Bom dia, domingo, 21 de Julho de 2024
Casa do Ceará

Imprima




Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília


::Odontoclínica
Untitled Document

Fevereiro 2013

Recado para quem sai

Antes que tudo a minha solidariedade, porque sei que não vai ser fácil trilhar novo caminho, começar tudo outra vez, noutro lugar.

O hábito é uma segunda natureza, se entranha, se insere com tal força e intensidade que já não se sabe, exatamente, onde se manifesta o hábito ou a própria natureza. Uma cousa ou outra, mas urge mudar porque já não lhe pertence a primeira palavra e nem a última. Já não lhe compete ordenar, congregar, liderar.Quem desce, inevitavelmente tem que se render à evidência de que o poder não lhe concerne.

Tantos anos no mando, centro e figura de destaque, as alas se abriam ao passar e os sorrisos se afivelavam ao rosto, impreterivelmente Por força da repetição, foram tomados como obrigação à sua pessoa, a aquiescência, as alas, os sorrisos, e você não percebeu, a tempo, que se endereçavam ao cargo, à função, à importância da posição que ora ocupava. E agora?

Imbuído do mérito do trabalho a realizar, tantos à sua volta para obedecer, cumprir ordens, prestar-lhe contas,subiu-lhe à cabeça a importância, e ser e estar passaram a sinônimos.Vai ser penoso aprender o verdadeiro sentido das palavras

Doloroso descer para a planície. De cima, a paisagem apresenta forma e cores bem diversas. E, sem se dar conta, os que estão no alto se apropriam das questões e dos problemas do cargo, como se fossem pessoais. E, perdido o poder, não é simples ceder a terceiros uma solução para a qual se julgava o único detentor. Uma compulsão quase irresistível surgirá, de opinar, de interferir, de participar. Inutilmente, sua vez de agir já se perdeu no tempo. Passou,

É forçoso, naquele exato instante, uma certa humildade para reconhecer que outros, agora no comando, têm também talento e inteligência, capacidade e aptidão, novas concepções, diferentes idéias, dominam, sem a sua interferência, o questionamento que você, talvez, presunçosamente, julgava ser o mais capaz e o mais entendido.em solucionar

Nesta nossa cidade de poder e transição, procissão de alternâncias, onde a vida toma forma de gangorra, já vi muita gente chorar! Convenhamos,ninguem pode ficar indefinidamente na parte de cima! Um sobe e o outro desce, lei da vida.

Agora, preciso lhe confiar um segredo: o poder magnetiza e atrai, mascára muitos à sua volta, De agora em diante eles vão se revelar, Prepare-se, para não ficar pálido de espanto.A amizade nãoé bem que se adquire à custa de cargo e de importância, mas de confiança e de admiração.Talvez você não tenha sabido distinguir os amigos pessoais e os amigos do cargo. Às vezes se torna difícil constatar a diferença...

Vai acontecer uma mudança radical. Nem mais louvores, nem mais aplausos, e o que é mais penoso, com quem você contava, talvez não conte mais... A máscara vai cair. A roda habitual, pouco a pouco vai se desfazer. Ninguém para contar o fato inédito e pitoresco, e a assiduidade vai terminar. Inapelavelmente.. Estarão atarefados, de tal modo, que não lhes sobra tempo para a conversa e o cafezinho... Nem mesmo para um telefonema. E não se surpreenda se lhe virarem o rosto como se nunca o tivessem conhecido! Como se nunca tivesse sido feito o obséquio, atendida a solicitação! A incoerência é própria do homem, e paradoxalmente, muitos se sentem ofendidos por lhe dever um favor! Espicaça-lhes o orgulho, e prefereriam que a dívida fosse esquecida A ingratidão vai doer, a constatação de que não havia amizade mas simples interesse. Vai lhe provar, agora na planície, quão vulnerável e frágil é o ser humano.

Entre a multidão, e no anonimato, vai se aquietar a vaidade, e você vai aprender que é importante também ser simplesmente alguém.

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

Setembro
Seca: a tragédia se repete
Agosto
Seca: a tragédia se repete
Julho
Gente brava
Junho
Dia da Alegria
Maio
Precioso bem
Abril
Aquele velho “OSCAR”
Maro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Fevereiro
Recado para quem sai
Janeiro
Rota para a vida

> 2013

Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
Outubro
O Gênio e o Homem
Agosto
O Gênio e o Homem
Julho
Um presente de vida a Mandela!
Junho
Dia da Alegria
Maio
Precioso bem
Abril
Aquele velho “OSCAR”
Maro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Fevereiro
Recado para quem sai
Janeiro
Rota para a vida

> 2012

Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
Novembro
As luzes estão acesas
Outubro
Amarga ironia
Setembro
O trono vazio
Agosto
A última trincheira
Julho
Parece que foi ontem...
Junho
Atores de todos os tempos
Maio
Seca: a tragédia se repete
Abril
Imaginação ou realidade?
Maro
Um Século de Sabedoria
Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

Novembro
Trilhas da vida
Setembro
Um mercenário a caminho
Agosto
Usar sem abusar
Julho
Como as aves do céu
Maio
Quem se lembra de Chernobil?
Junho
Sino, coração da aldeia...
Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
Abril
Bonn, Bonn
Fevereiro
Depois da festa...
Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
Novembro
Homem total
Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Setembro
Um tempo que se perdeu
Agosto
Império do Medo
Julho
Acenos de Esperança
Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
Maio
Poema Impossível
Março
Numa tarde de verão
Fevereiro
Caminhos de ontem
Janeiro
Muros de Argila

> 2009

Dezembro
Um Brinde Vida
Novembro
A vez da vida
Outubro
Gente brava
Setembro
Gente brava
Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
Julho
Camalees solta
Junho
Síndrome de papel carbono
Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800 | Whatsapp 61 995643484
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -