Bom dia, segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Novembro 2012

As luzes estão acesas

As luzes já estão piscando, os pinheiros enfeitados de pingentes coloridos, laços vermelhos e dourados se perfilam, engalanadas as vitrines, e novembro se espanta com um aparato que nunca lhe foi oferecido! Erraram as contas! Dezembro ainda está longe, mas os shoppings com a sofreguidão em faturar já se apresentam com cara de festa, se antecipam anunciando o Natal e as festas de fim de ano!

O salário, curto, e a interminável lista de compromissos a saldar angustiam o pobre coitado que se aventura pelas galerias iluminadas, com a intenção de, também se antecipando, saber o quanto lhe vai sobrar depois dos gastos inadiáveis.E assim, calculando, fazer frente aos preços estipulados na vitrine, acenando, facilitados, divididos, e maquiavelicamente magnetizando!

As aulas, na escola, ainda não findaram, mas o pagamento já se anuncia, com a ameaça provável do aluno perder a vaga no próximo ano, se a matrícula não se apresentar no tempo exato! Os algarismos são gordos, polpudos na hora da contabilidade, por mais se tente emagrece-los quando se apresentam as contas de luz, água, telefone, o dentista, a farmácia, os extras, impreteríveis. Milagre, ninguem faz. Urge apertar o cinto, restringir o que adoça a boca, jogar para frente aquele velho desejo protelado há meses!

Mesmo sabendo que ainda é novembro, todo aparato é mero artifício do comércio instigando o consumismo, o coração se alvoroça ante as luzes e os pinheiros. Mesmo que os céticos, no intuito de fazer sombra à alegria digam que a data é simplesmente simbólica e que Cristo não veio ao mundo em dezembro, 25, que importa o dia, as voltas que a Terra deu em volta do Sol, calendário criado pelo homem para facilitar-lhe o dia a dia? Importa acreditar nessa verdade e repetir que certo dia uma criança aportou a este planeta trazendo uma mensagem de amor que iria modificar todo o comportamento humano.E decisivamente influir no seu pensamento e nas suas ações. Com tal intensidade e força que passados dois mil anos ainda se persegue esse amor como uma meta a alcançar, um sentido para a vida.

Cristo aceitou a natureza humana, e como homem, convivendo com os homens, conheceu-lhes as limitações e a vulnerabilidade.Viu-se cercado da hipocrisia, da falsidade, da ânsia do poder. Movidas pela inveja as ciladas se ergueram, convencidas de apanha-lo em contradição, ao apresentar-lhe a lei e a liberdade como em lados opostos,_ “Senhor, disseram-lhe, sabemos que não lisongeias a ninguem, porque não olhas para as aparências, é lícito pagar o imposto a Cesar? Pondo a descoberto a astúcia e a perfídia, Cristo segurou a moeda do imperador que lhe era mostrada, prova do imposto exigido, e anulando a emboscada armada simplesmente retrucou, calando-os,: estupefatos;” Daí a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”. Ao lhe trazerem a adúltera, também pondo em confronto a lei judaica, extremamente severa, que mandava apedreja-la, e a caridade que pregava, Cristo com a autoridade inerente, conhecendo-lhes a malícia respondeu:” Quem não tiver pecado, atire a primeira pedra”. Acusados pela própria consciência foram saindo, um a um, sorrateiramente...”

Agora que se aproxima o Natal e se comemora a vinda de Cristo e a sua permanência entre nós como um privilégio ao homem, ponto de referência para uma tomada de posição à caminhada deste inveterado andarilho, renasce em cada mortal o desejo do bem, o anseio de generosidade e justiça, o desejo de compreender, de perdoar, de abrir o coração, de externar o sentimento, de soltar as amarras. E livre, sem os grilhões do egoísmo, sem a sofreguidão de ter, deixar que venha à tona o anseio de ser.

Retornam as lembranças queridas, o rosto das pessoas amadas com quem convivemos adoráveis momentos, retornam fatos que marcaram decisivamente a nossa caminhada. E de pureza e ternura se enche o coraçãoVolta a criança de ontem, sonhando com o carrinho de bombeiro, com o caminhãozinho de madeira, colorido, com a boneca que se viu na vitrine, e a cena muito antiga dos sapatinhos enfileirados no corredor da velha casa, aguardando a passagem do Papai Noel. No tempo em que o bom velhinho povoava de sonhos e ansiedade a inocência que dormia.

São outros os tempos , e o que ficou no ontem retorna apenas na saudade, Difíceis os dias e as perspectivas do amanhã mostram nuvens carregadas.Voltemos ao presente que muito perto de nós há choro e dor, lágrimas e desalento. As luzes estão acesas anunciando o Natal e uma multidão espera por nós para sobreviver. Milhões de indigentes, homens, mulheres, crianças abandonadas, discriminadas, a fome ameaçando-´lhes a vida.

Natal não é festa de uma noite! A solidariedade precisa continuar, e a generosidade, permanecer. As luzes estão acesas...

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -