Boa tarde, quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Fevereiro 2009

Caminhos de ontem


Pisando devagar, e leve, como se temesse machucar as lembranças, iniciei o velho percurso tantas vezes repetido em outras épocas, ansiosa por rever paisagens e caminhos onde andei nos anos verdes, brincando e rindo de viver.

Retomei o mesmo trajeto. Emagreceram as ruas, pensei, as minhas ruas amigas, conhecidas, que me viram passar abraçada aos sonhos. Agora são simples vielas por onde uma multidão circula e pisoteia, indiferente. Perderam a importância, e da imponência as casas se reduziram a um comércio mascate, velhos fantasmas de outrora. Descascadas, esburacadas as fachadas, antes senhoriais, se transformaram numa procissão de portas banguelas, sem grades, sem peitoril, onde tantas vezes vi, debruçadas, as adolescentes de então, medrosas e tímidas, seguindo com o olhar, passos queridos.

Fugiram as esquinas! No lugar delas, uma grande praça me olhou, agressiva na beleza, e onde, frio e indiferente ao sentimento, um chafariz borrifava e lançava à quente atmosfera suas minúsculas gotas.

Tive ímpeto de correr, sepultadas ali doces lembranças, mas pesava como chumbo a sensação da volta, e seria uma covardia, pensei, fechar os olhos ao tempo e não aceitar a sua irremediável caminhada. Calmamente prossegui, procurando os cacos de ontem, catando o que havia sobrado das depredações.

Para atenuar no pobre coração a sensação de perda, lancei um artifício, e às velhas lembranças propus brincar de esconde-esconde. Ali, morava o avô, na casa de quatro janelões, a porta sempre aberta. Adiante, o colégio do deputado briguento e histérico, o riso franco da garotada passando, abarrotada de livros e cadernos, os passos apressados e os grupos formados, no portão, discutindo a prova, a lição, em febril algazarra. Agora, nem riso, nem garotada. Plantado, ali, gigantesco edifício se levanta para orgulho dos economistas da terra. Um sobressalto! E o quintal? Ali, verdejava o pé de seriguela, onde eu subia, montada nos cavalos de mentira, cavalgando veloz a imaginação. No chão, os buracos, cavados com esmero pelas mãozinhas miúdas, para as bolas de gude. E tudo voltou de repente, num segundo. A cozinha de lenha, os degraus quebrados da escada, o arrulhar dos pombos. O irmão à procura dos borrachos, mal saídas as penugens no corpo frágil das avezinhas. A imponência dos pombos-correio, sua aterrissagem linda, me trazendo preso ao pé, o esperado bilhete acertando a hora do cinema. E, na rua que já foi minha, comecei a procurar a velha casa, por entre as outras, espremidas, destituídas de valor. Gelei, inteira, parada no meio do quarteirão, sem reconhecer a porta por onde anos a fio entrei, carregada de planos! E fui seguindo a esmo, passando, olhando, um cinema, uma livraria. De repente, estupefata, frente aos vergalhões e as tábuas carcomidas de uma construção, eu vi, pregado, o número amigo, a placa azul da minha casa de menina. Parei. Ah! era ali....

E fui abraçando, uma a uma, as lembranças que chegavam. O piano tocando “la cumparsita”, os batentes da entrada, o trinco da porta que emperrava, o longo corredor. Uma vontade louca me assomou, de arrancar a velha placa empoeirada, como se fosse ainda minha, na vã tentativa de reter o tempo!

Ah! Tanto se perdera, já, na voragem dos anos, e a pequena placa não me traria os risos, a voz, os semblantes queridos! A tempo me contive. Parei de brincar, que era dolorido demais o jogo da saudade.

E decidi voltar pelo mesmo caminho. Na passagem, um “fícus” amigo que me vira crescer, ao me ver cabisbaixa e triste, segredou-me quase em sussurro:_ Não morri! Ainda estou de pé!

Criei novo alento e ergui a cabeça, decidida a viver, intensamente. Resistira ele! E eu também resistiria....

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

 

 


Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -