Boa tarde, sexta-Feira, 22 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Fevereiro 2010

Depois da festa...


Agora que terminou a festa, e pelas ruas ainda perambulam os retardatários, remanescentes dos tres dias de folia, os vestígios de ontem, as serpentinas amarfanhadas, os confetes ainda esvoaçando, os gigantescos pandeiros, agora mudos, que enfeitavam as avenidas, hoje  sem expressão e nenhuma valia, retratam com extrema fidelidade a ilusão de que é feito o carnaval.

Pelas ruas, agora silenciosas, caminham os fantasmas de todos os pierrôs que a obstinada paixão canta à colombina de todos os tempos a sua eterna ilusão, hoje transformada em pranto. Marcham solenes, convencidos da mentira que foi o riso, o brilho, e quão falsos os guizos, e vã , a alegria!.Silenciosa e plena  de tristeza a praça, e as avenidas são simples cenários, destituídas da pompa de ontem, onde se brincou de “faz de conta”, e cada um se vestiu de pajem, de princesa, de arlequim, acalentando um sonho. A quarta feira chegou com gosto de cinza, se vestiu de tédio e desencanto, e com desdém ignorou os últimos roncos da cuíca. Passado, o Carnaval.

Agora que tudo acabou, e que o velho travesseiro é o mais secreto confidente, para ouvir mágoas e lamentações, haveria necessidade de tanto brilho para o palhaço dançar? Tão pouco exige o palhaço, artista de circo, para com trejeitos e muncangos, pilhérias e caretas divertir o público! Uma calça larga, um antigo suspensório, um sapato de metro, uma careca, e mais que tudo, uma boca escancarada, imensa, para rir e gargalhar, da tristeza, do medo, da dor.Que é esta a função do palhaço, rir e fazer rir, de noite, de dia, a qualquer hora, com vontade, sem vontade, com dor de cotovelo, com raiva, com ódio, tomado de desencanto, pleno de amargura! Basta-lhe um picadeiro.

Indiferente à suave equilibrista que se mantem no arame, hesitante, segurando a sombrinha de renda, e na ponta dos pés, em delicados meneios percorre o fio, sua vida, seu ganha-pão, o palhaço tem que gargalhar, e distrair e atenuar a tensão. E mesmo que no alto, no trapézio, em risco a vida, o artista se lance no ar, se jogue no espaço, e o perigo o cerque e espreite a vida, o palhaço tem que correr, desvairado, a rir, a trejeitar! Sem querer, sem poder, tem que gargalhar!

No Carnaval, nos tres dias de folia, eu vi, tristemente, num gigantesco picadeiro, em profusão, centenas,  milhares de palhaços! Contorciam-se em pulos e requebros, em voltas e cirandas, cercados de brilho, cercadas de lantejoulas a fantasia! E se desdobravam em risos, e cantos, e afivelada ao rosto uma máscara feita de mentira. E a platéia aplaudia.

Por trás de todo aparato, contudo, escondida, a necessidade premente Nos estertores da dança, o desencanto, o tédio, a carência gritante. No rodopio frenético, a certeza de que nos dias vindouros, no apagar das luzes, a realidade vai se apresentar, nua e patética. A falta de oportunidade, a falta de emprego, a remuneração que não chega. O dinheiro minguado, o filho sem escola, o aluguel em atrazo E, novamente, a procissão do desespero, tudo igual, outra vez!

Palhaço na dor, na falta de fé, palhaço no picadeiro. Na orgia de mentir, na obrigação de enganar, na tortura de iludir! Palhaços, tristemente, tentando se mascarar na fantasia, vestidos de rei, de menestrel, de pirata e cinderela, embrulhados em ouro, em plumas seguiam em penoso cortejo, enquanto aos ouvidos  me chegavam os acordes do compositor: “ pede a banda / pra tocar/ um dobrado/pede a banda/ pra tocar/ no picadeiro’’ ..

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora.

 

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -