Boa madrugada, domingo, 17 de Dezembro de 2017
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras








































:: Jornal Ceará em Brasília

Untitled Document

Outubro 2017

Camaleões à solta

Eles não gozam da simpatia do Homem. Feios, repelentes pele rugosa mas ocupam destaque especial no folclore e na crença dos povos primitivos. Segundo os Cafres habitantes da Cafrária, antigo nome de uma região da África do Sul, o deus Supremo, Unculumculum, mandou aos homens uma mensagem: - “Não Morrerás” desgraçadamente confiou-a a um lagarto. Tanto o camaleão demorou no caminho, tanto se atrasou em entregá-la, chegou tarde demais, e foram os homens condenados a morrer. Conta-se que, famoso Rei foi punido, condenado a viver muitos anos na forma de um Camaleão. E o deus da riqueza precisando fugir, tomou também o aspecto do repugnante lagarto numa prova de que desde os velhos tempos corre a fama do camaleão de ser astuto, dissimulado, hábil em manter as falsas aparências.

Por sua peculiaridade de ficar muito tempo na imobilidade, e sem se alimentar, se espalhou a noticia de que o camaleão se alimentava de raios solares. Mais um ardil para justificar a sua ociosidade, o tempo de letargia no inverno e no verão, se escondendo sob a vegetação.

A característica notável do camaleão é sua língua clavifor- me, em forma de Clava, mais grossa em uma das extremidades, coberta de secreção viscosa e elástica que se distende e pode se lançar a uma distancia igual ao comprimento do corpo, usando-a como uma arma, lançando-a longe para abater o possível incauto. Com os grandes olhos estufados, engana o adversário com a ca- pacidade de tudo perceber. É que um olho pode estar numa certa direção enquanto o outro se volta no sentido oposto! Artimanhas de um grande dissimulador. Com a extrema facilidade de mudar de cor, copiando o colorido do que lhe está mais próximo, um tronco um arbusto, a folhagem, a vegetação.

De dia o camaleão toma emprestadas as variedades do verde, se mimetizando quando a luz incide diretamente na vegetação. De noite, mentiroso e hipócrita troca a vestimenta conforme o lugar por onde passa. E toma a coloração parda, negra ou bran- ca, amarela, comprovando a sua habilidade em se fantasiar.  E copiando, imitando, fingindo, falseando, vai tomando a cor de uns, de outros, o matiz, o reflexo, se associando ao que toca, tentando se igualar. E com tal aptidão, que ninguém lhe descobre a farsa, o embuste, a vilania.

Mas o camaleão não muda a cor da pele tão-só sob a influ - ência dos agentes externos, sombra, luz, frio, calor. Excitado, sob a ação do medo ou da raiva, sob qualquer emoção muda de cor o embusteiro, e sai alardeando nos bosques, na floresta, a beleza que não tem,  o colorido usurpado que a sua pele rugosa jamais ganhou da natureza mãe.

Ah! A paisagem política... Ah! O colorido da televisão, o alarido do rádio, o barulho e a vibração nas praças públicas... Essas carreatas coleando pelas ruas e avenidas como se houvesse uma permanente festa! Tremulando as bandeiras coloridas, ten- tando angariar a simpatia de muitos... Ah! Esse riso afivelado ao rosto, quase um Ricto, esses gestos largos, essas palavras cheias de arroubo! Esses braços erguidos numa sucessão de gestos tresloucados, esses rostos vermelhos, cheios de verdade, essas frases pomposas, enraivecidas!

Essa interminável ladainha de soluções de concessões, essa facilidade de tudo resolver e de a todos a satisfazer! Esse profundo conhecimento dos problemas, a carestia, a fome, a infância abandonada, as escolas fechadas...

Esse protesto irado, gritado, gesticulado, essas bandeiras coloridas contra as desigualdades, contra a miséria, contra o desemprego, contra a falta de oportunidade, distribuindo com igualdade os direitos...

Ah! A Língua distendida a distancias imensas,  querendo ganhar, o incauto, o eleitor, o ingênuo, o desprevenido, sua presa desavisada!

Cuidado!

Ah! Que se cuide o povo!

E Vigie, e fique alerta! Andam à solta os Camaleões!

(*) Regina Stela (Fortaleza) jornalista e escritora.

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -