Boa tarde, sexta-Feira, 12 de Julho de 2024
Casa do Ceará

Imprima




Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília


::Odontoclínica
Untitled Document

Junho 2012

Atores de todos os tempos

Eterno círculo vicioso a história da humanidade. Através do tempo os fatos se repetem, iguais, apenas em cenários diferentes, e no drama, na comédia ou na tragédia, os personagens voltam infinitas vezes ao palco, mudando a indumentária, exibindo uma máscara mais colorida, menos tétrica, menos repugnante, mas, no fundo, repisando os mesmos temas, os mesmos gestos, reproduzindo as mesmas cenas.

O déspota, o tirano, o ditador é igual em todos os quadrantes, e sua distorção, seu impulso, sua ânsia por dominar, por oprimir, por subjugar, são idênticos em todas as épocas, nos tempos antigos e nos tempos modernos. Nero usava uma túnica, com sandálias nos pés desfilava nos palácios, enquanto Hitler, sempre de uniforme e com soturnas botas aparecia aos seus comandados, mas tanto um quanto o outro guardava nas entranhas terrível perversão e uma odiosa sede de destruição e morte.

O omisso, indiferente à conseqüência dos seus atos a tudo que não lhe diz respeito, desde que não afete a sua imagem, o seu cargo, a posição que ocupa, lava as mãos perante uma multidão, não se posiciona diante de terceiros. Cruza os braços e assiste a correnteza passar. Pilatos vive ainda hoje, multiplicou-se, e sobe à tribuna de terno e de gravata.

Transferindo, delegando a outros a decisão que não ousa tomar, ao acaso lança o bem que covardemente não se atreve a desfraldar, e empunhar, como uma bandeira a defender. Pusilânime, medroso, nunca se define, vivenciando uma permanente ambigüidade.

Sempre de espreita, preparando a hora, o lugar, o instante do assalto, o traidor vagueia desde o começo do mundo. De manso se acerca, e no momento exato escancara as fauces e investe, lobo feroz a aniquilar o inocente.

Caim matou Abel, e de sangue do irmão, tingiu o chão do mundo. Brutus apunhalou, pelas costas, Júlio César, em pleno senado, chefiando uma conspiração, e cortando os planos acalentados pelo estadista, hábil político e Imperador de Roma. De tocaia, nas sombras, como rato nos esgotos, o traidor não se mostra, nunca, à luz. Pérfido, se acerca sorrindo, mas nas mãos traz o punhal ou as moedas do perjúrio.

Na infindável procissão de personagens que no palco do mundo repetem gestos, atitudes, distanciados no tempo e no espaço, mas xerox vivos, vestidos de túnicas, de ternos, de tangas, de togas, de uniformes, seda, veludo ou algodão, um nome representa o grupo, Caim, Pilatos, Brutus, Judas. Mas para esse personagem vulgar, que como camaleão muda de cor, e se transforma, e toma a coloração do ambiente por que passa, e se anula e se aniquila, no intuito de favorecer a quem está na cúpula, sobressai e se destaca, confesso que não encontrei o seu representante! Contudo, sempre existiu, em todas as épocas, nos tempos antigos, nos castelos feudais, nos amplos salões, com mesuras, trejeitos, como uma sombra a acompanhar os grandes, os importantes. Como eco, infinitas vezes vai repetindo o sim ou o não, que não destoa, nunca, da voz de quem manda e ordena. Como calango em cima do muro velho, em meneios de cabeça, faz da vida uma afirmativa permanente, sem nunca protestar, discordar, contradizer.

É o sabujo. Faz da lisonja seu constante linguajar, e bajula, e adula, e incensa e descobre no Poder que o atrai e fascina, razão de sobra de mais incenso e mais bajulação. Ri, sem achar graça e sem estar alegre, afivelado ao rosto permanente ritus. E, acocorado, não assume, jamais, a postura vertical! Pode lamentar de ser esmagado, aquele que se faz verme da terra?

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

Setembro
Seca: a tragédia se repete
Agosto
Seca: a tragédia se repete
Julho
Gente brava
Junho
Dia da Alegria
Maio
Precioso bem
Abril
Aquele velho “OSCAR”
Maro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Fevereiro
Recado para quem sai
Janeiro
Rota para a vida

> 2013

Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
Outubro
O Gênio e o Homem
Agosto
O Gênio e o Homem
Julho
Um presente de vida a Mandela!
Junho
Dia da Alegria
Maio
Precioso bem
Abril
Aquele velho “OSCAR”
Maro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Fevereiro
Recado para quem sai
Janeiro
Rota para a vida

> 2012

Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
Novembro
As luzes estão acesas
Outubro
Amarga ironia
Setembro
O trono vazio
Agosto
A última trincheira
Julho
Parece que foi ontem...
Junho
Atores de todos os tempos
Maio
Seca: a tragédia se repete
Abril
Imaginação ou realidade?
Maro
Um Século de Sabedoria
Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

Novembro
Trilhas da vida
Setembro
Um mercenário a caminho
Agosto
Usar sem abusar
Julho
Como as aves do céu
Maio
Quem se lembra de Chernobil?
Junho
Sino, coração da aldeia...
Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
Abril
Bonn, Bonn
Fevereiro
Depois da festa...
Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
Novembro
Homem total
Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Setembro
Um tempo que se perdeu
Agosto
Império do Medo
Julho
Acenos de Esperança
Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
Maio
Poema Impossível
Março
Numa tarde de verão
Fevereiro
Caminhos de ontem
Janeiro
Muros de Argila

> 2009

Dezembro
Um Brinde Vida
Novembro
A vez da vida
Outubro
Gente brava
Setembro
Gente brava
Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
Julho
Camalees solta
Junho
Síndrome de papel carbono
Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800 | Whatsapp 61 995643484
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -