Bom dia, domingo, 21 de Julho de 2024
Casa do Ceará

Imprima




Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília


::Odontoclínica
Untitled Document

Dezembro 2008

Um Brinde Vida


Estamos chegando ao fim de mais um ano. E ainda estamos inteiros, apesar dos imprevistos, dos contratempos, dos previstos e dos esperados. Algumas mágoas e alguns ressentimentos, talvez, da vida e das pessoas. Esqueçamolos. Mágoas são decorrências das distorções da arte de conviver. O homem, pelo desejo latente de possuir o mais, nunca achou a vida suficientemente pródiga para o que fez e o que julga ser. Ressentimentos não pagam dívidas.

De lado, os senões e os desejos não realizados. Que tenha vez apenas a alegria, fruto daquilo que se alcançou nos dias de peleja deste ano que finnda, e na consciência do que se possuiu. Usufruiu-se do amor e da beleza, do verde e do azul. Os flamboyants floriram e lançaram o grito de paixão na mensagem das flores vermelhas. As cigarras cantaram a canção da primavera. O sol trouxe calor e aqueceu indistintamente bons e maus.E nas tardes, ao anoitecer, a natureza brindou o homem com lindos poentes, pintou o céu de arabescos coloridos e esgarçou as nuvens em espirais de fumaça. O vento correu de um lado a outro da terra e a criança sorriu quando lhe emaranhou os cabelos. Iluminouse o rostinho rechonchudo.

A rosa nasceu. Milagre de vida. E quem teve olhos para ver, se rendeu extasiado ao segredo do mundo. Nas pautas das relvas e dos canteiros floridos, a chuva escreveu canções de ninar, e em roldão, correu apressada pelas valas e regos, inundando caminhos e estradas.

E, se houve tristezas, dores e desencontros, que não haja revolta. Compõem o cenário da vida com os instantes de alegria.

Nos dias que se passaram, o ciclo vital se completou muitas vezes. A semente germinou, cresceu, e fez-se planta. Os dias sucederam as noites e o sol surgiu a cada aurora. E ao entardecer, desapareceu no poente. Uma ordem perfeita no ritmo das coisas.

Apesar das ameaças que cercam a humanidade por todos os lados, a fome, a poluição, a escassez d’água, a guerra nuclear, as contradições, a desorientação que impera, a frieza e a maldade, um brinde à esperança, à crença do que pode o homem construir e realizar. A Terra ainda não se omitiu. Ao homem falta a conscientização de que está em suas mãos, o seu próprio destino. No seu coração está o segredo da felicidade e do encontro que teima em buscar fora.

Que venha o Ano Novo, como sempre acenando promessas. Com juras de amor e de alegria, mostrando antecipadamente projetos e sonhos realizados. Que haja festas, risos, na dança e na euforia. Levantemos um brinde à alegria de viver. Em troca do muito que se recebeu, haja prodigalidade em dar. Que se abra o coração ao encontro do tempo. E na beleza de amar, se prolongue a graça da vida. Feliz Ano Novo!

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

Setembro
Seca: a tragédia se repete
Agosto
Seca: a tragédia se repete
Julho
Gente brava
Junho
Dia da Alegria
Maio
Precioso bem
Abril
Aquele velho “OSCAR”
Maro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Fevereiro
Recado para quem sai
Janeiro
Rota para a vida

> 2013

Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
Outubro
O Gênio e o Homem
Agosto
O Gênio e o Homem
Julho
Um presente de vida a Mandela!
Junho
Dia da Alegria
Maio
Precioso bem
Abril
Aquele velho “OSCAR”
Maro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Fevereiro
Recado para quem sai
Janeiro
Rota para a vida

> 2012

Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
Novembro
As luzes estão acesas
Outubro
Amarga ironia
Setembro
O trono vazio
Agosto
A última trincheira
Julho
Parece que foi ontem...
Junho
Atores de todos os tempos
Maio
Seca: a tragédia se repete
Abril
Imaginação ou realidade?
Maro
Um Século de Sabedoria
Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

Novembro
Trilhas da vida
Setembro
Um mercenário a caminho
Agosto
Usar sem abusar
Julho
Como as aves do céu
Maio
Quem se lembra de Chernobil?
Junho
Sino, coração da aldeia...
Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
Abril
Bonn, Bonn
Fevereiro
Depois da festa...
Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
Novembro
Homem total
Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Setembro
Um tempo que se perdeu
Agosto
Império do Medo
Julho
Acenos de Esperança
Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
Maio
Poema Impossível
Março
Numa tarde de verão
Fevereiro
Caminhos de ontem
Janeiro
Muros de Argila

> 2009

Dezembro
Um Brinde Vida
Novembro
A vez da vida
Outubro
Gente brava
Setembro
Gente brava
Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
Julho
Camalees solta
Junho
Síndrome de papel carbono
Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800 | Whatsapp 61 995643484
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -