Boa noite, sexta-Feira, 22 de Novembro de 2019
Casa do Ceará

Imprima



Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras
































:: Jornal Ceará em Brasília



— Última Edição —
— Edições Anteriores —

Untitled Document

Maio 2009

Poema Impossível


Eu quis fazer um verso, contar uma história, escrever um conto ou um poema, que falasse de mãe e fosse uma homenagem. Mas, negou-se a idéia, fugiu o pensamento e não pude juntar em frases as palavras que chegaram, de amor, de bem, dizendo dela. A imaginação, antes viva e colorida, perdeu a força e a graça, ficou vazia e muda, sem cor, sem som, despida de expressão! Que pena, pensei, seria uma festa a palavra amiga superando o gesto e no Dia das Mães a gratidão em rimas, que belo presente ela receberia.

Então, busquei nas minhas lembranças o tempo de criança. Quem sabe, ali eu acharia o que dizer dela, o que falar, no segredo da menina magricela que corria, descalça, no quintal, jogando bola de gude na areia, pulando “amarelinha”. E voltei A casa grande do bisavô, a porta sempre aberta, e lá dentro a voz que era festa, presença, segurança, um quê de paz, certeza do amanhã. Vi a firmeza no gesto, a decisão, e o olhar que era ordem, aprovação, sinal de sim, sinal de não. Tinha o dom de falar, sem nada dizer, que apenas em olhar se fazia entender.

Pouco, contudo, para um presente. Muito pequena a lembrança da menina. E fui à adolescente. Talvez pudesse me ajudar. Seriam mais nítidas as impressões, mais marcantes as atitudes, os gestos, as decisões. No riso do encontro, na alegria das respostas, eu vi o retrato dela. Gozava da vida o que de bom chegava, sem medir o mal que muitas vezes vinha. Não lhe dava trela, atenção, importância, confiança. E usufruía o bem, esperando o melhor.Feita de fibra, essa a impressão, marcando o rumo certo, sabia o que queria. Cabeça erguida, a nada se dobrava, a não ser que pedisse pelo filho. Então, era terna e doce.E bondosa e meiga.Extraordinária amiga. Mais que tudo acreditava no poder da vontade, na força de querer.

Para vencer, ela dizia, basta seguir, ter fé, não recuar. Extraordinária mulher.

Mas, não era ainda o que eu queria lembrar, e dizer, naquele dia, só dela! Então, buscando inspiração, busquei os livros e li tudo sobre Mãe. Frases, versos, rimas, poesia. Discursos e Orações. Crônicas e Epístolas. Histórias e Fantasias.Trovas. Sonetos de poetas grandes e pequenos. Páginas inteiras.Num grande livro de mil folhas, que só de mãe dizia. Retrato, Acalanto, Poemas de ternura.Cantares, Elegia,Epitáfio. Só beleza achei. Encantamento. E só verdade havia. Mas, falava pouco ainda.

Faltava muito, não dizia tudo, quem foi minha mãe, minha escola, minha lição Eram fracas as palavras, não tinham aquela força que eu queria expressar. Não tinham o colorido que eu queria imprimir às frases que precisava escrever!

Falar de Mãe e dizer tudo, qual sábio, qual gênio, qual poeta? Que diga do caminho, da luz e do farol e esgote o assunto! Da estrela e guia, do esteio e da alegria. Da festa e da mensagem Da fé e do heroísmo.

Que de Mãe, para falar, livro algum existe, palavra, idéia, frase ou poesia, que diga todo bem, toda grandeza. E seja capaz o poeta ou seja capaz o artista, de dizer em versos, em letra, em música, em canção, do amor de mãe, mais puro e verdadeiro, toda verdade, o que ele é capaz, o que ele faz, e É.

(*) Regina Stella (Fortaleza), jornalista e escritora

 

 


Untitled Document

Regina Stella S. Quintas
Jornalista e Escritora
studartquintas@hotmail.com

                                            
:: Outras edições ::

> 2015

– Outubro
Camaleões à solta

–Setembro
Um instante de Solidariedade

> 2015

– Novembro
Coronel Chichio

– Outubro
Uma ponte...

– Setembro
Um verbo para o encantamento

– Agosto
Há vida lá fora...

> 2014

– Setembro
Seca: a tragédia se repete
– Agosto
Seca: a tragédia se repete
– Julho
Gente brava
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2013

– Dezembro
Na festa do tempo, um brinde à vida
– Novembro
Em velha trova do tempo. Trinta dias tem setembro. Abril, junho, novembro...
– Outubro
O Gênio e o Homem
– Agosto
O Gênio e o Homem
– Julho
Um presente de vida a Mandela!
– Junho
Dia da Alegria
– Maio
Precioso bem
– Abril
Aquele velho “OSCAR”
– Março
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Fevereiro
Recado para quem sai
– Janeiro
Rota para a vida

> 2012

– Dezembro
As lições de amor e ternura fazem eterno o Natal
– Novembro
As luzes estão acesas
– Outubro
Amarga ironia
– Setembro
O trono vazio
– Agosto
A última trincheira
– Julho
Parece que foi ontem...
– Junho
Atores de todos os tempos
– Maio
Seca: a tragédia se repete
– Abril
Imaginação ou realidade?
– Março
Um Século de Sabedoria
– Fevereiro
Trágedia e Carnaval

> 2011

– Novembro
Trilhas da vida
– Setembro
Um mercenário a caminho
– Agosto
Usar sem abusar
– Julho
Como as aves do céu
– Maio
Quem se lembra de Chernobil?
– Junho
Sino, coração da aldeia...
– Maio
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Abril
Bonn, Bonn
– Fevereiro
Depois da festa...
– Janeiro
Um brinde ao Novo Ano

> 2010

– Dezembro
Nos limites de um presente,um presente sem limites
– Novembro
Homem total
– Outubro
Estórias de sertão, estórias de cangaço
– Setembro
Um tempo que se perdeu
– Agosto
Império do Medo
– Julho
Acenos de Esperança
– Junho
Maio, cada vez menos Mês de Maria, está indo embora...
– Maio
Poema Impossível
– Março
Numa tarde de verão
–Fevereiro
Caminhos de ontem
– Janeiro
Muros de Argila

> 2009

– Dezembro
Um Brinde à Vida
– Novembro
A vez da vida
– Outubro
Gente brava
– Setembro
Gente brava
– Agosto
Lição de vida no diálogo dos bilros
– Julho
Camaleões à solta
– Junho
Síndrome de papel carbono
– Maio
Um tempo que se perdeu


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -