Boa madrugada, segunda-Feira, 18 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Junho 2012

Atores de todos os tempos

Eterno círculo vicioso a história da humanidade. Através do tempo os fatos se repetem, iguais, apenas em cenários diferentes, e no drama, na comédia ou na tragédia, os personagens voltam infinitas vezes ao palco, mudando a indumentária, exibindo uma máscara mais colorida, menos tétrica, menos repugnante, mas, no fundo, repisando os mesmos temas, os mesmos gestos, reproduzindo as mesmas cenas.

O déspota, o tirano, o ditador é igual em todos os quadrantes, e sua distorção, seu impulso, sua ânsia por dominar, por oprimir, por subjugar, são idênticos em todas as épocas, nos tempos antigos e nos tempos modernos. Nero usava uma túnica, com sandálias nos pés desfilava nos palácios, enquanto Hitler, sempre de uniforme e com soturnas botas aparecia aos seus comandados, mas tanto um quanto o outro guardava nas entranhas terrível perversão e uma odiosa sede de destruição e morte.

O omisso, indiferente à conseqüência dos seus atos a tudo que não lhe diz respeito, desde que não afete a sua imagem, o seu cargo, a posição que ocupa, lava as mãos perante uma multidão, não se posiciona diante de terceiros. Cruza os braços e assiste a correnteza passar. Pilatos vive ainda hoje, multiplicou-se, e sobe à tribuna de terno e de gravata.

Transferindo, delegando a outros a decisão que não ousa tomar, ao acaso lança o bem que covardemente não se atreve a desfraldar, e empunhar, como uma bandeira a defender. Pusilânime, medroso, nunca se define, vivenciando uma permanente ambigüidade.

Sempre de espreita, preparando a hora, o lugar, o instante do assalto, o traidor vagueia desde o começo do mundo. De manso se acerca, e no momento exato escancara as fauces e investe, lobo feroz a aniquilar o inocente.

Caim matou Abel, e de sangue do irmão, tingiu o chão do mundo. Brutus apunhalou, pelas costas, Júlio César, em pleno senado, chefiando uma conspiração, e cortando os planos acalentados pelo estadista, hábil político e Imperador de Roma. De tocaia, nas sombras, como rato nos esgotos, o traidor não se mostra, nunca, à luz. Pérfido, se acerca sorrindo, mas nas mãos traz o punhal ou as moedas do perjúrio.

Na infindável procissão de personagens que no palco do mundo repetem gestos, atitudes, distanciados no tempo e no espaço, mas xerox vivos, vestidos de túnicas, de ternos, de tangas, de togas, de uniformes, seda, veludo ou algodão, um nome representa o grupo, Caim, Pilatos, Brutus, Judas. Mas para esse personagem vulgar, que como camaleão muda de cor, e se transforma, e toma a coloração do ambiente por que passa, e se anula e se aniquila, no intuito de favorecer a quem está na cúpula, sobressai e se destaca, confesso que não encontrei o seu representante! Contudo, sempre existiu, em todas as épocas, nos tempos antigos, nos castelos feudais, nos amplos salões, com mesuras, trejeitos, como uma sombra a acompanhar os grandes, os importantes. Como eco, infinitas vezes vai repetindo o sim ou o não, que não destoa, nunca, da voz de quem manda e ordena. Como calango em cima do muro velho, em meneios de cabeça, faz da vida uma afirmativa permanente, sem nunca protestar, discordar, contradizer.

É o sabujo. Faz da lisonja seu constante linguajar, e bajula, e adula, e incensa e descobre no Poder que o atrai e fascina, razão de sobra de mais incenso e mais bajulação. Ri, sem achar graça e sem estar alegre, afivelado ao rosto permanente ritus. E, acocorado, não assume, jamais, a postura vertical! Pode lamentar de ser esmagado, aquele que se faz verme da terra?

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -