Boa noite, sexta-Feira, 22 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Maio 2010

Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...


Na cidade grande, por conta da competição, dos compromissos, cronometrado o tempo e escravo das horas, o homem artificializa a vida, prisioneiro de uma agência de urgências que quase nunca é cumprida satisfatoriamente. Dura, a peleja para enfrentar, quase todos se enclausuram numa couraça e se defendem, embotando a sensibilidade e fechando o coração. E se bloqueiam, se mimetizam, ocultando aquela face por onde julgam, se tornam vulneráveis. Escondem o que têm de melhor, o lado sensível e terno, o gosto pelo que é simples e natural, a espontaneidade, os hábitos adquiridos quando mais jovem, a crença num Ser Supremo, a fé num amanhã.

Em prontidão permanente afivelam uma máscara á alma, e se fazem de duros, de secos, amargos, e indiferentes aos anseios dos outros, no intuito de não serem perturbados, interrompidos nos projetos a triunfar.

Protocolada, grampeada, dividida em compartimentos, perde a vida a simplicidade, e o homem esquece a alegria de naturalmente viver, de participar do ritual da festa de cada alvorecer, iluminadas as manhãs, plenas de promessa, da beleza que se oculta no desdobrar das horas comuns. Artificializada a vida, se transfere o encanto para o que é diferente, inusitado, ao sabor da novidade. Fica preterida a singeleza das pequenas coisas, a magia do que não é requintado mas cheio de um encanto próprio, feito de crença, de misticismo, do só acontecer.

Maio vai a meio, quase sendo vencido no calendário. Nele, as reminiscências retornam e pedem passagem, como se quisessem cobrar um tempo que na distância se perdeu, sem possibilidade de volta. E me ponho, quieta, ao vê-las passar, dorido o coração, tantos os instantes de ontem acenando, esfumando silhuetas no estirão do tempo. Um maio de céu azul, de flores, de alegria, de festa.

Não havia o insistente apelo da televisão tiranizando horários, deformando hábitos e empurrando famílias inteiras para os cantos da sala ou dos quartos, atendendo ao persistente chamado para as novelas, escravização coletiva à tela iluminada, amordaçadas platéias, imóveis e passivas assistindo a tragédia de desconhecidos personagens. Contrastando, ontem, na lembrança, numa Igreja iluminada, ao som do Órgão, o canto, em coro, enchia a nave inteira, e se embalava a fé na alegria da doce cantilena: “Sancta Virgo Virgimum, ora pro nobis”, “Mater Puríssima, ora pro nobis”, “Turres ebúrnea”, “Foederis arca”... na ladainha à Virgem . Era Maio, o Mês de Maria.

O chamado para a Novena se fazia suave, ao entardecer, no dobrar dos sinos, repicando festivos. E era o encontro dos amigos, a comunicação, os apertos de mão no patamar da Igreja. E se apressavam todos, atentos à cerimônia, às homenagens à Virgem Maria. Então se exaltava o amor, a fidelidade, a amizade, o dever dignificando o homem pela integridade do caráter, pela honradez, pela hombridade. Num ambiente de crença e de fé no amanhã, de mãos dadas, trocavam ternos olhares os eternos enamorados, e por entre os versos da ladainha cantavam o próprio amor e repetiam as juras de benquerer. Doce Maio, de sermões da sabedoria bíblica, de incenso e “Tantum ergo”. Terminada a novena, na praça iluminada que cercava a igreja, no vai-vem dos pequenos grupos, rapazes e moças, em volta dos jardins, os furtivos olhares se insinuavam cheios de promessa, acenando esperanças. Tempo feliz, sem artifício, ingênuo e doce.

Diferentes as lições e os estímulos de hoje. Na TV sobressai a traição, a covardia, o adultério, a ambição, e se destaca como mais inteligente e vencedor aquele que mais engana, o que mais finge e dissimula, o que mais mente. Elegante, rico, vitorioso, o crápula, aquele que leva para si todas as honrarias e as glórias.

Maio agora, uma vez mais no interminável correr das horas, está indo embora, marcado pela ausência do repicar dos sinos, sem as ladainhas, sem os grupos risonhos no patamar das Igrejas. Até onde chegaremos, e até quando resistiremos a este cerco de insídias e às ausências de certezas, nas opções a adotar e nos caminhos a seguir!.

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora.

 

Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -