no inverno. Não levei em consideração essa informação e fui bater na Flórida, justamente no período quente e úmido. O verão de maio a outubro é a época da chuva e dos furacões. A mesma coisa no Caribe. Em 1992 sai de Brasília com a Edilma, Rangel Cavalcanti e Celina. Ao desembarcar em Miami demos de cara com o Andrew. A tormenta atingiu a categoria 5, a mais alta intensidade. Com ventos de 280 quilômetros por hora, deixou mais de 60 mortos e devastou vasta região do território americano;.

O  hotel  do  nosso  amigo  Clodomir  Girão,  na Collins Avenue,estava vazio, cercado de escombros. Furacão acabara de passar deixando casas destruídas, a cidade sem energia, barcos e aviões jogados nas pistas. Uma das janelas do hotel Fontainebleau, na Collins, arrebentou e o vento forte varreu todo um andar, moendo tudo feito liquidificador. Downtown, centro comercial da cidade,na época a região mais procurada pelos turistas, foi invadido por marginais que faziam arrastões tomando tudo de todo mundo. Um Deus nos acuda.

Um ano depois, lá estamos de novo no mesmo hotel, com a Edilma e em companhia do Rodolfo Espínola, da Nildinha e dos nossos filhos. O alerta de novo furacão nos levou ao supermercado em busca de lanternas, velas, água e alimento. Pregamos madeiras nas portas e janelas. Escapamos em meio ao sufoco.

Em janeiro de 1996 estávamos em Nova Iorque quan- do fomos surpreendidos por uma nevasca. Dizem que foi a maior tempestade de neve em toda a história de NY. Depois de passar o Ano Novo na cidade decididos partir para Miami. A minha filha, Flávia, resolve seguir para o Canadá para visitar uma amiga, a Paloma. De manhã, o tempo começa a mudar, chuva fina. Deixamos a Edilma fechando as malas e eu e o Fábio, meu filho, fomos levar a Flávia até um ônibus que seguiria para o país vizinho, Pedi que assim que chegasse ao Canadá telefonasse para uma amiga nossa em Miami dando notícias. Ela chegou e nós não. Enquanto ela seguia de ônibus , fomos para o  aeroporto,  onde  encontramos  o  jornalista  Gilberto Amaral que acabara de saber que estava chegando a nevasca. Estava terminando de despachar as malas. Ele conseguiu voltar pra cidade, mas nós ficamos três dias no aeroporto. Estavam nessa viagem Edilma, Fábio e eu, a Graça e o Gerson Matos com os três, a Aglaé e o Guilherme, filho dela, e a Rafaela, filha do Ar - mando Cardoso. De repente , os carros que estavam no estacionamento sumiram debaixo da neve. A Air France cedeu gentilmente sua sala Vip para nos abri- gar, mas alguns brasileiros que iriam no mesmo vôo comeram e beberam todo o estoque da companhia francesa,sujando  tudo.  Fomos  convidados  a  nos retirar e passamos dois dias no salão de embarque dormindo sentados ou no chão. Sem comida, fomos socorridos por um trator que venceu a neve para nos levar sopa, gentileza do Bill Clinton, brincávamos. Quando finalmente conseguimos chegar a Miami, pegamos todas as roupas de frio e chuva guardamos no hotel, alugamos duas vans e partimos para Or- lando. Lá, o frio estava intenso e chovia. Tivemos que  comprar  capas  para  nos  proteger. As  únicas que encontramos, e numa liquidação, eram azuis e vermelhas com motivos alusivos ao Mickey Mouse e à Minie. Quer dizer, pagamos o maior “mickey”.

(*) Wilson Ibiapina (Ibiapina) jornalista e escritor

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -