Boa madrugada, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Agosto 2013

Memórias de um quase médico

— O que você quer ser quando crescer? Antes que eu abrisse a boca, alguém se apressava com a resposta:

— Médico, não é, Edmilsinho?

Era, pelo menos assim me parecia. Até perceber, como filho mais velho, que deveria fazer o que não conseguira meu pai: menino pobre, a carreira militar lhe dera educação, casa, comida e roupa lavada em troca do curso de Medicina. Ao primogênito cabia, então, realizar o sonho paterno...

E para isso estudei: no Ginásio 7 de Setembro, do Dr. Edílson Brasil Soárez; e no Colégio Cearense, dos irmãos maristas, que entregavam os alunos do 3º científico aos melhores professores de Fortaleza, cujas mãos nos abriam, uma vez por ano, a porta estreita da universidade. Lembro-me de cor: eram, em 1970, 1 863 candidatos lutando pelas 160 vagas da tão custosa Medicina da UFC, disputa que fazia dos vencedores os autênticos campeões do vestibular.

Passei – e passei bem. Nas disciplinas do primeiro ano, o esforço e o empenho dos novatos: certo de que nascera para a profissão, destaquei-me na histologia, tanto que o Dr. Aprígio, o famoso “Carcará”, uma vez apontou-me como exemplo para os colegas de turma... Ensinando-nos a usar o microscópio e a reconhecer tecidos, os professores Hamílton dos Santos Monteiro, Gutencilda e Glaura Férrer, os primeiros a nos desvendar os segredos e mistérios do corpo humano. A eles se juntariam outros: os mestres Livino Pinheiro, com sua admirável cultura; Eílson Goes de Oliveira; Evandro Studart, competente e educado; Viliberto Porto; Elcias Camurça; Vicente Lemos; Geraldo Tomé; Ely Vieira, penteado e bem vestido como quem acaba de sair do banho; Fahad Otoch, sempre de vara em punho, a ministrar farmacologia com o vigor de um cruzado; Manassés Fonteles, de mangas curtas e gravata, segundo o modelo americano que adotara na volta ao Brasil... E homens que, de poucas letras, nem por isso eram menos doutos, como Seu Joaquim, cujos conhecimentos nos salvavam
nas gincanas de anatomia...

Do primeiro para o segundo ano, manifestou-se a dúvida: seria mesmo aquela a vocação a seguir? Gostasse verdadeiramente da medicina e não folhearia os compêndios de fisiologia pensando em Drummond, nem assistiria às aulas de patologia sonhando com Guimarães Rosa... Compreende-se, assim, por que o aluno Edmílson passou de excelente a bom, de bom a regular e de regular a péssimo. No terceiro ano já quase não frequentei a faculdade, até que resolvi deixá-la. Sequer tranquei matrícula: simplesmente abandonei-a. Gostaria
de saber o que consta na minha ficha: “desaparecido”, talvez, ou “sumiu sem deixar pistas”, quem sabe?...

Faça-se ideia de como repercutiu a atitude – a partir da decepção de meu pai, profundamente desapontado com o filho que renunciava à medicina para fazer... letras! “É doido esse cara! Como alguém troca a carreira de médico pela de professor?!” – foi o mínimo que disseram... Hoje, passados 40 anos, é cada vez maior a certeza de que agi corretamente. Mais do que optar por fazer ou não fazer medicina, a escolha, muito mais difícil e dramática, era entre ser um mau médico e não ser médico. Por simples questão de honestidade, resolvi não ser médico. Pelo que me devem ser eternamente gratos a medicina e os doentes que não me passaram pelas mãos...

(*)Edmilson Caminha (Fortaleza), Escritor, Consultor legislativo, membro da Academia Brasiliense de Letras

 

Untitled Document

Edmilson Caminha (Fortaleza), escritor


                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Setembro
A Grandeza e o Talento de Caio Porfírio Carneiro

> 2015

– Novembro
A noviça rebelde e o buraco do tuco

– Outubro
Carlos Zéfiro, meu parente

– Setembro
O Professor, Beethoven e o Ladrão

> 2014

– Agosto
Ubaldo, o Imortal de Bermudas

> 2013

– Dezembro
Dom Helder o Fertilizador de Desertos
– Outubro
A Senhora do não me deixes
– Agosto
Memórias de um quase médico
– Julho
Um trem de ferro, cheio de cristão
– Junho
Adeus às armas
– Maio
O talento e a grandeza de Leonardo Sampaio
– Abril
Com Raposão, perdidos em Jerusalém
– Março
A eterna praga dos erros de revisão

> 2012

– Dezembro
O Rei Luiz e o Jovem Carrapicho
– Outubro
Lustosa foi pra Sobral
– Agosto
Hábitos antigos
– Fevereiro
Aloysio Campos, da paz e do bem

> 2011

– Novembro
Manezinho do Bispo, doidinho de Deus
– Agosto
Olavo Pimenta e a Boina de Fidel
– Março
Também do Quixadá, e bom como Rachel de Queiroz



:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -