Boa madrugada, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Fevereiro 2013

Recado para quem sai

Antes que tudo a minha solidariedade, porque sei que não vai ser fácil trilhar novo caminho, começar tudo outra vez, noutro lugar.

O hábito é uma segunda natureza, se entranha, se insere com tal força e intensidade que já não se sabe, exatamente, onde se manifesta o hábito ou a própria natureza. Uma cousa ou outra, mas urge mudar porque já não lhe pertence a primeira palavra e nem a última. Já não lhe compete ordenar, congregar, liderar.Quem desce, inevitavelmente tem que se render à evidência de que o poder não lhe concerne.

Tantos anos no mando, centro e figura de destaque, as alas se abriam ao passar e os sorrisos se afivelavam ao rosto, impreterivelmente Por força da repetição, foram tomados como obrigação à sua pessoa, a aquiescência, as alas, os sorrisos, e você não percebeu, a tempo, que se endereçavam ao cargo, à função, à importância da posição que ora ocupava. E agora?

Imbuído do mérito do trabalho a realizar, tantos à sua volta para obedecer, cumprir ordens, prestar-lhe contas,subiu-lhe à cabeça a importância, e ser e estar passaram a sinônimos.Vai ser penoso aprender o verdadeiro sentido das palavras

Doloroso descer para a planície. De cima, a paisagem apresenta forma e cores bem diversas. E, sem se dar conta, os que estão no alto se apropriam das questões e dos problemas do cargo, como se fossem pessoais. E, perdido o poder, não é simples ceder a terceiros uma solução para a qual se julgava o único detentor. Uma compulsão quase irresistível surgirá, de opinar, de interferir, de participar. Inutilmente, sua vez de agir já se perdeu no tempo. Passou,

É forçoso, naquele exato instante, uma certa humildade para reconhecer que outros, agora no comando, têm também talento e inteligência, capacidade e aptidão, novas concepções, diferentes idéias, dominam, sem a sua interferência, o questionamento que você, talvez, presunçosamente, julgava ser o mais capaz e o mais entendido.em solucionar

Nesta nossa cidade de poder e transição, procissão de alternâncias, onde a vida toma forma de gangorra, já vi muita gente chorar! Convenhamos,ninguem pode ficar indefinidamente na parte de cima! Um sobe e o outro desce, lei da vida.

Agora, preciso lhe confiar um segredo: o poder magnetiza e atrai, mascára muitos à sua volta, De agora em diante eles vão se revelar, Prepare-se, para não ficar pálido de espanto.A amizade nãoé bem que se adquire à custa de cargo e de importância, mas de confiança e de admiração.Talvez você não tenha sabido distinguir os amigos pessoais e os amigos do cargo. Às vezes se torna difícil constatar a diferença...

Vai acontecer uma mudança radical. Nem mais louvores, nem mais aplausos, e o que é mais penoso, com quem você contava, talvez não conte mais... A máscara vai cair. A roda habitual, pouco a pouco vai se desfazer. Ninguém para contar o fato inédito e pitoresco, e a assiduidade vai terminar. Inapelavelmente.. Estarão atarefados, de tal modo, que não lhes sobra tempo para a conversa e o cafezinho... Nem mesmo para um telefonema. E não se surpreenda se lhe virarem o rosto como se nunca o tivessem conhecido! Como se nunca tivesse sido feito o obséquio, atendida a solicitação! A incoerência é própria do homem, e paradoxalmente, muitos se sentem ofendidos por lhe dever um favor! Espicaça-lhes o orgulho, e prefereriam que a dívida fosse esquecida A ingratidão vai doer, a constatação de que não havia amizade mas simples interesse. Vai lhe provar, agora na planície, quão vulnerável e frágil é o ser humano.

Entre a multidão, e no anonimato, vai se aquietar a vaidade, e você vai aprender que é importante também ser simplesmente alguém.

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -