Boa tarde, sexta-Feira, 22 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Novembro 2012

Um paraibano que amava Sobral

Lá se foi nosso amigo Lustosa da Costa. Francisco José Lustosa da Costa, o primeiro de mais de dez irmãos. Paulo, Elcias, Fred, Isabel, Alberto, Carlos, Roberto Aurélio e o resto do pessoal, como diria Juarez Barroso. Todos filhos de dona Dolores e seu Costa. Todos cearenses, menos ele. Lustosão nasceu em Cajazeiras, na Paraíba, no dia 10 de setembro de 1938. Mas foi o mais sobralense de todos.

Se orgulhava de ter começado menino, em 1954, no Correio da Semana, em Sobral. De ter morado na casa do bispo. Seu primeiro livro acabou de ser reeditado pelos amigos. “Sobral do Meu Tempo.” Na última coluna publicada pelo Diário do Nordeste, ele agradeceu a Edmo Linhares, Sérgio Braga, Juarez Leitão e José Teles, que promoveram a reedição do livro que completa 30 anos. Já doente, foi representado na noite de autografos pela mãe, dona Dolores que aos 98 anos cumpriu a tarefa com desembaraço. A irmã Isabel, historiadora famosa, fez o discurso de agradecimento. O poeta Juarez Leitão fez a apresentação do livro que lhe deu mais satisfação. Aliás, Sobral foi cenário dos mais de 25 livros que publicou, dois deles em Portugal. Coordenou livros em homagem ao grande colunista Lúcio Brasileiro, ao médico Regis Jucá e a Tarcísio Tavares, o papa da publicidade, do rádio e televisão cearense.

A trajetoria profissional foi rica. Trabalhou na Ceará Rádio Clube, TV Ceará, depois foi editor chefe dos jornais Correio do Ceará e Unitário, todos veículos dos Diários Associados. Em Brasília, o jornalista Fernando César, o mesmo que arranjou emprego pra mim na sucursal do Correio do Povo de Porto Alegre, empregou Lustosa como repórter no jornal O Estado de São Paulo. Foi também colunista do Correio Braziliense. Escrevia no Diário do Nordeste desde 1985, quando foi inaugurada a sucursal do Sistema Verdes Mares em Brasília. O convite foi feito por Ednilton Soarez, na época Superintendente do sistema de comunicação do Grupo Edson Queiroz.

Formado em direito, Lustosa da Costa foi também professor de sociologia brasileira da Universidade Federal do Ceará, procurador do IPASE e técnico em comunicação da Câmara dos Deputados. Entre os poucos amigos estão Lúcio Brasileiro, Juarez Leitão, Fernando César, Edmo Linhares. Gostava de beber uisque, mas foi um câncer no pulmão provocado pelo cigarro que lhe tirou de cena.

Na coluna que publicou dia 1º de outubro, segunda feira, ele fez uma declaração de amor ao Ceará. Disse ele, me citando: “Wilson Ibiapina, num destes encontros mensais em Brasília, de cearenses nostálgicos da terra natal, cunhou a frase: “A gente sai do Ceará, mas o Ceará não sai de nós’. No meu caso – disse ele - “estou fora da terrinha desde 2 de dezembro de 1974, mas apenas fisicamente. Nunca deixei de ler or jornais da terra, escrever neles e visitar Fortaleza e Sobral. Sou e continuo a ser cearense por vontade própria. E quando digo que Sobral não é uma cidade, é uma saudade chorando baixinho em mim, não se trata de força de expressão, nem de licença poética.” A família vai espalhar as cinzas dele em Sobral.

´´A gente percebe que ficou velho no olhar das mulheres que só nos prestam atenção para ver se estamos na fila certa, a dos idosos”

(*) Wilson Ibiapina (Ibiapina), jornalista, leia também no blog Conversa Piaba: http://conversapiaba.blogspot.com.br/

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Março
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Março
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
– Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
– Agosto
- Pra onde vamos?
– Julho
- Julho em Ubajara
– Junho
- História do Ceará
– Junho
- Pise no chão devagar
– Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
– Maio
- Jornalista, que profissão!
– Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
– Março
- O defensor da Natureza
– Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

– Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
– Novembro
- Os jardineiros de Brasília
– Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
– Setembro
- Vamos comer farinha
–Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Julho
- Vamos Repensar o DF
– Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
– Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
– Maio
- O Tempo do Rádio
– Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
– Março
- Um recanto dentro da noite
– Fevereiro
- Vale cultura
– Janeiro
- A última do Português

> 2009

– Dezembro
- Um presente para Fernando
– Novembro
- Da caserna para o livro
– Outubro
- Falta Garçon
– Setembro
- Cidade sem cara
– Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
– Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
– Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
– Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -