Boa tarde, domingo, 15 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Novembro 2013

Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...

Chegamos ao fim de mais uma etapa desta jornada que nosfoi dado palmilhar, não por merecimento, pobres de nós, limitadose falhos, mas por um privilégio cuja razão desconhecemos.

Muitos contavam, como certo, romper a alvorada desteAno-Menino, brindar com os mais queridos o início do novotrajeto. No entanto, apanhados de surpresa, nem sequer tiveramtempo de contabilizar os sonhos e projetos, interrompidos peremptoriamente,que não lhes restou a possibilidade de apelar,e recorrendo, expor as razões de permanecer neste PlanetaAzul onde um dia chegaram, como nós, imbuídos do desejode felicidade e de encher as mãos de farta colheita.

Quanto a nós, por determinação, por acaso, que sabemosdestas questões transcendentes, ainda ficamos, e nos despedimosdo Ano – Velho com os olhos marejados, tanta aemoção, pelos momentos marcantes, e pela expectativa dosnovos tempos a caminho. Talvez aí o motivo de, nos primeirosinstantes do Ano Novo se chorar e rir, se brindar entre abraçose beijos, ninguém sabe ao certo, e nem confessa, o encontroou a despedida.

Para ajustar as conveniências do homem aos fenômenosnaturais, facilitar-lhe o quotidiano e o relacionamento, puraconvenção, foi criado o calendário. Levando em conta avelha obsessão da Terra de girar em volta do Astro-rei, o anoganhou 365 dias. Nessa interminável ciranda, rodopiando emtorno de si mesma, e se mostrando inteira ao sol, se alternamos dias e as noites, um dia de vinte e quatro horas. Iluminada,colorida, se expõe a Terra aos olhos dos mortais, da alvoradaao entardecer, para entrar depois, lentamente, na penumbra eno anoitecer, num jogo de sombra e luz que exalta o homeme inspira os poetas a cantar e dizer versos.

Houve uma época em que se compunha de dez meses ocalendário, e o ano começava em março, início da primavera.Acrescentaram-lhe janeiro e fevereiro.

E hoje, é assim a Trova do tempo:

“Trinta dias tem Setembro,

Abril, junho, novembro,

Vinte e oito só tem um,

Os outros têm trinta e um”

Indivisível o tempo, contudo parcelado por mera convenção,mudaram os meses, se alargaram os anos, as medidas submetidasà vontade dos que tinham o poder de ordenar. Mas a vidapermanece igual, fugaz, transitória.

Ilimitado o tempo, sem fronteiras, contudo para o homem,relativo, é ele feito de passado, de presente e de futuro. Debruça-se no passado, entedia-se no presente e projeta-se no futuro,invertendo a ordem dos valores! O passado não existe, é tempoque se perdeu!Vivo, tão só na memória e no pensamento.Ninguém sabe aonde se aquietou e em que lugar o ontem seescondeu. O futuro também não existe, é tempo ainda por vir,e ninguém sabe onde está, e nem tão pouco se virá! Resta-nosapenas o presente, real, em cada dia, em cada hora, a cadainstante. No presente você ama, você sofre, você realiza. ´Eeste instante, fugaz e transitório, o seu tempo, o meu tempo,que se escoa, que flui, e, acelerado, parte.É neste já, e nesteagora que borbulha a vida, que você pode colher a flor, que euposso cantar meu verso!

No começo deste novo caminho, de emoção e expectativa,façamos um trato, eu e você. Pelo privilégio do instante, aoPresente, todo o empenho, o melhor de nós, sem esperar pelodepois. Colhamos agora, desde já, colhamos as rosas da vida.

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -