Boa noite, domingo, 17 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Março 2013

Estórias de sertão, estórias de cangaço

Com o olhar perdido, evocando reminiscências, ela contava, sob o olhar fascinado dos netos, que era tempo de férias quando se juntaram no pátio da Casa Grande mais de vinte cavaleiros, rapazes e moças, para uma viagem de léguas. Grande o alvoroço nos preparativos da aventura, com ansiedade aguardavam o instante da partida, inseguros os iniciantes na arte de cavalgar, a pedir explicações aos veteranos, habituados nas andanças pelas poeirentas estradas do Nordeste. Aos mais tensos e medrosos foram designados os animais mais lentos e mansos, enquanto os mais excitados e ariscos foram dados aos cavaleiros acostumados a longas galopadas. Treinados uns, desajeitados outros, foram um a um montando o seu cavalo, e ela ficou de fora, desapontada! Faltava um animal, e ela, tristemente, já se preparava para assistir a debandada festiva, quando um amigo da família, em visita, ofereceu-lhe belo animal, com uma condição. Tinha que montar muito bem. O animal, arisco em demasia, ele dizia, era um puro sangue, acostumado a disputar nas pistas os primeiros lugares! Não poderia o cavaleiro, em passeio, dar tréguas no manejo das rédeas.Firmeza no pulso, segurando-as sem favorecer o animal, não deixando-o avançar, livremente. Convencida de que cavalgava com mestria, era a melhor de todos, não hesitou, rapidamente se sentou à sela e pôs-se a caminho, se juntando aos demais. Boa amazona, habituada a montar, logo esqueceu das recomendações, afrouxou as rédeas, deixou o animal um pouco mais solto, e de leve no galope. Foi quando dois lhe passaram à frente, e mais velozes, se distanciaram. Num segundo, sem que pudesse conter as rédeas e puxar o freio, ela se viu à mercê do animal, em desabalada carreira ultrapassando os outros, e galopando a toda, sem parar! Tomara o freio nos dentes! Costume dos velhos tempos, montada de lado, tentou a custo se manter no silhão, sentindo que já não tinha o comando e nem dominava o animal. Julgou-se perdida, deixando para trás, amigos, árvores, cercas, estrada!

De repente irrompe, nem sabe de onde, um vulto, e ela vê que do alto da ribanceira, num salto se joga à frente, tentando segurar as rédeas e o freio do animal que recua, corcoveia e empina! A custo, vencido e dominado!

Trêmula, quase sem poder falar, ela vê, se refazendo do susto, que ele traz à altura do peito, do pescoço à cintura, larga cartucheira, e pelo aspecto reconhece, de imediato, o famoso personagem pertencente ao bando do Lampião! Em visita aos parentes, andava pelas redondezas da Serra de Guaramiranga! Não podia, ali, deixar transparecer o seu pavor, e desejo de fugir! Restava-lhe disfarçar o medo e esperar pelos outros. Demora de uma eternidade, tanta a agonia.

Grande foi o constrangimento do dono das terras, chamado para atender a emergência, ao reconhecer no cangaceiro, filho do seu caseiro, o salvador da sobrinha mais querida. Um agradecimento formal foi – lhe feito, com promessa de gratificação, que ele, cheio de brio, recusou. E a viagem prosseguiu, plena de excitação, e sem mais sobressaltos, que já bastava a intervenção de um homem do cangaço.

De certo modo, verdade, devo-lhe muito. Salvou a vida de minha mãe, ainda adolescente. E, certamente, favoreceu também a minha vida. Mas, longe a idéia de lhe levantar em praça pública uma estátua, como pretenderam, há tempos, os moradores de Serra Talhada, pequeno município onde nasceu Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião! Em sua homenagem pretendiam alguns erguer uma estátua de quarenta metros, sob o pretexto de que Lampião é história e cultura, e merece homenagens, além de levar turistas e visitantes à cidade.Protestando, o prefeito alardeava a sua pretensão de investir em áreas mais prioritárias, educação, saneamento, sob o aplauso dos mais jovens que divulgavam as perversidades do Lampião e seus asseclas. Divididas as opiniões em Serra Talhada, a alguns quilômetros do Recife, o cangaceiro foi figura de destaque, polêmica cerrada entre a população. Das divergências, quem ganhou quem perdeu, nada sei.

Houve um tempo em que as homenagens eram feitas aos heróis, aos cientistas, aos poetas, homens que acrescentavam ao mundo com o seu talento e a sua capacidade, abnegação e desprendimento. Nos tempos que correm, numa cidade do interior se faz um plebiscito para se aprovar a construção de uma estátua a um cangaceiro, bandoleiro do sertão que passava incendiando, pilhando, destroçando fazendas, plantações, suscitando pavor! Uma estátua a um homem do cangaço!

Triste sinal dos tempos!

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -