Boa madrugada, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Outubro 2013

A Senhora do não me deixes

“Pouco sei falar em coisas delicadas, em coisas amáveis.Sou uma mulher rústica, muito pegada à terra, muitoperto dos bichos, dos negros, dos caboclos, das coisaselementares do chão e do céu.” Assim apresentava-seem 1945, aos leitores da revista O Cruzeiro, Rachel deQueiroz, que por 30 anos assinaria a “Última Página”, comum público tão fiel que muitos só começavam a folheara publicação de trás para frente, para começar por ela...

Romancista famosa, aos 19 anos escrevera O Quinze,em que conta a tragédia de uma das piores secas havidasno Ceará. O romance é de tal maneira vigoroso queGraciliano Ramos admitiria, mais tarde, que o nome daautora lhe parecera um pseudônimo – não de mulher,mas de homem, tal a dureza humana e a experiência devida com que a obra impressiona quem a lê. Para algunscearenses, o verdadeiro autor era o pai da mocinha, Danielde Queiroz, juiz de direito e homem de cultura. Otempo cuidou de desfazer os equívocos, com os romancese crônicas que a confirmaram como uma das maioresexpressões da literatura brasileira contemporânea.

Família de grandes proprietários de terra, os Queirozeram donos de várias fazendas nos sertões de Quixadá,a 180 quilômetros de Fortaleza. À escritora caberia, porherança paterna, o quinhão denominado Não Me Deixes,que assume com o marido Oyama. Foi lá que AnaMaria e eu estivemos com ela em 1986, na prazerosacompanhia dos compadres Maria Lima (Lula, como osamigos a chamamos) e Olavo Colares.

No alpendre da casa de pouco luxo, fomos recebidospor uma acolhedora e risonha fazendeira, tão singelamentevestida quanto as mulheres que a ajudavam nacozinha. Lá, gostava de passar com o marido a primeirametade do ano (“inverno”, para o sertanejo, quandochove na região), entre caminhadas pelos arredores econversas com os moradores.

Quando lhe pergunto sobre a adaptação que a TVGlobo fizera do romance As Três Marias, em 1980,declara que sinceramente não gostou:

— Eles transformaram o livro em uma novela policial,com um caso de antissemitismo que não há naminha história! Isso me constrangeu bastante, pois tenhomuitos amigos judeus e sempre me relacionei bem como Estado de Israel. Pensei em entrar na justiça contra aGlobo, mas teria de depositar em juízo o que eles mepagaram. E eu já havia gastado tudo, com o tratamentomédico do Oyama.

No dia 4 de novembro de 2003 – exatamente 26 anosdepois de empossada na Academia Brasileira de Letras,e a duas semanas do aniversário de 93 anos –, Rachel deQueiroz foi encontrada morta no apartamento em quevivia no bairro carioca do Leblon, após sofrer um infartodurante o sono. Embora vítima de derrame em 1999, ede uma isquemia no ano seguinte, até sete meses antesde morrer ditava para a irmã, Maria Luíza, as crônicaspublicadas semanalmente pelos jornais O Estado de S.Paulo e O Povo, de Fortaleza.

Essa, a conterrânea ilustre que nos recebeu tão cordialmentena Fazenda Não Me Deixes, a Velha Senhoraque se dizia “melhor cozinheira do que escritora”. Amulher simples, a sertaneja autêntica, para quem, maisdo que a glória acadêmica ou a consagração literária,fazer a sesta em um alpendre, balançar-se em uma redee repousar os olhos em um açude eram, como escreveuem uma bela crônica, a expressão maior da felicidadehumana.

(*)Edmilson Caminha (Fortaleza), Escritor, Consultor legislativo, membro da Academia Brasiliense de Letras

 

Untitled Document

Edmilson Caminha (Fortaleza), escritor


                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Setembro
A Grandeza e o Talento de Caio Porfírio Carneiro

> 2015

– Novembro
A noviça rebelde e o buraco do tuco

– Outubro
Carlos Zéfiro, meu parente

– Setembro
O Professor, Beethoven e o Ladrão

> 2014

– Agosto
Ubaldo, o Imortal de Bermudas

> 2013

– Dezembro
Dom Helder o Fertilizador de Desertos
– Outubro
A Senhora do não me deixes
– Agosto
Memórias de um quase médico
– Julho
Um trem de ferro, cheio de cristão
– Junho
Adeus às armas
– Maio
O talento e a grandeza de Leonardo Sampaio
– Abril
Com Raposão, perdidos em Jerusalém
– Março
A eterna praga dos erros de revisão

> 2012

– Dezembro
O Rei Luiz e o Jovem Carrapicho
– Outubro
Lustosa foi pra Sobral
– Agosto
Hábitos antigos
– Fevereiro
Aloysio Campos, da paz e do bem

> 2011

– Novembro
Manezinho do Bispo, doidinho de Deus
– Agosto
Olavo Pimenta e a Boina de Fidel
– Março
Também do Quixadá, e bom como Rachel de Queiroz



:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -