Boa madrugada, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Agosto 2009

Império do Medo


Bem me lembro da porta sempre aberta, e tão amplamente, que da entrada da casa já se via o corredor inteiro se estirando até chega quase no quintal! Não havia a menor preocupação de um estranho se aventurar, e ir entrando, sem antes dar um sinal de chegada.Quando muito, apenas encostada, um pequeno ferrolho à altura da janela, e facilmente se abria, por onde se passava o braço para puxar a tramela.

Não havia campainha na porta para dar um toque, e ao estranho bastava bater palmas, gesto por demais comum, para ser prontamente atendido. O que era íntimo entrava sem cerimônia, e logo no primeiro degrau dava o seu familiar "ô de casa", em alto tom, avisando da chegada.

Bons tempos, aqueles, quando o medo não fazia a sua ronda, e tranqüilamente, sem ter o ouvido em permanente alerta, se deixava apenas encostada, a porta, para o retardatário! À noite, somente uma luz acesa, no corredor, para evitar tropeços, e a casa inteira ressonava.

Não se vivia em prisão, grades por todos os lados, nem havia A necessidade de criar feras em casa, fila e pitbull, para enfrentar Bandidos. Não fora instituída ainda a heróica profissão de vigia, Revolver na cinta, e o risco de perder a vida a noite inteira!

Respeitava-se o alheio, e quando muito se ouvia falar no roubo de umas galinhas e de uns capotes no quintal, sumida, a roupa posta à véspera no varal. Eram escancaradas portas e janelas, e em passando se aventurava o olho curioso da menina, a espiar o

Hoje, é este pavor e esta neurose! Além das grades pontiagudas Na frente, são as grades nas janelas, os cadeados, as tiagudas na frente, são as grades nas janelas, os cadeados, as trancas, o "olho mágico", o alarme tocando alto pela madrugada, as cercas elétricas. E, em permanente sobressalto se aguarda o marginal chegando, no farfalhar da folhagem no jardim, no latido persistente do cachorro, na ameaça de um telefonema anônimo! Vivemos sob o império do medo, em pânico ao sair, ao deixar o apartamento ou a casa, vazios. Uma luz acesa, o rádio tocando, a televisão ligada, e se acalenta a ilusão de enganar o malfeitor. Ao chegar, com mil olhos se observa atentamente salas e quartos, com medo que nos espreite o bandido, e nos pregue uma armadilha

Sentado no chão, ali na Ceilândia, sozinho, ele chorou seu infortúnio.

Prometera à mulher buscá-la, assim que estivesse pronto o Barraco, para recebê-la com os quatros filhos, vindo do Nordeste. As minguadas economias transformadas em tijolo, amianto, pedra, cal, fazendo planos se preparava, ansioso, para o propalado dia.. Ao voltar, depois de uma noite exaustiva no trabalho, sem pregar o olho, a desgraça lhe esperava no lote vazio, debandados os sonhos e os pertences. Pela madrugada encontrara novo rumo, nas mãos dos ladrões, o fogão, adquirido com tanta dificuldade. E mais as redes, as panelas, o lampião, Deus! Tudo o que comprara, juntando o salário de meses! E ainda dois serrotes e uma martelo! Sua fortuna. Em vinte e quatro metros quadrados guardava a sua alegria, na expectativa da chegada da família, e se via, agora, dono apenas do chão, que nada lhe pouparam os bandidos, arrancando-lhe portas e janelas, e no vandalismo lhe levaram até o teto!

Ao relento, agora, chorava o tesouro perdido, a duras penas conseguido, e o seu sonho desfeito.Tudo carregaram, e por ironia, como testemunha, deixaram-lhe tão só o chão de cimento que não puderam levar!

O barraco vizinho, ao lado, tudo ouvira.Transido de medo se aquietara, em pânico, que a sanha assassina poderia incluí-lo na pilhagem. Mas sem supor, jamais, que o barraco inteiro era levado às costas!

Medonhos tempos que trazem no rastro a lembrança dos Bárbaros! Em sobressalto o rico e o pobre, a casa e o apartamento, a mansão e o barraco. Penoso fardo carrega o homem do Terceiro Milênio, o desrespeito e a violência açambarcando tudo! Depois de tanto avanço e tecnologia, e tanta empáfia, se dobrar ao império do medo!

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora, como um grito gigantesco de esperança .

 

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -