Bom dia, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Dezembro 2008

Um Brinde à Vida


Estamos chegando ao fim de mais um ano. E ainda estamos inteiros, apesar dos imprevistos, dos contratempos, dos previstos e dos esperados. Algumas mágoas e alguns ressentimentos, talvez, da vida e das pessoas. Esqueçamolos. Mágoas são decorrências das distorções da arte de conviver. O homem, pelo desejo latente de possuir o mais, nunca achou a vida suficientemente pródiga para o que fez e o que julga ser. Ressentimentos não pagam dívidas.

De lado, os senões e os desejos não realizados. Que tenha vez apenas a alegria, fruto daquilo que se alcançou nos dias de peleja deste ano que finnda, e na consciência do que se possuiu. Usufruiu-se do amor e da beleza, do verde e do azul. Os flamboyants floriram e lançaram o grito de paixão na mensagem das flores vermelhas. As cigarras cantaram a canção da primavera. O sol trouxe calor e aqueceu indistintamente bons e maus.E nas tardes, ao anoitecer, a natureza brindou o homem com lindos poentes, pintou o céu de arabescos coloridos e esgarçou as nuvens em espirais de fumaça. O vento correu de um lado a outro da terra e a criança sorriu quando lhe emaranhou os cabelos. Iluminouse o rostinho rechonchudo.

A rosa nasceu. Milagre de vida. E quem teve olhos para ver, se rendeu extasiado ao segredo do mundo. Nas pautas das relvas e dos canteiros floridos, a chuva escreveu canções de ninar, e em roldão, correu apressada pelas valas e regos, inundando caminhos e estradas.

E, se houve tristezas, dores e desencontros, que não haja revolta. Compõem o cenário da vida com os instantes de alegria.

Nos dias que se passaram, o ciclo vital se completou muitas vezes. A semente germinou, cresceu, e fez-se planta. Os dias sucederam as noites e o sol surgiu a cada aurora. E ao entardecer, desapareceu no poente. Uma ordem perfeita no ritmo das coisas.

Apesar das ameaças que cercam a humanidade por todos os lados, a fome, a poluição, a escassez d’água, a guerra nuclear, as contradições, a desorientação que impera, a frieza e a maldade, um brinde à esperança, à crença do que pode o homem construir e realizar. A Terra ainda não se omitiu. Ao homem falta a conscientização de que está em suas mãos, o seu próprio destino. No seu coração está o segredo da felicidade e do encontro que teima em buscar fora.

Que venha o Ano Novo, como sempre acenando promessas. Com juras de amor e de alegria, mostrando antecipadamente projetos e sonhos realizados. Que haja festas, risos, na dança e na euforia. Levantemos um brinde à alegria de viver. Em troca do muito que se recebeu, haja prodigalidade em dar. Que se abra o coração ao encontro do tempo. E na beleza de amar, se prolongue a graça da vida. Feliz Ano Novo!

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -