Boa tarde, domingo, 15 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Outubro 2012

Operário da Justiça

O ministro César Asfor Rocha, ao completar 20 anos no Superior Tribunal de Justiça pediu o boné. No livro que registra os principais momentos de sua carreira, “Imagens e Palavras”, ele desabafou: “Envolvi-me tanto e tão profundamente nos afazeres do judiciário e tal é minha identificação com suas ingentes tarefas que não saberei mais como é viver fora dela. Contudo nunca deixo de me lembrar que há vida lá fora. Mais até: que a vida está lá fora.”

César Rocha é aquele cara que não teve juventude. De menino passou pra velho. Logo cedo preparou-se para fazer engenharia. Influenciado pelo pai, advogado Alcimor Rocha, terminou na Faculdade de Direito. Aos 18 anos de idade, logo no primeiro ano do curso, virou professor por quase 20 anos. Foi assessor do governador Plácido Castelo, no Palácio da Luz, ocupou o posto de Procurador -geral do município de Fortaleza e de juiz do TRE.

Não teve mais tempo para os amigos e a família. Não foi a toa que ele escreveu o verso: “Do tempo há de se ter/ A medida mais exata/ Quem dele mais necessita/ É a quem ele mais falta/Quem vive o tempo matando/ É quem primeiro ele mata.”

Foram 20 anos como ministro do Superior Tribunal de Justiça, onde chegou aos 44 anos e ocupou todos os cargos da carreira. Conhecido como hábil articulador, foi responsável pela informatização do Poder Judiciário. Relatou mais de 140 mil processos, sendo 4 mil no TSE e 3 mil no Conselho Nacional de Justiça, onde também atuou como Corregedor.

Julgou mais de 700 mil processos. Na Justiça Eleitoral fixou precedentes que obrigaram o TSE rever sua jurisprudência e acabar com a farra de candidatos a cargos eletivos. Foi o ponta pé para a lei da ficha limpa. Em meio a viagens, reuniões e palestras, ele encontrava tempo para se perguntar: “Não sei se sou o que sou/ Nem se serei o que fui/Se serei o que
já sou/ Ou se sou o que já fui.”

Considerado um juiz eficiente, César Rocha aos 64 anos ainda podia ficar mais seis anos no tribunal. Ele se aposenta levando a inspiração da terra e do indômito povo do Nordeste, portando na alma as vibrações do Ceará, a terra do sol, e do amor a terra da luz”.

Vai em busca de um merecido repouso para recarregar as pilhas e reiniciar outros trabalhos, tudo na área da Justiça, de quem se considera operário cheio de confiança. Voltar a advogar é o desafio que não lhe desalenta. Tudo com liberdade de ação, sem patrulhamento, sem o rigor que a toga impõe.

Já aposentado, saindo rumo ao aeroporto para 20 dias de férias com a mulher na Europa, ele me disse: “Sabe aquele vinho que não foi possível tomar com você e o Toninho Drummond? Diga a ele que aguarde. Na volta estarei disponível para muitas taças”. E lá se foi em busca do tempo perdido. Como diz no verso de uma de suas canções: “Na vida, o mais importante/ É saber com o tempo contar/

Quem disso não se der conta/Muito vai se arrepender/ O tempo da vida passando/A vida, por tempo, implorando/O tempo,sem vida, chorando/ Um vendo o outro morrer.

(*) Wilson Ibiapina (Ibiapina), jornalista, leia também no blog Conversa Piaba: http://conversapiaba.blogspot.com.br/

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -