Boa madrugada, sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Janeiro 2009

Muros de Argila


Na intenção que se iniciou na roda de amigos, fi caram, desde logo evidenciadas das duas verdades imutáveis: a vida, como um processo contínuo, desdobrando-se em sucessivos estágios, desde a fecundação, o nascimento, a primeira infância, a adolescência, a maturidade, a velhice e a morte, e a grande interrogação além dela; o amor como elo entre as pessoas, vinculando-as através de todos os estágios, numa projeção sem fron¬teiras e sem limites no tempo e no espaço.

O amor e a vida, como síntese e como análise, transcendem o próprio homem nas suas limita¬ções físicas, indo além das dúvidas para situar-se nos planos de co¬gitação onde o misticismo e a religião, nas suas múltiplas facetas, respondem pelas atitudes de cada um ao buscar um sentido para essa mesma vida e esse mesmo amor.

A discussão estabelecera-se em torno das ligações afetivas que unem os indivíduos do mesmo sangue ou pessoas na amizade, e sua possível rutura ante a indecifrável fatalidade da morte.

Uns pretendiam que se desfi zessem inelutavelmente os laços de afi nidade, considerando a morte como um interruptor de luz, apagando ou acendendo, claro e escuro, um marco defi nitivo de uma passagem sem retorno. Outros, timidamente, aventavam hipóteses e fórmulas no intuito de encontrar uma resposta que não rompesse o elo que deve permanecer além da morte.

Sem vãs fi losofi as ou explicações transcedentais, uma idéia entre muitas nos pareceu mais lógica, mais sensata, mais dentro da concepção do que seja a vida e do que seja o amor.

Aqueles a quem se amou, aqueles por quem se desdobrou em cuidados a natureza de cada um, aqueles por quem o coração encontrou razões de elegê-los os mais queridos entre os milhões de seres. Aqueles entre os quais a comunhão se fez e completou-se a unidade, no encontro e no entendimento. Entre eles, os laços de amizade permanecem, numa etapa superior de compreensão, além dos sentidos. Seria negar-se a si mesmo, a atravessar a etapa final desta caminhada, o homem ouvidar por completo aquilo que intrinsecamente lhe deu conteúdo humano.

Atingindo a maturidade, pode-se ter uma visão abrangente na escala dos valores afetivos, compreendendo, sem participar, a eleição e o carinho de uma menina por uma boneca, ou do menino por um soldadinho de chumbo, ou seu caminhão de madeira, pintado de azul.

Para aqueles que já habitam novas aragens, da mesma forma, e também sem participar, a não ser pela compreensão, uma etapa mais evoluída e obviamente longe dos sentidos, abre-se uma janela no desconhecido. Para um debruçar sobre aqueles que foram a razão dos seus cuidados, sua preocupação, acompanhando-lhes o canto e o pesar. Sem interferir e sem sofrer. Tal como os adultos, em complacência, com um mal disfarçado sorriso compreendem e acompanham o sfdrimento da criança que quebrou o seu brinquedo, sofrido e chora pela perda do objeto amado, seu dom e sua graça. Seu mundo.

Assim em planos distintos, faz-se a ligação, permanece o elo, une-se por invesíveis laços no amor, os que se foram e os que fi caram.

A verdade é que, espírito, chama, energia, ou qualquer outro nome que se lhe dê após ultrapassar estes muros de argila, o homem se identifi ca no Amor, como uma única razão de ter vindo e de ter ido, assinalando nesta passagem as marcas da eternidade. Feitas de Amor.

Nada mais foi questionado na discussão em pauta. Mesmo porque as teses afl oradas perderam o sentido, enveredando por caminhos inviáveis.

Ninguém jamais voltou daquelas paragens para contar como é, mas a mim conforta a possibilidade, de além, bem além destes muros de argila, acompanhar o fi lho que eu adoro, o companheiro que eu amo, o coração que bateu uníssono com o meu. E continuar vivendo o amor em plenitude.

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

 

 


Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -