Bom dia, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Arbil 2012

Imaginação ou realidade?

Ela se acercou, linda e loura, nos seus dezoito anos, com um livro à mão, e me pediu que escrevesse, nele, algumas frases, alguns versos, sobre a vida, sobre o mundo, quem sabe sobre ela, algumas palavras em forma de mensagem, um recado meu só para ela.

A dúvida me assaltou, de cheio, questionando o que poderia ser dito, ali, no livro de pensamentos, que a satisfizesse, e que não fosse piegas e nem estivesse em desuso. Numa época em que ‘‘se’’ participa de todo projeto de vida ou de bem, admitindo-se sempre a possibilidade de derrota e propondo-se uma fuga como alternativa ao ideal, ao amor, a quem se elegeu o mais querido, era uma responsabilidade lançar uma mensagem. ‘‘Se eu não passar no vestibular eu...” ‘‘se o casamento não der certo eu...’’ ‘‘se compõe uma procissão de possíveis fracassos, onde se admite perder, deixar-se enganar, não atingir a meta apesar da auto suficiência e de todo ceticismo.

Há alguns anos, eu não me surpreenderia com um pedido igual, tão comuns eram os diários, os álbuns guardados em segredo, onde manchada a tinta borrada a letra, a página traía a dona dos protestos de amor, numa evidente demonstração da emoção que não conseguira reter, e rolar em lágrimas pelo rostinho doce. E as flores murchas, ressequidas entre as folhas do livro eram mais versos que se negara a escrever, por medo de ser o segredo descoberto.

Decidi adiar para um outro dia a mensagem à universitária, decidida e moderna, que falava, desenvolta, de Piaget, apregoava melhor distribuição de renda e pleiteava terra para os índios, revoltada com a injustiça. Aceitou as desculpas que lhe dei, e, sem perda de tempo, pediu a uma senhora idosa que estava ao meu lado, que levasse seu livro e escrevesse uma frase, um pensamento.

Passado um tempo, eu já nem me lembrava, e outra vez ela chegou, de livro à mão, cobrando-me a promessa. E então, indaguei, o que lhe escreveu a experiência? convencida de que superados os velhos conceitos e tabus, ela tivesse apenas aceito, e com condescendência, a mensagem da senhora.

- Ah! É o que há de mais lindo no meu livro, o que eu precisava ter para guardar.

Comecei a folhear, curiosa, e lá estavam as frases, em caligrafia legível, um pouco trêmula, que tanto apaixonaram a menina! Que mensagem, pensei, podem ter oitenta anos, para alcançar uma universitária hoje?

Com a alma tão cedo calejada, das notícias dos meios de comunicação, das lições que a televisão há tanto lhe transmite, propalando a violência, o desamor, a traição, a infidelidade, que palavras terá dito para encontrar guarida no coração da jovem moderna, sem meias palavras, autêntica e sem subterfúgios?

Eram simples, quase uma fórmula de como ser feliz, numa linguagem coloquial e amiga. Uma definição interior perante a vida, firme e decidida, coerente e equilibrada, propondo usar com sabedoria os dons e os próprios talentos. E começava assim: “sê bom, sê justo, pratica o bem com altivez e desinteressadamente...”. E retratava, em poucas linhas, um Homem, na exata medida da palavra.

A surpresa vinha no fim. Ao concluir, para explicar aquilo que escrevera, ela contava que aos dezoito anos, também jovem e linda, pedira ao avô que lhe escrevesse alguma coisa no seu livro de lembranças. E ele lhe dera aquelas mesmas frases, “ama, ama com sinceridade; crê no amor e na amizade” que agora transcrevia, aos oitenta anos, copiando do seu livro de páginas amarelecidas e desbotadas pelo tempo. Levara

adiante o que lhe causara, há muitos anos, enlevo e exaltação. Fiquei refletindo, e questionando a integridade do homem que, distan¬ciado no tempo, mudados os conceitos, mudados os costumes, a mesma mensagem recebe acolhida, e tem guarida tantas gerações depois!

Recebera a universitária, nos sábios ensinamentos, uma preciosa herança. No seu coração, gravadas, as palavras do seu tataravô...

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -