Boa noite, domingo, 17 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Setembro 2008

Gente brava


Assisti a euforia da partida, a expectativa entre a proeza e o medo, as risadas de quem se propõe a uma travessura, o gosto da aventura.

Diante da imensa massa líquida ao se quebrar em gigantescas ondas se desfazendo em espuma rendada à beira da praia, o grupo de turistas discutia, brincava, posava para fotografias, aguardando a hora de ganhar o mar na tosca jangada.

Imponente na sua simplicidade, grandiosa na sua ousadia, a jangada desceu sobre os rolos de madeira até o mar e deixou que as águas lhe lambessem o dorso, no ritual que se repete a cada dia, antes de se entregar, inteira. Dado o sinal, subiram todos, se agarrando ao mastro, ao samburá, aos rudes bancos, desajeitados, acenando, gesticulando, rindo.

Aberta a vela ao vento, pronta para seguir e já tomando o rumo, a jangada se empinou diante da primeira onda que lhe lavou o piso. E correndo, veloz, foi singrando, enfrentando as ondas, uma a uma vencendo.Subindo à crista e tombando, se alteando e caindo, avançou mar a dentro, na galhardia com que responde à carícia que lhe dá o vento.

Distraída com a paisagem linda à minha volta, o coqueiral, o trabalho das rendeiras nas choupanas de palha, perdi as horas, e nem sei quanto tempo velejou!Quando me dei conta, a jangada.

Em segundos se levantaram as águas, verdadeira muralha, e a onda quebrou, forte, erguendo a jangada e, arremessando-a! Sob o impacto, casca de noz, oscilando, se inclinou mais para um lado, e despencou, lentamente, a branca vela! Virou a jangada! De longe se podia avaliar o pânico, e os corpos que se jogavam nagua!

Num emocionante gesto de solidariedade, como se houvesse uma prévia combinaão, a pequena multidão que, da praia, acompanhava a luta desigual, lançou-se ao mar, nadando ao encontro dos náufragos, obedecendo a um irresistível impulso de recorrer e salvar.

Fora o pânico, os gritos, o nervosismo, a palidez de cera nos rostos aturdidos, apenas algumas escoriaões provocadas pelo forte roçar das cordas e pelos paus quebrados, resultaram do passeio que poderia ter terminado em tragédia.

Cabisbaixo, mudo, sem palavras, numa tauaú na branca areia, o jangadeiro tinha o olhar longe, perdido no vasto mar. O susto, a ameaça a tantas vidas sob a sua guarda, e o sentimento irremediável de perda, reduzida a destroços a jangada, a custo retirada do mar, davam-lhe a exata medida da fragilidade em que se firmava a sua vida. Para sobreviver, dependia, e constantemente suplicava ao vento, às águas, às chuvas, ao mar que fossem brandos .E a Deus, que minorasse a expectativa de cada dia, sempre ameaçado!

Circunstancialmente, ali se haviam juntado dois mundos, diferentes, e apenas por instantes dividiram preocupaões e falaram a mesma linguagem. Um, de progresso, conforto e lucro fácil, de longe viera para desfrutar, como aventura, o quotidiano do outro, carente e dependente. Um, forte e bem nutrido, usufruía como diversão, de uma obstinada decisão de sobreviver, do outro, temperada em maresia, no sol a pino, nas frias madrugadas em alto mar. Da difícil peleja, tinha no rosto profundos sulcos, e calejadas as mãos.Nunca soubera de escola, de máquina de escrever, de computador!

Herói, o jangadeiro! Brava gente do mar! Sobrevive pela obstinaão da própria vida em resistir, mesmo que, para mantela, tenha que arriscá-la a cada dia!

Terrível paradoxo, pensei, ao vê-lo calado, cismando, olhando o mar, se quebrando as ondas, uma a uma..E diante de tanta injustiça me acerquei, sem saber se deveria pedir desculpas ou perdão.



Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -