Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Dezembro 2012

As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal

Na etapa final desta jornada, poucos dias para o ano terminar, sensibilidade à tona captando e apreendendo tudo em volta, cada um se deixa envolver e questionar pelos fatos e notícias alardeadas, e ora se exalta ora se deprime, ora alegre ora triste, vulnerável à emoção e ao sentimento. Como se arrancada a couraça que durante todo o ano escondeu o coração, para não se mostrar sensível e fraco aos olhos alheios, ficasse agora a descoberto, susceptível à mais leve demonstração de sentimento e sem defesa se deixasse trair! Uma simples melodia, doce e de mais sonoridade, um verso singelo, uma canção, e os olhos ficam marejados, um nó na garganta impede a voz e corta a frase ao meio, a custo contida a emoção.

É Natal! Acendem-se as lembranças, silhuetas amigas surgem das reminiscências, e o que há de mais puro e precioso em cada um retorna, sem artifícios, sem intenção preconcebida, como se voltasse a criança de ontem, ingênua e confiante, aceitando a oferta e generosa se dando, sem espera de retribuição.

Ah!Voltam ao pensamento os sapatinhos enfileirados dos irmãos pequeninos, no longo corredor da antiga casa, a ansiedade em aguardar o Papai Noel que chegaria pela madrugada com o saco de presente às costas, a impaciência afastando o sono que não vinha! E a voz doce, vindo do quarto vizinho, pedindo silêncio, mandando calar.

A disputa, luta desigual para sobreviver e garantir o próprio espaço distanciou aquela criança doce e marcou de desenganos o coração. Aquietou-se e se escondeu a doce ingenuidade que cada qual trazia, na constatação de que não havia tão só amor e acolhida, mas que no mundo, juntos, cresciam o ódio e a ambição, as desigualdades e as injustiças

Rememorando a chegada do Menino-Deus, frágil e indefeso, num mundo hostil e agressivo, e a gigantesca responsabilidade que nos ombros lhe pesava, de imprimir à humanidade uma face nova com a sua mensagem de amor, se ajoelha, solidária, a alma da gente, trazendo de volta, a cada Natal, a criança que vive em cada um.Ante o contraste da inocência, chegando, e do Cristo, mártire do Gólgota, o homem se enternece, se comove, chora, sensível ao sino, à canção, às palavras de amor, sinceras, proferidas.

É Natal, e de novo há sons de sino bimbalhando, se acendem as luzes, há festa e alegria nas ruas, nas avenidas do mundo. Enchem-se de prendas as mãos, materializando o desejo de se dar, em prodigalidade, o coração. E dão-se as mãos, se entrelaçam, num solidário gesto de viver em paz. Busca-se a reconciliação, e se tenta o perdão. E se desanuvia o semblante tentando superar as divergências e aceitar o irmão com todas as suas limitações, assim como as próprias limitações serão também aceitas.

Por ser Natal e toda manifestação uma resposta à mensagem de amor que um dia uma frágil criança trouxe ao mundo, para se multiplicar, que não seja festa de uma noite o inesquecível dia de há 2000 anos, numa pequena cidade, Belém. Há um compromisso tácito de toda a humanidade de buscar o bem, de vivenciar os seus ensinamentos, para não ser inútil e sem valia o sacrifício e a sua presença nestas distantes paragens. Perduram a violência, a injustiça, a tirania, a degradação e o aviltamento, como se Cristo ainda não tivesse vindo, pregando uma doutrina de desapego, e apontando os lírios do campo como ponto de referência, assim como as aves do céu que não ceifam, não fiam,não recolhem em celeiros. No entanto o Pai do Céu as alimenta.

Perdura, viva, a esperança, de que fiel ao seu destino, buscará o amor, como seu objetivo maior. Por isso, é Natal!.

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -