Bom dia, domingo, 21 de Julho de 2024
Casa do Ceará

Imprima




Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília


::Odontoclínica
Untitled Document

Agosto 2009

Império do Medo


Bem me lembro da porta sempre aberta, e to amplamente, que da entrada da casa j se via o corredor inteiro se estirando at chega quase no quintal! No havia a menor preocupao de um estranho se aventurar, e ir entrando, sem antes dar um sinal de chegada.Quando muito, apenas encostada, um pequeno ferrolho altura da janela, e facilmente se abria, por onde se passava o brao para puxar a tramela.

No havia campainha na porta para dar um toque, e ao estranho bastava bater palmas, gesto por demais comum, para ser prontamente atendido. O que era ntimo entrava sem cerimnia, e logo no primeiro degrau dava o seu familiar " de casa", em alto tom, avisando da chegada.

Bons tempos, aqueles, quando o medo no fazia a sua ronda, e tranqilamente, sem ter o ouvido em permanente alerta, se deixava apenas encostada, a porta, para o retardatrio! noite, somente uma luz acesa, no corredor, para evitar tropeos, e a casa inteira ressonava.

No se vivia em priso, grades por todos os lados, nem havia A necessidade de criar feras em casa, fila e pitbull, para enfrentar Bandidos. No fora instituda ainda a herica profisso de vigia, Revolver na cinta, e o risco de perder a vida a noite inteira!

Respeitava-se o alheio, e quando muito se ouvia falar no roubo de umas galinhas e de uns capotes no quintal, sumida, a roupa posta vspera no varal. Eram escancaradas portas e janelas, e em passando se aventurava o olho curioso da menina, a espiar o

Hoje, este pavor e esta neurose! Alm das grades pontiagudas Na frente, so as grades nas janelas, os cadeados, as tiagudas na frente, so as grades nas janelas, os cadeados, as trancas, o "olho mgico", o alarme tocando alto pela madrugada, as cercas eltricas. E, em permanente sobressalto se aguarda o marginal chegando, no farfalhar da folhagem no jardim, no latido persistente do cachorro, na ameaa de um telefonema annimo! Vivemos sob o imprio do medo, em pnico ao sair, ao deixar o apartamento ou a casa, vazios. Uma luz acesa, o rdio tocando, a televiso ligada, e se acalenta a iluso de enganar o malfeitor. Ao chegar, com mil olhos se observa atentamente salas e quartos, com medo que nos espreite o bandido, e nos pregue uma armadilha

Sentado no cho, ali na Ceilndia, sozinho, ele chorou seu infortnio.

Prometera mulher busc-la, assim que estivesse pronto o Barraco, para receb-la com os quatros filhos, vindo do Nordeste. As minguadas economias transformadas em tijolo, amianto, pedra, cal, fazendo planos se preparava, ansioso, para o propalado dia.. Ao voltar, depois de uma noite exaustiva no trabalho, sem pregar o olho, a desgraa lhe esperava no lote vazio, debandados os sonhos e os pertences. Pela madrugada encontrara novo rumo, nas mos dos ladres, o fogo, adquirido com tanta dificuldade. E mais as redes, as panelas, o lampio, Deus! Tudo o que comprara, juntando o salrio de meses! E ainda dois serrotes e uma martelo! Sua fortuna. Em vinte e quatro metros quadrados guardava a sua alegria, na expectativa da chegada da famlia, e se via, agora, dono apenas do cho, que nada lhe pouparam os bandidos, arrancando-lhe portas e janelas, e no vandalismo lhe levaram at o teto!

Ao relento, agora, chorava o tesouro perdido, a duras penas conseguido, e o seu sonho desfeito.Tudo carregaram, e por ironia, como testemunha, deixaram-lhe to s o cho de cimento que no puderam levar!

O barraco vizinho, ao lado, tudo ouvira.Transido de medo se aquietara, em pnico, que a sanha assassina poderia inclu-lo na pilhagem. Mas sem supor, jamais, que o barraco inteiro era levado s costas!

Medonhos tempos que trazem no rastro a lembrana dos Brbaros! Em sobressalto o rico e o pobre, a casa e o apartamento, a manso e o barraco. Penoso fardo carrega o homem do Terceiro Milnio, o desrespeito e a violncia aambarcando tudo! Depois de tanto avano e tecnologia, e tanta empfia, se dobrar ao imprio do medo!

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora, como um grito gigantesco de esperana .

 

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

Setembro
Seca: a tragédia se repete
Agosto
Seca: a tragédia se repete
Julho
Gente brava
Junho
Dia da Alegria
Maio
Precioso bem
Abril
Aquele velho “OSCAR”
Maro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Fevereiro
Recado para quem sai
Janeiro
Rota para a vida

> 2013

Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
Outubro
O Gênio e o Homem
Agosto
O Gênio e o Homem
Julho
Um presente de vida a Mandela!
Junho
Dia da Alegria
Maio
Precioso bem
Abril
Aquele velho “OSCAR”
Maro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Fevereiro
Recado para quem sai
Janeiro
Rota para a vida

> 2012

Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
Novembro
As luzes estão acesas
Outubro
Amarga ironia
Setembro
O trono vazio
Agosto
A última trincheira
Julho
Parece que foi ontem...
Junho
Atores de todos os tempos
Maio
Seca: a tragédia se repete
Abril
Imaginação ou realidade?
Maro
Um Século de Sabedoria
Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

Novembro
Trilhas da vida
Setembro
Um mercenário a caminho
Agosto
Usar sem abusar
Julho
Como as aves do céu
Maio
Quem se lembra de Chernobil?
Junho
Sino, coração da aldeia...
Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
Abril
Bonn, Bonn
Fevereiro
Depois da festa...
Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
Novembro
Homem total
Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
Setembro
Um tempo que se perdeu
Agosto
Império do Medo
Julho
Acenos de Esperança
Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
Maio
Poema Impossível
Março
Numa tarde de verão
Fevereiro
Caminhos de ontem
Janeiro
Muros de Argila

> 2009

Dezembro
Um Brinde Vida
Novembro
A vez da vida
Outubro
Gente brava
Setembro
Gente brava
Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
Julho
Camalees solta
Junho
Síndrome de papel carbono
Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800 | Whatsapp 61 995643484
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -