Boa noite, domingo, 17 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Julho 2013

Um presente de vida a Mandela!

Mandela...um verso, um poema. Um gemido. Um lamento, um paroxismo de dor. Uma luta sem trégua contra a injustiça e a discriminação. Um homem proclamando um ideal. Um herói defendendo sua raça, seu povo, o direito de ser alguém.Um negro.

Por incitar a luta e se revoltar contra o governo branco, tirano e cruel, Mandela deixou de existir, oficialmente, proibido de escrever seu nome, publicar sua foto nos jornais, amordaçadas as suas palavras, algemados os pulsos. Mas não sufocado o ideal.

Quase trinta anos de reclusão pagou o líder, pela ousadia de iniciar uma revolta contra o apartheid. E perdeu o contato com o mundo, numa tentativa vã dos brancos de fazê-lo esquecido e sepultado entre os altos muros de uma prisão perpétua.Apagado, amordaçado, num protesto silencioso, a sua mudez equivalia a milhões de gritos de guerra, de rebelião, ecoando pelos rincões de sua terra natal, ultrapassando fronteiras, se alardeando, se multiplicando, chegando aos confins do mundo.

Por força do ideal, nervos e músculos em oblação, pensamento e coração em permanente vigília, Mandela atraiu todo anseio de liberdade e para ele se voltou como a um ponto de referência, a África injustiçada, a África sangrenta, a África massacrada. E ninguém, por mais ódio ou rancor, ousava tocá-lo, como se nele vivesse, como uma dádiva dos céus e uma eleição a própria alma da negritude.

Envelhecendo no cárcere, dezoito anos de trabalhos forçados, tentaram suborná-lo, oferecendo-lhe a liberdade em troca de uma declaração: renunciar a violência. Um gigantesco Não sensibilizou o mundo inteiro pela firmeza de propósitos! Abdicava da liberdade, mas não recuava, repetindo, obstinado que a sua libertação se associava irremediavelmente à libertação dos negros sul-africanos. E ao aparecer como cidadão livre, ao deixar a prisão, então um velho de cabelos brancos, magro, alquebrado, comovida a humanidade chorou, ante a força inquebrantável dos 75 anos de Mandela!

Vencendo séculos de opróbrio e humilhações, pela primeira vez os negros sul-africanos se encaminharam para as urnas onde escolheram, lado a lado com os brancos, com os mestiços, o seu presidente, Mandela. O revolucionário de ontem, o ativista, o relegado, o recluso, o prisioneiro. Findava-se a servidão, sepultado o apartheid.

Sobre-humana tarefa para um novo presidente, num chão minado de ódios e ressentimentos, entre os brancos que defendiam as antigas regalias e a expectativa dos negros, à espera imediata de um milagre, ante a promessa de conseguir “uma vida melhor para todos”, como propalava, em slogan, a campanha de Mandela.

Perfilava-se o mundo frente a África Negra do Sul, no seu heróico esforço de manter-se viva. E de pé.

Diante de Mandela, emocionada, a humanidade reverenciava o seu ideal de liberdade finalmente aceito.

No lusco-fusco do dia que começava, madrugada ainda, no meu jardim brotou uma rosa vermelha. Um presente de vida a Mandela!

Hoje, persisto na minha homenagem reverenciando o herói. E, de pensamento e coração, a ele ofereço milhares de rosas vermelhas. Um presente de vida a Mandela!

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -