Boa noite, domingo, 17 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Julho 2008

Camaleões à solta


Vem de longe a estranha mania, de tão longe, que talvez remonte aos primeiros tempos, quando o homem, cheio de empáfia, se considerou o maior. Um deus.

Cedo começa, e se esconde atrás de um despretensioso adjetivo, um aumentativo simplesmente, até que se escancara e se mostra tal qual é, sem paliativo! Num repetido treino, “o meu é melhor, o meu é mais bonito”, com o passar dos anos vai se sedimentando, vai se exacerbando, toma posse da personalidade, perdidos para sempre o senso do ridículo, a auto crítica e o discernimento!

Ramsés II, o faraó egípcio, tinha mania de grandeza! Exaltado pelo cargo, pelo trono que ocupava, proclamava a sua importância, não lhe bastando a fama pelas conquistas que empreendera, pelos monumentos erguidos, pela gigantesca descendência. Megalomaníaco, não vacilou em se apropriar de estátuas de personalidades famosas que o antecederam, trocando por suas feições o rosto daqueles que, em seu tempo, tinham merecido um monumento! A fraude, descoberta mil anos depois, foi percebida por uma historiadora de arte, numa exposição itinerante que acompanhou, levando os tesouros do faraó aos Estados Unidos e ao Canadá. Durante anos estudando a vida dos faraós, intrigou-a a gigantesca escultura que trazia uma expressão bem diferente das demais, sempre com um enigmático sorriso a se esboçar. Restaurada, e tendo o nome do faraó em sua base, tinha, contudo, sinais evidentes de que não lhe pertencia! Diferentes os costumes, as vestimentas, a expressão, não foi difícil para a pesquisadora constatar o esbulho do faraó, usurpando a estátua de um que lhe precedera há mais de séculos!Os monumentos, retratando em pedra Ramsés II, tinham pernas longas, saiotes amplos, um rosto triangular, olhos voltados para baixo, diferentes das outras, de olhar firme duro, dirigindo para frente. Comparando, a historiadora concluiu que Ransés II tinha usurpado não apenas uma, mas nove, de Sesostrisv I que lhe antecedera há seiscentos anos! Comprovado assim, que o roubo de objetos de arte, o plágio literário, musical, remonta aos faraós... Megalomaníaco, não hesitou em se expor ao ridículo, nem recuou ante a possibilidade de ser declarado um usurpador! A sua super estima, doentia, revelou uma fraqueza de caráter, um espírito fraudador e mentiroso.

Propalando um permanente “eu sou mais eu”, muitos Ramsés II andam à solta, se apropriando indevidamente de gestos, atitudes, expressões, ditos, de uma falsa competência, tentando a todo custo se afirmar, insatisfeito com o que são, com o que possuem, eternamente cópias!

A síndrome de papel carbono está presente no caráter, nos gestos e nos posicionamentos de centenas, mil pessoas. Muitas delas buscando ser o sósia de modelos estereotipados que marcaram época, a seu tempo. Esquecem- se, no entanto, de que alguém, a exemplo da historiadora Suruzian, pode descobrir-lhes a farsa, e colocá-los a descoberto, sem atributos, sem importância, diante de seus semelhantes...



Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -