Boa tarde, quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Fevereiro 2012

Trágedia e Carnaval

No rosto o desalento, a convicção absoluta da própria fraqueza , a inutilidade da revolta, foi o que vi estampado no pobre homem que a televisão mostrou, entre os milhares que a enchentes destroçaram a vida. Personificada, a aceitação do irremediável.

E imaginei, em extensão e profundidade, a calamidade que desabou sobre os seus dias, as águas do rio subindo, a ameaça descendo e arreganhando-lhe a face, fantasma do mal. Junto, a esperança lhe acenando uma nesga de azul, promessa de bem.

Enquanto pode acreditar, armadilha do coração, o homem se agarra ao mínimo que resta, um nada, mas que há de representar ainda uma possibilidade, e só quando tudo se foi, no roldão da catástrofe, é que se rende à evidência e se entrega, vencido. Tanto para o bem do coração quanto para o bem das coisas materiais.Enquanto as chuvas persistiam, inundando, transformando em lama a plantação, a terra, agigantava-se a expectativa, de mãos dadas com o medo, e escondida, ainda gemia a esperança, que afinal morreu. As águas não pararam, e a desolação subiu à cumeeiras das casas, desnudas, pobres, carentes. No tempo que ainda restou, salvou-se o que se pôde. E a vida. Tudo mais se perdeu na enxurrada.

Estradas se fecharam, barreiras soterraram adultos, crianças, velhos e moços, pontes desabaram, e foi dado o alerta para que se abandonasse o lugar, a terra. Mortos, desabrigados, mil, milhares, formam a dolorosa estatística de que se tem notícia.

Por mais que se pinte em negro a calamidade, ainda não se diz todo o sofrimento. As lavouras, de milho, de arroz, de feijão, sobrevivência para o ano inteiro, estão perdidas. Escolas, igrejas, galpões, transformados em triste hospedaria, atendem ao desamparo e ao infortúnio. E a tristeza, ali, se debruça para chorar o hoje e o amanhã, mais negro e mais ameaçador.

Contradição terrível, agora é fevereiro, e o Carnaval já manda lembranças, com suas miçangas seus paetês, seu ritmo, sua alucinação. E as ruas, nas cidades, já mandam seus recados, nos panfletos ostentando fantasias, tecidos coloridos para a festa, e já se esbanja dinheiro, que a forma, a cor e a dança estão em jogo para o prêmio que a duras penas se disputa.

O país inteiro para, na tradição, que nem a urgência dos problemas inadiáveis consegue suster e impedir. E já se exaure, nas capitais, toda uma multidão, no gozo desenfreado, n a loucura do ritmo que instiga, excita, estimula e enlouquece.

Será tão simples esquecer a dor alheia, tão facilmente como uma porta que se fecha, uma página de livro que se leu, uma televisão que se desligou? Entre os gritos da alegria mascarada,entre a farsa da festa, será que a alma não se tolda na lembrança dos irmãos que estão soluçando espicaçados pelo sofrimento? A solidariedade bem podia se fazer presente, lá onde as enchentes chegaram, com um pouco dos milhões que ora se gastam, nos cetins e nas sedas, nos confetes, nas serpentinas, vivendo a colombina, o arlequim, o pierrot... outra vez enganado, outra vez traído.

Quando as águas baixarem e atingirem o nível natural, quando as estradas secarem, o pó dos caminhos voltar, levantando a saia do chão, e o ciclo da vida recomeçar, outra vez o preparo da terra, outra vez a plantação, o sofrimento já não vai clamar Terrível, na alma, a dor do silêncioEntão, é o gemido silencioso, quieto, angustiante, de quem perdeu mais que arroz e feijão, mais que cama e mesa, mais que madeira e chão. Perdeu vida, nas horas que não voltam, no suor que é sangue e se foi na enxurrada, no trabalho que não teve lucro nem paga, nos dias e noites de aflição, angustia e desespero, coração e alma se esvaindo. Se a tragédia fosse nossa,cada um de nós sentindo, na pele, essa dor, invertidos os papeis, uma vida inteira jogada fora, inútil , perdida, tudo para recomeçar, na estaca zero, como nos comoveríamos ante a solidariedade...

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -