Boa noite, domingo, 09 de Dezembro de 2018
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras






































:: Jornal Ceará em Brasília

Untitled Document

Novembro 2010

Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai

A guerra do Paraguai começa em 1864 e vai a 1870, em Cero Corá, com a morte de Lopez.

Custou 614 mil contos de reis, 11 vezes o orçamento de 1864, gerando déficit que chegou a 1889 , isto é à República. Há quem afirme que a obstinação do pacifista Pedro II com a guerra e com a caça a Lopez apressou o fim do Império.

A guerra poderia terminado dois anos antes se dom `Pedro tivesse desistido de caçar Francisco Solano Lopez, filho de Carlos Antonio Lopez, morto em 1862.

A guerra apressou o fim da escravidão, o fim da monarquia e o inicio da República. Em 10.11.1864, Lopez mandou aprisionar o barco Marquês de Olinda, no Rio Paraguai rumo a Mato Groso.

Dom Pedro II assumiu a condição de voluntário nº 1 e foi a Uruguaiana, em 1865, onde se reuniu com Flores, do Uruguai, e Mitre, da Argentina, que resultaria no Tratado Secreto da Tríplice Aliança, assinado em Buenos Aires.

Os aliados somavam 9,1 milhões e o Paraguai 318, 1 mil. Em 1865, o Exército brasileiro tinha 18,0 mil recrutas, 67,3 mil em 1866, 71,0 mil em 1867 e 82,2 mil em 1869. O da Argentina contava com 6,0 mil recrutas e o do Uruguai, 4,0 mil. O Paraguai começou a guerra com 55 mil.

Em 1866, dom Pedro II deflagrou “uma “cruzada patriótica” que levou à legião dos “voluntários da pátria”, já que o serviço militar não era obrigatório. Como se efetivou:

1º – alforria dos escravos para a luta, os escravocratas eram indenizados, Estima-se que 20 mil foram vendidos Mas nem todos foram à luta.

2º – os estados teriam que mandar recrutas para a frente de combate.

A guerra permitiu que o estaleiro Mauá, em Niterói, produzisse até 72 navios anuais, graças ao esforço do barão de Mauá.

O balanço da guerra: o Paraguai teria tido 1,3 milhão de mortos e o Brasil de 100 a 140 mil reduzidos por “comunicado oficial” a 4.332 , mais 18.597 feridos e 988 desaparecidos.

Não se sabe com certeza quantos cearenses foram para o teatro de operações. Entretanto, estima-se o número em perto de 6 mil pessoas (cerca de 1,16% da população à época), cuja maioria esmagadora (aproximadamente 4.700) acabou morta. Muita gente, mais de dois terços,78,33%.

A guerra deu ao Ceará a gloria para o brigadeiro Antonio de Sampaio e o transformou em patrono da arma de Infantaria do Exército..

A 3ª Divisão de Infantaria – a Divisão Encouraçada, que comandou em 14 mai 1866, na Batalha de Tuití, foi decisiva para a vitória, em que pese os três ferimentos recebidos que determinaram sua morte, aos 56 anos, em 6 jul 1866, a bordo do vapor “Eponina” , o fato de quatro cavalos que montava durante a resistência terem tombado por perfurações de balas e baionetas inimigas e sua Divisão ter sofrido 33% de baixas brasileiras. Do lado paraguaio,foram registradas 13 mil baixas,6 mil mortos, 6.700 desaparecidos e 370 feridos

Sampaio chegou ao Rio Grande do Sul ao final da Revolução Farroupilha, onde, no comando de uma companhia de Infantaria, estacionou quase 5 anos em Canguçu, como instrumento de consolidação da Paz de Ponche Verde e próximo de Piratini e Caçapava, antigas capitais da República Rio-Grandense (1836- 45).. Combateu na guerra contra Oribe e Rosas (1851-52) quando participou da Batalha de Monte Caseros, como integrante da Divisão Brasileira. Comandou um Batalhão de Divisão de Observação que penetrou em Montevidéu em 7 mai 1859, a pedido do Presidente oriental Venâncio Flores. Na guerra contra Aguirre teve atuação destacada a frente de uma Divisão, na conquista de Paissandú o que lhe valeu sua promoção a brigadeiro.

Muitos dos sobreviventes cearenses da guerra do Paraguai, 1.300, ficaram no Rio de Janeiro e ocuparam o Morro do Juramento, considerado o primeiro agrupamento de cearenses,morando em barracos e cortiços, no maior abandono. O Estado não lhes dava nem a passagem de volta para o Ceará. .Deu-lhes a Av. Voluntários da Pátria, em Botafogo. Só.

A pesquisadora da UFPe, Maria Regina Santos de Souza (UFPE) em “ A guerra não acabou: as batalhas entre os familiares dos ex-combatentes cearenses da “guerra do Paraguai” e o Estado Imperial (1870-1889”), narra a luta dos familiares de dois voluntários cearenses, Raimundo da Rocha Dutra e Francisco

Antonio Pereira, para receber os benefícios dos Decretos dos Voluntários da Pátria, que teriam direito a pensão ou meio soldo em caso de suas mortes em combate. As mães pediram o benefício mas não conseguiram.

A guerra produziu ainda um caso famoso na historia cearense. O de Jovita Feitosa. Antônia Alves Feitosa, a Jovita Feitosa, pertenceu a um ramo mais pobre de uma poderosa família latifundiária, nasceu no povoado de Brejo Seco, nos Inhamuns, em 8 de mar de 1848.Aos 12 anos, perdeu a mãe, indo depois morar com um tio em Jaicós, Piauí.Ao saber do início da guerra do Paraguai, Jovita, aos 17 anos, foi a Teresina, escondida do tio. Decidiu ser “voluntário da pátria”.

Como o exército não aceitava mulheres, passou a faca nos cabelos e pôs um chapéu de vaqueiro, apresentou-se , foi inicialmente aceita. Mas teve sua identidade descoberta por conta da denúncia de outra mulher. Acabou incorporada, de saiote e blusa militar, com a divisa de primeiro sargento, seguindo para o Rio de Janeiro, em set de 1865.

Mulata, de feições índias e estatura mediana, Jovita ganhou notoriedade e virou instrumento de propaganda do governo para estimular novos voluntários a “lutar pela pátria”.

Em nov de 1865, o ministro da guerra afastou-a da tropa. Permanecendo no Rio de Janeiro, envolveu-se sentimentalmente com um engenheiro inglês de nome Guilherme Noot, passando com ele a viver na praia do Russel. Ao saber que o ingles fora embora , sem nenhuma comunicação, cometeu suicídio com uma punhalada no coração em 1867, aos 19 anos de idade.

JB Serra e Gurgel (Acopiara), jornalista e escritor.

 

Untitled Document

JB Serra e Gurgel
Jornalista e Escritor
http://www.cruiser.com.br/girias
gurgel@cruiser.com.br


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Como os cearenses vem os cearenses nativos e forasteiros

– Setembro
Ascensão e queda de Cleto Meireles: Colmeia, Haspa e Cidade Ocidental

– Julho
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

> 2016

– Setembro
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

> 2015

– Novembro
Para a Forbes, o Califa Abu Bakral Bagdadi é a 57ª pessoa mais poderosa do mundo

– Outubro
Um cavaleiro andante que caminhou entre aforismos e citações

– Setembro
Por uma claraboia no meio do Salão Nobre do Palácio da Abolição

– Agosto
As cem edições do Jornal da Gíria. Um marco no mundo gírio

> 2014

– Setembro
Acopiara : “Meton, notas de uma vida”, uma trajetória e um exemplo

– Agosto
O Ceará poderia ter tido mais um presidente: Juarez Távora

– Julho
Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

 

> 2013

– Dezembro
A presença dos Cearenses na população de Brasília

– Novembro
O cearense que escolheu o local para implantação de Brasília

– Outubro
Acopiara – Tia Nenem uma guerreira entre os Guilherme

– Agosto
As citações que marcam o cotidiano de Osvaldo Quinsan

– Julho
O último apito do trem que passava por Acopiara

– Junho
Dionísia aumentou a presença de Acopiara na Siqueira Gurgel

– Maio
Estão querendo Revogar a lei do morro: não sei, não vi, não conheço

– Abril
Faça como o velho marinheiro...

– Março
Tereza Aragão Serra, uma lenda quase esquecida em Tauá

– Fevereiro
José de Alencar e a língua portuguesa

– Janeiro
Moreira de Acopiara - o poeta popular de Diadema/SP

> 2012

–Dezembro
O acopiarense Vicente dos dez mares e oceanos

–Novembro
A presença de marranos e ciganos no Ceará

–Outubro
No modo de dizer dos italianos, as raízes de expressões brasileiras

–Setembro
Nobreza Cearense: Barões e viscondes não assinalados

–Agosto
A linguagem de Paco, regional e universal

–Julho
As armas e os barões assinalados

–Junho
Acopiara - Eita Brazilzão sem porteira

–Maio
Acopiara - Nertan Holanda Gurgel. Auto retrato de um homem simples

–Abril
José Alves de Oliveira: “árvore velha não se muda”

– Março
A gíria presente na obra de Eça de Queiroz II

– Fevereiro
Miguel Galdino - uma vida pelas justas causas

– Janeiro
História do Ceará de todos nós, presentes e ausentes

> 2011

– Dezembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz

– Novembro
A gíria ou o calão presente na obra de Eça de Queiroz
– Setembro
Como o Ceará libertou seus 30 mil escravos
– Agosto
Manoel Edmilson Teixeira um homem simples e de bem
– Julho
Acopiara - Apelidos e o que não falta
– Junho
Acopiara -Zé Marques Filho, uma referencia de respeito
– Maio
Os cearenses do Rio de Janeiro
– Janeiro
Acopiara - não é só mineiro que é desconfiado

> 2010

– Dezembro
Acopiara – os brasileiros reclamam de que mesmo?
–Novembro
Marcas da presença do Ceará na Guerra do Paraguai
– Outubro
Como o Brasil começou a fabricar seu papel moeda
– Junho
Um cearense acima de qualquer suspeita
– Maio
Acopiara – O centenário de Alcebíades da Silva Jacome
– Abril
Acopiara e o Seminário do Crato
– Fevereiro
A queda de braço entre o Presidente Castello Branco e seu irmão Lauro

> 2009

– Dezembro
Os desencontros entre José de Alencar e dom Pedro II
– Novembro
Tem uma Teresa que foi a 1ª. mulher cearense a ser delegada da mulher em Brasília
– Outubro
Acopiara - Dom Newton 60 anos de padre, 30 anos de bispo
– Agosto
Acopiara - O passado é um pais estrangeiro
– Julho
Futebol cearense atravessa mau momento
– Junho
Acopiara – O Estrago da Crise Global
–Maio
Meu avô – Henrique Gurgel do Amaral Valente II
–Abril
Acopiara - Reverência aos nossos heróis anônimos
– Fevereiro
Acopiara vista à distancia, em cruzeiro
– Janeiro
Chico Sobrinho o líder do clã que fará 20 anos de poder em Acopiara

> 2008

– Dezembro
- Acopiara comemorou cinco centenários em 2008
– Novembro
- Acopiara – os 50 anos do padre Crisares.
– Outubro
-Acopiara – como nos despedimos dos que se foram
– Setembro
-Acopiara – Mazinho e Erosimar, os empreendedores
– Agosto
-Acopiara – Ezequiel partiu e deixou saudade
– Julho
- Acopiara - Meu avô, Henrique Gurgel do Amaral Valente
– Junho
- As mães que povoaram Acopiar
– Maio
- Chico Guilherme, a hora e a vez do Coronel




:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -