Boa madrugada, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Dezembro 2009

Nos limites de um presente,um presente sem limites


Na antiga casa, mesmo sem lareira e sem chaminé, mesmo sem neve caindo e sem trenó nas ruas tilintando os sinos, como se via na "Folhinha", quando entrava dezembro se punha , em alvoroço, a criançada, com a proximidade do Natal e a chegada do Papai Noel.

No árido Nordeste, luminoso, ensolarado, havia contudo, uma mágoa, um dorido ressentimento no coração da menina, pela paisagem branca que não tinha, cobertos de flocos de neve os pinheiros, e não era aquele, por certo, o caminho que o velhinho de barbas b ranças gostaria de trilhar, quando viesse na esperada noite!

Contudo, ele viria distribuindo presentes, por mais pesado fosse o saco de brinquedos, e por mais cansado estivesse, depois de uma volta inteira percorrendo o mundo.

Diziam ser bondoso e amigo o Papai Noel , premiando as crianças, mas dessa bondade, ela não ousava confessar, provas verdadeiras nunca dera, pois tão rápido passava e sempre tão atrasado na tarefa,que nunca podia deixar , no seu sapatinho, aquilo que pedira e com tanta ansiedade esperara o ano inteiro !

No santuário da avó, era ali, que uma a uma as cartas eram postas, oito, letrinha miúda, trêmula, numa folha de caderno, levando nos garranchos o anseio, o sonho, o coração palpitando.Aquele correio mágico, fascinante, guardava o desejo mais secreto. Aquele que o Papai Noel apanharia certo dia, de surpresa, e levaria nas azas do vento. Retornaria depois, na noite de festa, e quem sabe, podia até ser, que dessa vez trouxesse o presente sonhado, escrito com a mãozinha tremendo, arfando de emoção o pequenino coração.

No longo corredor da casa antiga se enfileiravam, na véspera, os sapatinhos, aos pares, distantes uns dos outros, para que não houvesse engano por parte do Velhinho, pois, cansado, tão longa a caminhada, poderia trocar, e dar a um, o presente alheio! Dali, a cama era o endereço certo, na vontade de encurtar a noite, tamanha era a ansiedade.

No dia seguinte, na esperada manhã, toda vez era sempre o mesmo desengano, o gosto amargo e a boca seca, da decepção que eu não ousava contar a ninguem! Desencantada, num certo natal, desisti de vez, e nunca mais pedi. Nunca mais.

O mano, contudo, vizinho de idade, mais inteligente, com Papai Noel adotou uma tática diferente na arte de pedir.Sómente muito mais tarde, anos depois, me deu a conhecer.

Assim a carta que escreveu naquele ano : " Meu querido Papai Noel.Eu quero neste natal uma bicicleta.Mas se for muito difícil, eu fico contente se você me der um par de patins. Mas se for difícil, eu fico contente com um patinete.Se você estiver cansado , eu fico contente com uma pipa. Se for difícil, traga papel de seda, que eu mesmo faço a pipa. Um beijo do amigo..."

Psiquiatra inteligente, brilhante, nem sabe a profunda lição que me deixou, ao me contar a sua história linda.Agora que se foi, de vez, não voltará, e dezembro vai entrando, com a expectativa do Natal, ofereço-lhe estas reminiscências doces.Quem sabe, onde estiver, pode até se lembrar...

Juro que não irei , nestas festas , copiar a sua tática, na artimanha de escrever ao carismático velhinho. Ao contrário, vou riscar de uma longa lista, tudo o que poderia dar sentido à efêmera ilusão de uma dádiva.

Apenas começar tal como ele: " Meu querido Papai Noel. Eu não quero um carro neste Natal. Nem também um apartamento.Tambem não quero aquela linda viagem.. Nem aquela preciosa jóia. Nem um cruzeiro pelas ilhas gregas.Não me traga a "sena". Nem aquela televisão imensa que toma quase a metade da sala.Não quero absolutamente nada.Deixe-me com o que tenho.

Basta-me a vida, para continuar o meu caminho, com aqueles que elegi os mais queridos do mundo. Sua Regina Stella.

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora.

 

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -